Confirme como o velho Partidão atacou o PT no Fórum de São Paulo

imagem

Mário Assis
Em documento oficial do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro ao Fórum de São Paulo, o velho Partidão mostra que está vivo e diz que é preciso acabar com a ilusão de que o governo brasileiro, há quase 11 anos nas mãos do PT, seria “progressista e antiimperialista”.

####

O PT É UM PARTIDO DA ORDEM CAPITALISTA

No imaginário da esquerda latino-americana os governos petistas são progressistas; alguns chegam a idealizá-lo como antiimperialista. Isso ainda tem a ver com o passado combativo do PT e de Lula, seu principal referente.

Superar esta ilusão, este obstáculo, é de fundamental importância para avançarmos na construção de uma unidade de ação continental revolucionária, anticapitalista e antiimperialista. O PT é hoje um partido da ordem capitalista, a serviço do “neodesenvolvimentismo”. Domesticou e cooptou as entidades de massa, como a CUT e a UNE.

No Brasil, nunca os banqueiros, as empreiteiras, o agronegócio e os monopólios tiveram tanto lucro. A política econômica e a política externa do Estado burguês brasileiro estão a serviço do projeto de fazer do Brasil uma grande potência capitalista mundial, nos marcos do imperialismo. As chamadas multinacionais de origem brasileira, alavancadas por financiamentos públicos, já dominam mercados em muitos países, notadamente na América Latina, um grande canteiro de obras da Oderbrecht e de outras empreiteiras favoritas do governo e que são os principais financiadores do PT. A Petrobras, apresentada na América Latina como estatal, é uma multinacional como outra qualquer, com mais de 60% de suas ações em mãos particulares.

Hoje, o governo brasileiro é o organizador da transferência da maior parte da renda e da riqueza produzida pelo país para a burguesia (através do superávit primário, da política de juros altos e do sistema tributário altamente regressivo). Cerca de 50% do orçamento se destina a pagar os juros e a amortização da dívida (externa e interna), para satisfação dos banqueiros internacionais e nacionais, assim como dos nossos rentistas (que não chegam a 1% da população). A desigualdade social aumenta. O consumo é aquecido pelo crédito farto e caro e não por aumentos salariais. O resultado é que as famílias brasileiras têm um dos mais altos índices de endividamento do mundo, que compromete 46% de suas rendas.

Na visão do PCB, não há contradições significativas entre a burguesia brasileira e o imperialismo. Este, no caso do Brasil, não é um inimigo externo a ser combatido pela nação, numa frente de conciliação de classe entre o proletariado e a burguesia “nacional”. Pelo contrário, o Brasil é parte, mesmo que de forma subalterna, do sistema imperialista mundial, apesar de suas contradições e de ser ainda um ator coadjuvante em ascensão. A contradição fundamental da sociedade brasileira é entre o capital e o trabalho, o que objetivamente define o caráter da revolução brasileira como socialista e não nacional libertadora.

Aqui neste Encontro, os reformistas que dão sustentação aos governos petistas tentarão, mais uma vez, iludir os companheiros, dizendo que o ressurgimento das lutas de massa no Brasil se deve ao fato de o povo querer ampliar as mudanças trazidas pelos governos petistas. Nada mais falso.

A opção dos governos petistas pela governabilidade institucional e pelo “neodesenvolvimentismo” capitalista é a principal responsável pela explosão de amplos setores da sociedade brasileira. Na verdade, como um pavio de pólvora, um novo reajuste das tarifas de transporte público (todo ele nas mãos de máfias da iniciativa privada), desmontou a mentira oficial de que os brasileiros viviam felizes e em harmonia, num capitalismo “de rosto humano”. O sucateamento e a privatização da saúde, da educação e dos serviços públicos em geral são os fatores determinantes da revolta popular.

As alianças com o centro e a centro-direita para garantir a tal governabilidade fizeram esse governo refém e operador político dessas forças levando a que, em dez anos, não produzissem uma medida sequer de natureza socializante nem democratizante. Ao contrário, promoveram contra-reformas. A pauta legislativa brasileira está nas mãos do PMDB, um partido burguês que preside a Câmara dos Deputados e o Senado, comanda seis ministérios e tem mais influência nos governos e parlamentos estaduais e municipais. Não se pode chamar esse governo sequer de reformista, mas de social-liberal.

Os resultados são a retomada das privatizações em grande escala, a entrega de nossas reservas de petróleo, a opção pelo agronegócio, pelo sistema financeiro e grandes monopólios; a desoneração de impostos para o capital, a precarização do trabalho (com mais e piores empregos); a política de superávit primário, com o sucateamento do serviço público; a banalização da corrupção; o endividamento crescente das famílias, a falta de perspectiva para a juventude, o descrédito na política e nos partidos políticos.

Para mostrar o governo como progressista e captar solidariedade, os ideólogos reformistas, valendo-se da frustrada tentativa da ultra-direita de mudar os rumos dos protestos, levantaram o fantasma do golpe de direita, como se as oligarquias quisessem derrubar um governo que age a serviço delas, com competência e com a vantagem de iludir e apassivar os trabalhadores.

Diante da queda de popularidade da Presidente, o PT – depois de dez anos de submissão à institucionalidade burguesa – tenta agora mobilizar o povo para o que chama de reforma “política”, em verdade uma reforma eleitoral de fachada, que não muda em absolutamente nada o caráter da democracia burguesa.

