Como armaram a história do Caixa Dois do PT

Sebastião Nery

Poucos lembram como começou a circular, como desculpa do mensalão, a  história mal contada do Caixa Dois do PT. Foi tudo articulado em julho de 2005  por José Dirceu. A Folha contou que “antes de falar ao Ministério Público e ao Jornal Nacional, Delúbio apresentou (segunda-feira) a linha-mestra de sua defesa a um seleto grupo de dirigentes petistas, entre eles os líderes do governo no Congresso, Aloizio Mercadante e Arlindo Chinaglia. Abriria a caixa-preta dos financiamentos de campanha e afirmaria que todos os petistas, menos o presidente Lula (sic), tiveram Caixa Dois na disputa de 2002, quando Mercadante foi o senador mais votado do País. O ex-tesoureiro foi contestado por Mercadante: “A minha, não”! “Ah, é? E quem você acha que pagou o Duda Mendonça”?, respondeu Delúbio.

Os R$ 10 milhões que Duda recebeu limpos, por conta de seu talento, foram 90% por conta da campanha de Lula.

Delúbio foi a BH e combinou tudo com Valério.

###
VALÉRIO, DELÚBIO, LULA

Sexta-feira, “por acaso” (nesse governo e no PT, tudo é “por acaso”), o Valério apareceu no Jornal Nacional dizendo que ele e Delúbio armaram tudo sozinhos. Ele arranjou “R$ 40 milhões para o Caixa Dois do PT em confiança, sem garantias”. Sábado, quem aparece no JN é Delúbio, repetindo o acertado com Valério: a responsabilidade é só (sic) deles dois. Escolheram o crime que querem pagar.

Aí entra Lula para completar o “Trio Mentira”, da história mal contada. Ele embarcou em Paris, de volta, sexta-feira, às 13h30 de lá. Aqui, 18h30. Às 12 horas de lá (17 horas aqui), antes de embarcar, deu a entrevista para domingo no “Fantástico” (Valério sexta, Delúbio sábado, Lula domingo), repetindo exatamente o combinado “dirceumente” com Valério e Delúbio, a história fajuta do Caixa Dois: “O que o PT fez foi do ponto de vista eleitoral”.

Na CPI, estava aí uma rica vereda para o relator Serraglio, os senadores Jefferson Peres, Heloisa Helena, Sergio Guerra, os deputados Arnaldo Faria de Sá, Onyx Lorenzoni, ACM Neto, os mais ativos da CPI, percorrerem:

– A que horas foram gravadas as entrevistas de Valério e Lula na sexta?

Consta em Minas que Valério gravou na sexta pela manhã. Lula ainda estava dormindo em Paris. Mas, mesmo que tivesse gravado na sexta à tarde, lá ainda era de manhã, antes de Lula dar a entrevista dele. Claro que foi tudo combinado. Lula já sabia o que Valério tinha dito e o que Delúbio ia dizer.

Lula não falar direto ao “Fantástico” e fabricarem a bela menina, “repórter” Melissa Monteiro, “de uma produtora de TV francesa” (que produtora, que TV?) era um prato cheio para o “Observatório de Imprensa”, do Alberto Dines, dar uma investigada.

(Artigo publicado por Nery em 19 de julho de 2005) 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *