Como matar os jornalistas

Mauro Santayana (HD)
O Brasil é um dos países mais perigosos para os jornalistas. Se excluirmos as zonas de guerra ou de conflito armado interno, o país se encontra à frente nessas estatísticas. Nove já morreram este ano. Aqui nenhum jornalista morre de balas perdidas, como é comum nos confrontos bélicos. Todas acham seu alvo. Só este ano, 4 jornalistas foram assassinados em nosso país – e 600, nos últimos dez anos, no mundo.
Os jornalistas incomodam porque são insistentes testemunhas diante da opinião pública. E há aqueles que ousam ter uma posição política definida, quase sempre contra governantes autoritários e violentos. Desde a independência, matam jornalistas no Brasil. O primeiro  caso  foi o de Líbero Badaró, assassinado em São Paulo por sicários, a mando do desembargador Candido Ladislau Japi-Açu – mas há quem identifique o próprio Pedro I, como o real  mandante do crime.
A MORTE DE BADARÓ
Líbero Badaró era italiano, e o seu assassino, alemão. Estava no Brasil havia pouco mais de três anos, era médico e jornalista. Fundou, um ano depois de chegar, “O Observador Constitucional”, que dirigia pesadas críticas ao Imperador.  Com o seu sacrifício, surgia o costume de matar jornalistas e, mais ainda, a impunidade.
O desembargador, identificado como mandante pelo próprio assassino, foi transferido para o Rio de Janeiro, ali julgado e absolvido. Absolvidos foram ainda  o alemão Henrique Stock, que disparou a arma,  e o tenente Carlos José da Costa, que fora do Rio para São Paulo, a fim de organizar  a empreitada.
Durante o Império e a República não foram poucos os jornalistas assassinados. Embora muitos fossem vitimados nas duas maiores cidades do país, Rio e São Paulo, os crimes, em sua maior parte, eram cometidos no interior do país, sem grande repercussão histórica.
O assassinato é a última providência dos que detestam a liberdade de imprensa, que é apenas a liberdade de expressão ampliada pelos meios técnicos. Mas o homicídio dos jornalistas pode ser ainda mais nefando, quando  são submetidos à tortura, como ocorre nos regimes ditatoriais e ocorreu durante o regime militar. Vladmir Herzog e Mário Alves são os dois mártires mais conhecidos – mas houve muitos outros, de perfil mais modesto, submetidos à tortura e à morte pelo interior do país.
Há também como amordaçá-los: a intimidação, a ameaça à família, a via judicial, e os serviços de repressão. Agora, por exemplo, o governo dos Estados Unidos, que se proclamam a pátria da liberdade de expressão, se apropriou, mediante agentes secretos, clandestinamente, de gravações feitas pelos repórteres da Associated Press, em flagrante violação da Primeira Emenda da Constituição. Obama, eleito em nome da esperança, prefere defender o Tea Party, partido de extrema-direita, acusado de sonegar impostos.
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Como matar os jornalistas

  1. O jornalista que assina o texto, parece esquecer o plano lulapetista para destruir a midia em geral. A exemplo do que está ocorrendo na Venezuela, Argentina e outros paises latino americano. Sem falar dos países muçulmanos, tão próximos do ex-presidente Lula, que perseguem escritores e proíbem a livre leitura de livros..

    Nunca, vamos poder esquecer o tratamento “hospitaleiro” orquestrado pelos petistas, dado para a jornalista cubana Yoani Sánchez. Isso sim , é lição do PT para nos espantarmos de medo.

    É sabido que a ditadura petista, não se conforma com a liberdade de imprensa e é contra a democracia.

    Nunca poderemos esquecer, que o lulapetismo se apropriou da opinião pública, e da maioria dos seus formadores a moda de Luiz XIV. Querem bajuladores sempre a favor, para se perpetuarem no poder vendendo salsicha como se fosse democracia.

    Tim Lopes, morreu por expor o narcotráfico, tão prestigiado pelas FARC, braço que assina o Foro de São Paulo. E aí, como fica? A luta que o PT trava pelo “controle social da mídia”, agora, exposta como projeto de governo, é normal? Os jornalistas não se sentem incomodados?

  2. Os “lulopetistas” não são contra os jornalistas. São contra, assim como milhões de cidadãos que não aceitam ser manipulados, os donos de uma grande imprensa canalha, dominada há gerações pela mesma meia dúzia de famílias mafiosas, com interesses financeiros e econômicos muito bem definidos e uma longa história de negociatas. que insiste em enganar a população, e ameaçar a democracia – sempre que achar necessário – parea colocar seus particulares interesses acima dos interesses do País.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *