Contratado por Joice, Kakay diz que investigação sobre agressão não cabe a ele nem à deputada

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay Foto:
/
André Coelho/Agência O Globo/25-06-2012

Kakay diz que é preciso aguardar o fim da investigação

Camila Zarur
O Globo

O advogado criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse nesta sexta-feira que não cabe a ele nem à deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) investigar as agressões sofridas pela parlamentar. O advogado foi contratado por Hasselmann para acompanhar o caso, conforme noticiou o colunista Lauro Jardim.

A agressão contra a deputada aconteceu na noite do dia 17 de julho. Ela afirma que assistia a uma série em seu apartamento funcional, em Brasília, quando teve um lapso de memória. Ela acordou no dia seguinte sobre uma poça de sangue, sem se lembrar o que tinha acontecido. Joice sofreu cinco fraturas na face e uma na coluna.

COM ADVOGADO – Inicialmente, a parlamentar disse que pode ter sido vítima de um ataque e, à Polícia Legislativa e ao Ministério Público, apontou “duas pessoas suspeitas”, que preferiu não nominar e disse apenas que um deles seria um parlamentar. Depois, anunciou ter contratado o criminalista.

Kakay, por sua vez, afirmou que quer “baixar a bola e deixar que a polícia atue” no caso. “Não quero ser um advogado atuante na investigação. Não cabe ao advogado fazer a investigação, e nem à Joice. É claro que ela, como vítima e indignada, as vezes toma uma série de atitudes, é normal. Mas o que eu quero é exatamente isso, baixar a bola e deixar que a polícia atue” — disse ao GLOBO.

SEM SUSPEITOS – Em nota, o criminalista também apontou um recuo no tom inicial com que Joice abordou o caso:

“A deputada já foi ouvida. Esclareceu que, embora tenha vários desafetos em função da sua postura política, e de ter sérias dúvidas se as graves e múltiplas lesões foram realmente fruto de uma queda, ela explicitou que não seria leviana em apontar absolutamente nenhum suspeito”.

Kakay, que está em Nova York, foi procurado pela própria deputada, com quem ele tem já uma relação antiga. O advogado afirmou que, além da deputada, já conversou com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sobre o caso e disse ter total confiança na Polícia Legislativa.

CORPO DE DELITO – A agressão também é investigada pela Polícia Civil do Distrito Federal, que informou que o inquérito sobre o caso ainda não foi concluído. Segundo a coluna do Lauro Jardim, o resultado do exame de corpo de delito do marido da parlamentar, Daniel França, sairia nesta sexta-feira. O exame foi feito dez dias depois do ataque.

O criminalista Kakay já foi advogado de políticos como Ciro Nogueira, José Sarney, Edson Lobão, Marconi Perillo, Paulo Maluf, José Dirceu, entre outros.

6 thoughts on “Contratado por Joice, Kakay diz que investigação sobre agressão não cabe a ele nem à deputada

  1. Joice, Joice……

    Ah, Dona Joice!

    Quem não se lembra das mentiras que essa senhora disseminou durante a campanha de 2018? E tudo só pra se mostrar fiel ao Mito? Chegou a se auto-intitular “A Bolsonaro de saias”….E a ridícula história da revista que teria recebido 600 milhões de reais pra destruir Bolsonaro? Jamais apresentou as provas ou evidências disso.

    Arrependida de ter mergulhado na pocilga bolsonarista? Pois sim: quem a viu se esbaldando na festa do Artur Lira não tem dúvidas: se Bolsonaro estalar os dedos ela volta correndo pros seus braços.

    Como essa senhora quer ter alguma credibilidade depois disso tudo?

    Não sei o que houve com ela, se sofreu algum acidente, se foi agressão do marido ou atentado de inimigos, apenas desejo que se recupere e que seja tudo esclarecido.

    “Quem com porcos anda, farelo come”

    “Cria cuervos y te sacarán los ojos”

  2. Acidentes domésticos passaram a ser comuns em Brasília.
    Primeiro foi Roberto Jefferson.
    Depois foi Marco Aurélio. E Dias Toffolli.
    Só em Brasília?
    Só com gente conhecida?
    Muita casualidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *