Confirmado: Paulo Bernardo desviava recursos do Ministério para eleger Gleisi

Resultado de imagem para Paulo Bernardo e gleisi hoffmann

É o casamento perfeito entre o caixa dois e a corrupção

Hugo Marques
Veja

Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann são casados há duas décadas. Ela, senadora da República, foi ministra-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff. Ele foi ministro do Planejamento no governo Lula e ministro das Comunicações no governo Dilma. Ambos são petistas. Ambos integram a seleta lista de companheiros da estrita confiança do ex e da ex-presidente. Ambos são investigados pela Operação Lava-Jato. Paulo Bernardo chegou a ser preso pela Polícia Federal há três meses. Gleisi é alvo de inquéritos em curso no Supremo Tribunal Federal que a colocam como beneficiária de dinheiro do petrolão.

Embora os dois sejam investigados em frentes diferentes, as suspeitas que recaem sobre eles se entrelaçam. E, nestes tempos em que os políticos se esforçam para tentar restringir os flagrantes de roubalheira a inocentes deslizes destinados a financiar campanhas eleitorais, o casal petista é a mais perfeita prova de que caixa dois e corrupção são, quase sempre, inseparáveis — um casamento, digamos assim, sólido.

GOLPE DO CONSIGNADO – Paulo Bernardo é acusado de ter orquestrado um esquema milionário de desvio de dinheiro no Ministério do Planejamento quando ocupava a pasta. A Consist, uma empresa de São Paulo, foi escolhida para administrar a lista de funcionários públicos, pensionistas e aposentados endividados que recorriam aos empréstimos consignados, cujas parcelas vêm descontadas automaticamente na folha de pagamento.

Quem recorria aos créditos pagava uma taxa de administração — o lucro da empresa. A taxa cobrada dos funcionários e aposentados, claro, era superfaturada. O excedente era dividido, e o PT ficava com 70% de tudo. De acordo com a Polícia Federal, o partido arrecadou mais de 100 milhões de reais em cinco anos com base nesse método.

ALTA CORRUPÇÃO – O ex-ministro sempre foi considerado um homem de partido, um soldado, como os petistas gostam de dizer. Um quadro técnico, competente e pragmático. A Operação Lava-Jato desmontou uma parte dessa biografia. A competência e o pragmatismo eram de fato reais, mas serviam a propósitos nada nobres.

O dinheiro arrecadado por Paulo Bernardo e seu bando foi usado para garantir a aposentadoria e a tranquilidade de alguns companheiros dele do PT, financiou apartamentos de luxo em Miami para outros amigos meliantes, além de ajudar a eleger Gleisi Hoffmann, a senadora mais votada do Paraná, depois de uma campanha suntuosa. A cota do ex-ministro era transferida diretamente pela Consist para um escritório de advocacia de Curitiba, que providenciava a redistribuição da propina. A ideia era não deixar rastro. Mas não funcionou…

NO PETROLÃO – A senadora Gleisi Hoffmann foi fisgada pela Lava-Jato logo nos primeiros meses da investigação. Os policiais descobriram que ela recebera 1 milhão de reais em propinas desviadas da Petrobras. Dinheiro repassado por doleiros. Era o fio da meada de um escândalo muito maior para o casal mais poderoso da Esplanada. O escritório de advocacia de Curitiba para o qual o dinheiro era desviado gozava da confiança absoluta de Paulo Bernardo e Gleisi — um de seus sócios, Guilherme Gonçalves, era encarregado de defender a senadora em processos na Justiça. Era o álibi perfeito.

A Consist fazia de conta que pagava pelos serviços de advocacia e os advogados pagavam as despesas do casal sem deixar rastros. Descobertos, todos entoaram o mesmo mantra. Paulo Bernardo não sabia de nada. Gleisi não sabia de nada. O advogado Guilherme Gonçalves, que também defendeu a ex-presidente Dilma em processos no Tribunal Superior Eleitoral, não sabia de nada.

CONTRATO DE FACHADA – Mas havia gente que não sabia e tentou descobrir. Acusado de envolvimento no escândalo, um dos sócios da banca, o advogado Sacha Reck, resolveu agir. Pediu a uma empresa independente que fizesse uma auditoria nas contas e nos arquivos do escritório. O resultado surpreendeu. Foi então que ele descobriu aquilo que a Polícia Federal não demoraria a desbaratar: o contrato de serviços jurídicos com a Consist não passava de fachada. Mensagens e planilhas guardadas em pastas secretas registravam o destino final do dinheiro: “Eleitoral — Gleisi”.