E para que pareçam progressistas – pensando nas eleições de 2014, diante de um possível fracasso eleitoral de Dilma -, setores petistas distanciam-se da Presidente e clamam por Lula, acusando-a (aliás corretamente) de governar segundo padrões neoliberais, como se o mandato dela não fosse a continuidade de oito anos de governo Lula que, segundo suas próprias palavras, “destravou” o capitalismo e promoveu “o espetáculo do crescimento”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

12 thoughts on “Confirme como o velho Partidão atacou o PT no Fórum de São Paulo

  1. Assis,
    O que difere um partido de esquerda de um de direita é a defesa, a instituição e a manutenção do privilégio da coalizão dominante.
    La droite e la gauche. A primeira defendendo a aristocracia e a segunda o povo.
    O PT foi um partido oriundo do povo sindicalizado, do clero e da academia. Os dois últimos já se afastaram.
    O povo do sindicato foi dominado por uma nova nomenclatura que já esta associada a interesses outros que não ao do povo ou melhor, o da NAÇÃO! É o que temos visto.
    Hoje, o PT é um partido de direita, igual ao PSDB, já que manteve toda a politica de entrega do patrimônio e erradicação do espirito nacionalista.
    SDS
    Vitor

  2. O PT tal qual foi o antigo PTB, antes de ser esquerda direita, é um partido MARAGATO. Para compreender o que isto significa é importante definir o que é ser Maragato e seu oposto, ser Chimango. Para facilitar, distanciemo-nos no tempo. Tomemos como exemplo Getúlio Dornelles Vargas, o maior dos Maragatos. Ele era estancieiro (latifundiário) ele era rico, e ele era advogado. No entanto foi graças a ele que tivemos a primeira legislação de cunho social que se orientava para o povo. Mas observem que ser Maragato, não significa ser anti Chimango. Para o progresso do país necessitamos dos capitalistas, dos industriais, dos banqueiros, dos latifundiários. Porem todos devem servir ao país, ao povo. Não precisamos ser comunistas para entender e aplicar as formas de governo maragato. Lula é atualmente nosso Getúlio, vai implantando sua forma de governar, conseguindo o progresso com ordem para TODAS as classes sociais. Não há necessidade de tomar dos ricos para dar aos pobres, como muitos dos antiquados extremistas ainda pensam.

  3. O CNJ PARA NÃO FICAR DESONRRADO COMO TODOS.

    Tem que investigar o ministro Lewandoswiski de acordo com a denúncia do auditor do TSE.

    Se não?

    É melhor entregar tudo a Fernandinho Beira Mar. Até por que, Lewandoswski vai assumir a presidência do STF logo após Joaquim Barbosa terminar o seu mandato.

    Imaginem, um bandido em defesa de Lula, Dilma, Ruy Falcão e etc?

    Os protestos terá que ser para pedir afastamento do ministro por peculato.

  4. Vejam a cara dos indivíduos na fota. Cara de deboche e arrogância. Collor ao lado de Lula que foi um dos caçadores de seu mandato. Fernando Henrique ao lado de Dilma e o capitão do roubo José Sarney.

  5. Pingback: Confirme como o velho Partidão atacou o PT no Fórum de São Paulo

  6. Postado no http://www.facebook.com/valmor.stedile conforme segue:

    SEM QUEBRAR POR CIMA NÃO SE RESOLVE EMBAIXO – A Tribuna da Imprensa (RJ) publica texto oficial do Partido Comunista Brasileiro no qual o Partidão questiona a adesão do PT de Lula ao establishment: “A opção dos governos petistas pela governabilidade institucional e pelo ‘neodesenvolvimentismo’ capitalista é a principal responsável pela explosão de amplos setores da sociedade brasileira. As alianças com a centro-direita para garantir governabilidade fizeram o governo refém e operador político dessas forças levando a que, em dez anos, não produzissem uma medida sequer de natureza socializante nem democratizante. Ao contrário, promoveram contra-reformas”. O documento do PCB reforça a manifestação do ministro Manoel Dias que em reunião partidária, na semana passada, também criticou os governos petistas, dando origem à nota que reproduzo a seguir.

    ISTO É FANTÁSTICO – Ao falar em reunião do PDT nesta quinta-feira em Brasília, o ministro Manoel Dias (Trabalho) assumiu mea culpa e fez duras críticas ao Partido dos Trabalhadores, ao ex-presidente Lula e à esquerda em geral por não pressionar no bom sentido o governo, como fazem os aproveitadores atuando às escondidas. “O PT ganhou a eleição com um discurso revolucionário e Lula teve a oportunidade de fazer avançar e mudar o modelo econômico, mas não fez”, disse Manoel Dias estendendo suas críticas ao atual governo: “O governo vai cada vez mais para a direita, assumindo posições de direita. Nós também temos de fazer um mea culpa de que não fizemos nada para levar para a esquerda. A presidente Dilma nunca sofreu as pressões da esquerda, isso por nossa própria incompetência”, afirmou.

  7. Os governos “petistas” de Lula&Dilma repetem a farsa histórica de sempre (ludibriar o povo); é entrada na cena política da pantomima “esquerzóide” (=protozoário que infecta o “ideal” socialista) da “esquerda literária e “scotchesa”: se elegem com os VOTOS da esquerda e governa com os VETOS da direita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *