Conversa com o comentarista Aloísio Pinheiro sobre as criminosas privatizações

Pergunta de Aloísio Pinheiro

Carlos Newton, uma vez que visito vários blogs e procuro analisar os assuntos sob o ponto de vista de todas as tendências ideológicas, pergunto: Qual a sua opinião, assim como as dos demais articulistas e comentaristas desta Tribuna, sobre o tão falado livro do Amaury sobre as privatizações do governo FHC?

***
Resposta de Carlos Newton

Aloisio, as privatizações do governo FHC foram prato do dia da Tribuna durante anos, com o mestre Helio Fernandes à frente..

Mas reconheçamos que na época o maior problema brasileiro eram as telecomunicações. As estatais fracassaram nessa área. Era uma vergonha. A concorrência hoje existente no setor é salutar, embora o governo tenha permitido exageros, como manter a assinatura mensal do telefone fixo e as tarifas extorsivas do celular, que punem sobretudo os mais pobres, que têm pré-pago.

Os membros da Comissão de Desestatização, FHC e seus ministros deviam ir todos para a cadeia. A criação das Agências Reguladoras também foi uma balela. São cabides de empregos que nada resolvem, apenas defendem as empresas do respectivo setor, ao invés de defenderem o interesse público.

Já privatizaram as estradas e pontes. Agora, vão privatizar absurdamente os aeroportos. Só falta privatizar as Forças Armadas, mas eles vão chegar lá…

Quanto ao livro do Amaury, ainda não li. Acredito que seja uma compilação de tudo que já foi publicado contra as privatizações, o que daria mil livros. Se houvesse alguma grande novidade, os jornais já teriam registrado. O que ele está dizendo, já se sabia, inclusive sobre Serra, Dantas, Veronica etc. Mas o livro não deixa de ser muito importante. Mostra a decadência da política brasileira, que está num baixo nível desanimador. Não existe um só líder. Tenho esperanças nos deputados federais Reguffe e Carlos Sampaio, parecem dois políticos decentes e preparados, mas não têm visibilidade, a imprensa os despreza.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *