Comissão da Câmara convidará jornalista e autoridades para esclarecer denúncias de espionagem

Karine Melo (Agência Brasil)

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados aprovou hoje (10) um convite para que o embaixador dos Estados Unidos, Thomas Shannon, esclareça as denúncias de espionagem eletrônica no Brasil por agências americanas.

Shannon não será o único convidado a dar explicações. Também serão chamados os ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, da Defesa, Celso Amorim, da Justiça, José Eduardo Cardozo, das Comunicações, Paulo Bernardo, e o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, José Elito.

Na lista estão ainda os diretores das agências Brasileira de Inteligência (Abin) e Nacional de Telecomunicações (Anatel), da Polícia Federal, e da Telebras, além do colunista Glenn Greenwald, do jornal britânico The Guardian, que divulgou as denúncias feitas pelo consultor em informática Edward Snowden, segundo o qual a Agência Nacional de Segurança Norte-Americana (NSA, na sigla em inglês) manteve escritórios no Brasil para monitorar a comunicação de empresas e de brasileiros.

Ontem (9) o plenário da Câmara aprovou, por 292 votos a 86 e 12 abstenções, moção proposta pelo PT e assinada pelos líderes do PMDB, do PV, do PSOL e do PCdoB de repúdio ao governo dos Estados Unidos contra a espionagem de agências norte-americanas de inteligência sobre empresas e pessoas brasileiras.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

8 thoughts on “Comissão da Câmara convidará jornalista e autoridades para esclarecer denúncias de espionagem

  1. Senhores,

    “Ontem (9) o plenário da Câmara aprovou, por 292 votos a 86 e 12 abstenções, moção proposta pelo PT e assinada pelos líderes do PMDB, do PV, do PSOL e do PCdoB de repúdio ao governo dos Estados Unidos contra a espionagem de agências norte-americanas de inteligência sobre empresas e pessoas brasileiras.”

    -Dinheiro jogado fora com os salários desses inúteis durante uma discussão tão inútil!
    O que poderão fazer contra os Estados Unidos? ora, nas próximas férias todos eles estarão de braços dados com o Tio Sam, uns fazendo compras com toda a família e outros aplicando em imóveis o dinheiro ganho com o trabalho do quem paga imposto!

    Abraços.

  2. Em Tempo:

    Na verdade, senhores, CANSA ver os políticos brasileiros falando mal dos ESTADOS UNIDOS durante o dia, sabendo que, à noite, TODOS ELES estarão se PROSTITUINDO com ele…

  3. Nesse caso do monitoramento da Internet creio que estão fazendo muito barulho para nada. Todos espionam todos em todos os níveis e não é de hoje. A rede cibernética é um queijo suíço. Os diplomatas negarão enfaticamente qualquer violação da privacidade dos cidadãos e autoridades e advindo outro assunto polêmico o atual será esquecido. Afinal, quem colocará o guizo no gato (EUA) a maior potência econômica e militar de todos os tempos? Lógico que ninguém não é mesmo!

  4. Gostaria de saber por que não chamam FHC, o Príncipe, para esclarecer a privatização da Embratel com seus satélites. Após esta venda o país passou a alugar canais dos satélites para comunicações Hiper Sigilosas do Planalto, Itamaraty, militares, até as comunicações do Sucatão/Aerolula passam por esses canais. Assim sendo basta colocar um grampo e pronto. Agora também deveriam chamar Lula para esclarecer a demolição do SNI e a incompetência da ABIN que não soube nem alertar a PresidAnta sobre o Movimento Passe Livre.

  5. Amigos comentaristas Francisco Vieira, Roberto Nascimento e Guilherme Almeida, palmas para a lucidez destes seus comentários!!!
    O Brasil nem tem satélites!!! Não temos nada!!! Os Estados Unidos sempre se comportaram como o Secretário de Estado John Foster Dulles ensinou:
    “Um país não tem amigos: tem interesses”.
    Agora … se eles saem por aí torturando e matando, espionando, invadindo e monitorando a tudo e a todos como bem entendem … os outros que se defendam!!! Nada do que aí está representa novidade!!! Cabe-nos reagir, SIM!, embora nada vá alterar a política deles.

  6. Muito bem comentado caro Guilherme Almeida.

    A privatização das Telecomunicações, em especial a da Embratel, que muitos comentaristas tecem loas e alvíssaras como a última flor do lácio tornou o controle estratégico das informações frágil e sujeito a grampos por potências estrangeiras.
    Não adianta chorar pelo leite derramado, o estrago foi feito sob o aplauso dos privatistas mais entusiasmados.

    É o que dá pensar apenas no momento presente, sem a perspectiva do futuro estratégico da nação.

    Os privatistas precisam entender, que as estatais foram criadas para cobrir um vácuo das empresas privadas, quer dizer não eram interessantes (lucros) para os empreendedores capitalistas colocar dinheiro do bolso para os investimentos na infraestrutura. Então, o Estado entrou fortemente para suprir a lacuna e dar condições mínimas para alavancar a industrialização do país, de forte tendência agropecuária.

    Depois do bolo pronto, aí advém à pressão para vender nossas empresas criadas pelo Estado brasileiro, portanto, patrimônio do povo. Em relação à suposta alegação de corrupção nas empresas estatais existem os órgãos de controle, os Tribunais de Contas, enfim, os mecanismos inscritos na Legislação que rege a matéria civil e penal. Agora, nas empresas privadas também ocorre o fenômeno. Fala-se muito em corrupção dos empregados e funcionários públicos e quase nada em relação aos corruptores, sempre impunes.

    Outra coisa que frequentemente citam em relação às empresas privadas, de que, em caso de corrupção, quem perde é o dono da empresa. Ledo engano. Quem perde são os empregados que serão demitidos e lógico, o Estado, que deixará de arrecadar impostos e também os bancos públicos que emprestam somas astronômicas a juros subsidiados e prazos de carência longos para pagarem os empréstimos públicos.

  7. É jogar dinheiro fora essa reunião da comissão. Ao não dispor de tecnologia, o pais está sujeito a compra de conhecimentos dos outros, que embute nas TI´s adquiridas um dispositivo que permita o vendedor ter acesso as informações e posterior utilização a seu favor. Solução do problema: desenvolver tecnologia própria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *