Congresso precisa apoiar o apelo das classes empresariais para preservação da Amazônia

Desmatamento Amazônia

Com a chegada do “verão amazônico”, a devastação aumenta

Deu em O Globo

Numa iniciativa rara, 23 empresas e organizações da agroindústria e agropecuária, representando mais de 300 entidades, remeteram carta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com o pedido de acesso ao fundo Amazon21, de US$ 9 bilhões, criado pelo Legislativo americano para projetos de preservação de florestas tropicais.

Também enviada à presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, a iniciativa é a prova do isolamento do governo Bolsonaro em sua desastrosa política ambiental, que se resume a franquear o acesso de madeireiros e garimpeiros ilegais à Amazônia.

Empresas e entidades empresariais já haviam formalizado um pedido ao governo Bolsonaro para recuperar seu protagonismo na questão ambiental, antes da COP26, em Glasgow, na Escócia. A iniciativa foi em vão.

SEM ALTERNATIVA – Restou o apelo direto ao governo americano para obter recursos destinados a projetos para conter o desmatamento, com a participação de comunidades indígenas, pressionadas pelo avanço ilegal do garimpo em suas reservas sem nenhuma punição por parte do governo.

Em 2021, Brasil concentrou 40% de toda a perda de florestas nativas no mundo. Assim, a iniciativa de enviar a carta a Biden e Pelosi é a demonstração concreta de que a antipolítica ambiental do governo prejudica os interesses de grandes empresas nacionais e globais exportadoras de alimentos.

Dará trabalho ao Itamaraty e aos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente desfazer a imagem de inimigo do planeta que Bolsonaro construiu com afinco durante quatro anos. Ainda mais se o segundo semestre na Amazônia for mesmo o que as piores previsões esperam.

DEVASTAÇÃO RECORDE – O mais novo avanço do projeto bolsonarista de liberar a floresta para madeireiros e garimpeiros ilegais gerou no mês passado um desmatamento de 1.012 quilômetros quadrados, esquadrinhados por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), equivalente a dois terços da área da cidade de São Paulo.

Foi uma destruição recorde para um mês de abril, quando ainda chove na região. O pior pode estar por vir. O vice-presidente Hamilton Mourão classificou como horrorosos esses dados sobre desmatamento na Amazônia.

Com a chegada do verão amazônico a partir de julho e o fim da temporada de chuvas, madeireiros e garimpeiros poderão ampliar a devastação com menos dificuldades. Como pode ser o último ano do governo Bolsonaro, e as pesquisas não se mostram favoráveis ao projeto continuista do presidente, a conjuntura é um estímulo a quem vive da exploração predatória da Amazônia. Os desmatadores tentarão destruir (e faturar) o máximo que puderem, antes da chegada de um novo governo.

AMBIENTE INÓSPITO – Se sair vitorioso nas eleições de outubro, Bolsonaro encontrará um ambiente internacional ainda mais inóspito para prosseguir com sua política de devastação.

Mantido o ritmo do desmatamento, novas marcas serão alcançadas, com inevitáveis reações nos Estados Unidos e na Europa, e o consequente fortalecimento de propostas de boicote a produtos brasileiros oriundos de áreas de desmatamento.

Um novo governo, em contrapartida, terá um enorme e decisivo trabalho para remontar as estruturas de fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), de modo a reduzir da maneira mais rápida possível os danos da gestão Bolsonaro, e não apenas na Amazônia. Por tudo isso, o apelo a Biden e Pelosi precisa ser apoiado no Congresso brasileiro.

2 thoughts on “Congresso precisa apoiar o apelo das classes empresariais para preservação da Amazônia

  1. O “presidente” desse país sofredor, que possui a riqueza mais mal distribuída do mundo, pouco está ligando para a miséria de sua população. O negócio dele é a sua imensurável vaidade (um reles capitão insubordinado que foi “convidado” a sair do exército) de se considerar o dono das forças armadas e dar ordens a generais. Alguns parecem até mesmo se sentir orgulhosos em lhe obedecer. E o povo brasileiro ? QUE SE DANE !!!

Deixe um comentário para ANTONIO Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.