Veja teve acesso aos documentos da auditoria entregues às autoridades. Ao todo, o escritório recebeu 7,2 milhões de reais da Consist. Não se sabe ainda, com precisão, quanto desse valor foi parar no caixa dois eleitoral de Gleisi, mas há fartos indícios de que não foi pouco. De acordo com os investigadores, a propina teria sido usada para pagar de tudo: ônibus para transporte de cabos eleitorais, jantares para prefeitos, motorista particular da senadora, aluguel de um flat usado como escritório informal da campanha.

DINHEIRO VIVO – Um estagiário do escritório fazia o papel de entregador de dinheiro vivo, sempre que necessário. Em depoimento, ele disse ter ouvido do antigo chefe uma frase que resume bem o esquema: “O dinheiro pertencia a Paulo Bernardo, que intentava bancar a campanha de Gleisi Hoffmann para os cargos que disputasse”.

Na próxima terça-feira, o STF decide se aceita ou não a acusação de corrupção contra a senadora no caso do petrolão. O casamento entre corrupção e caixa dois, ao contrário do que dizem os que desejam uma anistia generalizada, nunca foi tão perfeito.

6 thoughts on “Confirmado: Paulo Bernardo desviava recursos do Ministério para eleger Gleisi

  1. Bah, mas o Newton escolheu assuntos para este fim de semana para a gente ficar mesmo com raiva dos petistas, com ódio da política, pois os criminosos continuam soltos, debochando do povo e do país!

    Fundos de pensão, erário, Petrobrás, BNDES, empréstimos consignados, mensalão, aparelhamento do Estado, Rose, tríplex, sítio, cargos em comissão, alianças espúrias, o grupelho dos petistas causa inveja pela destruição de uma nação e de seu povo ao Estado Islâmico, aos fundamentalistas e terroristas muçulmanos!

    Se eu computar as dezenas de milhares de mortos a cada ano no Brasil pela insegurança que se vive, o terrorismo mundial perde de goleada para nossos parlamentares e traficantes de drogas e armas, muito maior que a Alemanha contra nós no último mundial de futebol!

    E se eu ainda considerar os mortos por falta de atendimento do INSS pela precariedade dos hospitais, falta de especialistas, a demora para uma consulta e marcação de cirurgias, o Brasil é uma máquina de moer carne humana e fonte de riquezas para os petistas!

    Evidentemente que, graças à omissão do STF, o PT está impune e imune aos crimes praticados, e seus parlamentares ainda compõem o Congresso, venal, corrupto, desonesto, imoral e antiético, indiscutivelmente!

    Se o terrorismo no mundo é combatido, no Brasil é incentivado e protegido pela Justiça, desde que dissimulado como partido político, claro, que as leis existentes jamais lhe serão aplicadas, e se ainda estiver no governo, os terroristas escolherão os juízes dos tribunais superiores, portanto, garantida a impunidade e continuação dos atentados contra o povo e país!

  2. Caro Francisco Bendl

    Concordo com o que escreves, realmente num fim de semana o Newton resolveu acender a fogueira.
    A Lei é para todos, vale para qualquer cidadão, independente de opções ideológicas, político-partidárias, de raça, religião ou classe social. O essencial é ser honesto. Infelizmente todos os partidos politicos estao envolvidos nessa falta de vergonha e falta de carater, roubar e enrriquecer a qualquer custo e o lema dos politicos brasileiros. Eu apoio a PF e DR.Sergio Moro, chega de tornozeleiras e casas de praia como delação premiada, CADEIA mandatoria por 20 anos, so assim o pais vai mudar. Cometeu crime contra a naçao brasileira e seu povo e traiçao a patria amada Brasil, tem que arcar com a cadeia .

    • Prezado Luiz Emílio,

      Obrigado pelo apoio.

      Claro, brinquei com o Newton pela publicação de notícias que dão conta apenas dos crimes de políticos e petistas, no entanto, é o que temos, é o que esta classe produz, são as características dos parlamentares brasileiros, a corrupção e a desonestidade!

      Agora, também devemos fazer o nosso Ato de Contrição, ou seja, pedirmos perdão por votar tão mal, por escolhermos de forma tão absurda aqueles que nos representarão no Legislativo, pois cabe a nós uma parcela desta responsabilidade, de a situação nacional se encontrar caótica.

      Um forte abraço, Luiz.
      Saúde e Paz!

    • O silêncio tumular do STF (cadê o sempre indignado e onipresente Gilmar Mendes?) a respeito dessa declaração de Renan é mais eloquente que um milhão de bombas de hidrogênio explodindo juntas…….kkkkkkkkkk

      “SOB NOVA DIREÇÃO”……

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *