Conselho do FGTS tenta escapar do “Minha Casa Minha Vida”

Maíra Teixeira
Brasil Econômico

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) cancelou reunião desta quarta-feira (23) por falta de definições das medidas anunciadas pelo governo federal para reduzir o déficit do Orçamento 2016. As medidas foram anunciadas no dia 14 deste mês pelos ministros Nelson Barbosa, do Planejamento, e Joaquim Levy, da Fazenda, mas não houve detalhamento. Um dos pontos seria o financiamento pelo FGTS das moradias da faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida.

“Como não há definição e detalhe de como seria a utilização dos recursos, adiamos a reunião para debater o assunto apenas depois do governo informar a proposta”, afirmou um membro do conselho sob a condição de anonimato.

O conselho do FGTS é quem determina como os recursos dos trabalhadores, depositados mensalmente pelas empresas e empregadores, podem ser utilizados para financiar a habitação. Grosso modo, os recursos são utilizados e remunerados com juros baixos, mas que dão rendimento ao fundo formado por recursos de trabalhadores de todo o Brasil.

NO CHUTE

“A medida que fala da utilização do FGTS para financiamento do faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida, me parece, foi feita no chute, para apontar funding para o programa”, disse outro membro do conselho.

O faixa 1 é voltado a famílias com renda de até três salários mínimos e 90% subsidiado pelo governo federal, o que faz com que os recursos saiam do caixa da União. Passar essa fonte de renda para o FGTS eliminaria uma despesa importante e ajudaria a manter o programa habitacional em curso.

O Conselho Curador do FGTS é formado por 24 membros, divididos entre representantes do governo federal, dos trabalhadores e das empresas que recolhem os recursos ao fundo. Ele é gerido e administrado por um Conselho Curador, mas seus recursos são operados pela Caixa Econômica Federal.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Esta faixa 1 do programa não tem condições de pagar as prestações, o número de inadimplentes é enorme e a Caixa Econômica já está providenciando as ações de retomada dos imóveis. Na verdade, essas casas teriam de ser doadas aos mais carentes, a fundo perdido. Agora, o governo quer repassar ao fundo do FGTS o prejuízo do festejado programa, ou seja, tenta fazer caridade com o dinheiro dos trabalhadores e empresários. (C.N.)

 

2 thoughts on “Conselho do FGTS tenta escapar do “Minha Casa Minha Vida”

  1. A prestação neste programa vai de R$ 25,00 (mínimo) até R$ 80,00 (máximo+ 5% de 1.600,00). Acho que uma família que ganha R$ 1.600 tem sim condições de pagar R$ 80,00 por mês pela casa própria. E R$ 25 é um cartãozinho pré-pago de celular. E dos mais baratos.

  2. Não tenho tido condições de construir um debate sobre este programa: mais um que rebentará com muitos, principalmente com boa parte dos adquirentes dos imóveis.
    Os custos, elevados demais, para a qualidade de muitos dos imóveis. A fiscalização é pífia.
    Quem tiver um tempinho, busque no google com títulos como:
    problemas no minha casa minha vida ou reclamações da qualidade dos imóveis do “minha casa, minha vida”.
    Adquirentes destes e de outros programas da Caixa, compraram, receberam, estão pagando. Mas, pela qualidade do material, antes de 10 anos terão problemas. alguns já os tem, mesmo antes de recebê-los e usá-los.
    O que poderia ser soluções para muitos, em pouco tempo se tornou o “minha casa, minha dívida”.
    Quando em um país faltam líderes e administradores sérios e competentes e, de outra parte, falta povo, as soluções ficam distantes e pouco prováveis de serem atingidas.
    Falta uma coisinha chamada FISCALIZAÇÃO, em tudo que diz respeito ao estado brasileiro, nas três esferas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *