Confirmado: Temer é refém dos caciques do PMDB, mas começa a se libertar

Resultado de imagem para caciques do pmdb

Com a queda de Geddel, só restarão Padilha e Moreira 

Carlos Newton

O maior mistério da política brasileira é a situação do presidente Michel Temer. Conforme noticiamos aqui na “Tribuna da Internet”, caso o ministro Geddel Vieira Lima não fosse demitido nesta segunda-feira, haveria duas hipóteses: 1) o presidente é uma espécie de refém dos caciques do PMDB; 2 ) o presidente é o chefe da quadrilha que domina o Planalto, em substituição à gangue anterior. Como não houve a menor demonstração de que Temer pretende afastar o secretário de Governo, o país poderia estar diante de uma dessas opções. Mas surgiu de repente mais uma alternativa, que demonstra ser a verdadeira: 3) O presidente é refém dos caciques do PMDB, mas está tentando se livrar deles.

Esta terceira hipótese ficou clara devido a uma reveladora declaração do secretário do Programa de Parceria de Investimentos, Moreira Franco, que não é ministro, mas nos últimos dois meses se tornou o principal interlocutor do presidente Michel Temer.

O QUE DISSE MOREIRA? – Em Paris, onde participa do IV Fórum Empresarial Brasil-França, disse Moreira ao Estadão: “O presidente está tratando dessa questão. Esse problema ocorreu no fim de semana. Ele está muito preocupado“. O secretário declarou ainda que “não afasta, nem afirma” que Geddel continuará no governo. “Como eu disse, o presidente vai estar debruçado sobre essa questão“, afirmou.

Em tradução simultânea, a entrevista de Moreira Franco revela que Temer quer demitir Geddel, mas ainda não pode, devido à pressão dos outros caciques do PMDB, atualmente comandados por Eliseu Padilha, da Casa Civil, Renan Calheiros, presidente do Senado, e Romero Jucá, líder do Governo, além do próprio Geddel, é claro, que alardeia ser amigo de Temer há 25 anos.

O fato concreto, que todos procuram ocultar, é a ruptura do poder dentro do Palácio do Planalto. Com apoio de Moreira, Temer está tentando se livrar dos caciques do PMDB, mas ainda não conseguiu.

DESDE SETEMBRO – Essa briga de extermínio vem se travando desde o início de setembro, quando Eliseu Padilha entrou em choque com o ministro Medina Osório, da Advocacia-Geral da União, que desde julho vinha sofrendo uma campanha difamatória fomentada pela própria Casa Civil, com a participação do secretário de Imprensa Márcio Freitas Gomes, subordinado diretamente a Padilha, que mandava criar e espalhar notícias desabonadoras contra o chefe da AGU.

Temer tem grande respeito por Medina Osório, que é um dos maiores juristas da nova geração, e não gostou nada da demissão dele. Como se sabe, ao sair do Ministério, o chefe da AGU deu explosiva entrevista à Veja para denunciar a Operação Abafa, destinada a demolir a Lava Jato, mas ressalvou que Temer dela não participava.

ESVAZIANDO PADILHA – A partir daí, as coisas mudaram muito no Planalto. Temer deu um gelo em Padilha/Geddel, abriu mais espaço a Moreira Franco. Para esvaziar a Secretaria de Imprensa, manipulada por Padilha, recriou a Secretaria de Comunicação Social, subordinada diretamente à Presidência, e nomeou como porta-voz o diplomata tucano Alexandre Parola, que já servira ao governo FHC.

A batalha final entre Temer/Moreira e Padilha/Geddel começou agora e será eletrizante. O primeiro round aconteceu na reunião da Comissão de Ética da Presidência, nesta segunda-feira, que examinou a abertura de investigação sobre Geddel. Cinco dos sete membros votaram a favor do inquérito, mas Padilha/Geddel conseguiram que o conselheiro José Saraiva pediu vista. Com isso, a votação só seria retomada em 14 de dezembro, já pertinho do Natal.

Não contavam com a reação de Temer, que fez Saraiva cair na real e lembrar que na hierarquia quem manda é o presidente. À tarde, o conselheiro voltou atrás e desfez o pedido de vista. Ou seja, a investigação será imediatamente aberta e vai liquidar Geddel, sem escapatória.

SÓ RESTARÁ UM – No xadrez do Planalto, Temer/Moreira estão jogando com maestria. Agora, Geddel tornou-se uma peça encurralada, não tem como escapar, é só uma questão de tempo. Sem apoio de Geddel, que cairá de podre e será substituído por um político fiel a Temer, o ministro Padilha ficará completamente esvaziado e deslocado no quarto andar do Planalto. E logo haverá o xeque-mate, para que possa realmente ser iniciado o governo de Michel Temer, desta vez com Moreira Franco na Casa Civil.

Depois do episódio de Medina Osório, os demais ministros perceberam a estratégia de Padilha, que de início arma uma campanha difamatória usando jornalistas ligados ao poder, para depois conseguir afastar o desafeto. No caso do ministro Marcelo Calero, da Cultura, porém, a estratégia foi um fracasso. Ao perceber que começava a ser difamado, Calero pediu demissão, saiu atirando e acertou um torpedo em Geddel, que está politicamente liquidado, mas é muito rico e vão se divertir cuidado de seus bens. Quanto a Padilha, seu futuro não vale uma nota de três dólares, mas também é rico, e vai cuidar da fazenda.

###
PSCom a próxima queda de Geddel e Padilha, no Planalto só restarão Temer e Moreira,que nem é considerado “cacique do PMDB”. E assim caminha a humanidade, diria o genial cineasta George Stevens, se brasileiro fosse. (C.N.)

13 thoughts on “Confirmado: Temer é refém dos caciques do PMDB, mas começa a se libertar

  1. Tinha tudo para dar errado. Demorou, deu errado e o País perdeu os meses do ano que restavam para uma tentativa de melhora. Meia dúzia de “patriotas” colocando interesses pessoais acima do destino de milhões de almas que, diariamente, vêem suas esperanças de um futuro promissor tornar-se sonho impossível.

  2. Dr. Béja, peço humildemente e em nome de milhões de brasileiros, protocole um pedido de impeachment de Temer o quanto antes e nos empenharemos na sua divulgação e apreciação.

    Não podemos mais esperar, o Brasil tem pressa.

    FORA Micheque TEMER !!!

  3. Muito sensato, o artigo do Carlos Newton.
    Sem dúvida, o Temer é refém dos caciques do PMDB. Esses caciques se fortaleceram nos governos do PT. Hoje, nenhum presidente, conseguiria governar sem o apoio deles, pois tem uma grande influência no Congresso.
    A situação do Temer é complicada. Para se livrar desses caciques, sem perder a governabilidade, vai ter que usar muito jogo de cintura.

  4. O presidente do Banco do Brasil disse que o banco estará passando por um enxugamento, pois o ganho que eles sempre tiveram com o alto spread devido a inflação tinha diminuido. Os bancos deveriam ser punidos em caso de inflação. Eu sempre disse que deveriam aumentar a captação do depósito obrigatório. Quando todos perderem com a inflação esse país pode se tornar um lugar mais decente pra se viver. Abaixem a SELIC e aumentem o depósito compulsório dos bancos.

  5. Newton, meu jogo em toda vida foi limpo e com você deve e continuará sendo assim pelo respeito que te tenho. Acho que você escreveu quase um romance de mistério. Deste o tom certo quando te referiste a segunda hipótese. Michel é verdadeiramente o chefe da gangue que vem desde que foi eleito presidente da Câmara e presidente do PMDB.(Só não está registrado em cartório). Culto, ligado umbilicalmente aos serviços de segurança e repressão da Ditadura que existiram e ainda existem, domina com maestria “suas marionetes”. Joga o jogo consciente que todos precisam dele. Ambicioso, espera fazer um governo que o leve a ser a solução do PMDB em 2018. Tudo que aconteceu desde 2015 teve o dedo de Michel. Veja que quando ele é perguntado sobre acusações ele zomba dizendo que vai demorar muito. Que vão ter que investigar, provar etc. É um homem perigoso. Tem bom trânsito com os militares reformados que praticaram serviços sujos na ditadura. E principalmente com políticos que serviram e se serviram da Ditadura. Ou desconheces que Renan, Jucá, Moreira, Lobão, Agripino, Sarney e mais uns quinhentos ainda vivos e atuantes foram homens de confiança dos militares. Michel também foi e é homem de confiança. Michel, Maluf e José Maria Marin foram testemunhas de defesa do maior torturador da história do Brasil Coronel Ultra. Você quer que eu diga mais? O sítio de Michel em nome de um coronel reformado da polícia de Sergipe servia para que? Ustra frequentava o sítio para que? Lógico, todos sabemos que era para comer quibe e tomar arak. Essa jogada do pedido de vistas e depois voltar atrás. É jogada de mestre feita por Temer. Não creio que aconteça nada com Geddel. Pode no máximo ser transferido para outro cargo. Adivinhar o que mafiosos pensam nem as ciganas sabem. Assim como você torço pelo Brasil.

  6. Está na hora dos brasileiros se livrarem desta cambada de ladrões do erário público, deveria haver leis que colocassem estes pilantras na cadeia mesmo, não é ficar 1 ano e depois gozar com prisão domiciliar, só no Brasil isto acontece, em outros países desenvolvidos, se o sujeito é condenado a 30, 40 ou mais anos, vai cumprir toda a pena, o país não aguenta mais esta justiça omissa e morosa, tem que mudar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *