Coreia e Vietnam também seriam intervenções rápidas


Pedro do Coutto

Se o presidente Barack Obama concretizar o ataque militar à Síria, como está anunciando, terá cometido o maior erro de seu mandato, cujas consequências no mundo terão efeitos imprevisíveis. Acenderão o estopim de um conflito internacional sumamente arriscado. Dizer que o ataque será uma ação rápida representa uma versão que pode se chocar com a realidade. A ação na Coreia, em 1950, causou uma guerra que durou três anos na qual morreram 61 mil americanos, cujos nomes estão escritos nas pedras da Praça Lincoln, situada entre o Memorial daquele presidente e a Casa Branca.
 

As ações no Vietnam, iniciadas em 1962 pelo presidente Kenedy, acabaram se estendendo por dez anos, até os governos Nixon e Gerald Ford. Da mesma forma que na Coréia, 60 mil americanos perderam a vida nos pântanos do sudeste asiático. Não vale a pena nem citar também o ataque ao Iraque.

 
Para se ter uma ideia da teia das contradições em que o presidente dos EUA está conduzindo o país, basta focalizar a reação da opinião pública. Segundo noticiou o Jornal de William Bonner e Patrícia Poeta, uma pesquisa divulgada pelo Washington Posto revelou que 70% da população americana são contra qualquer forma de ataque. Tal índice vai contribuir para aumentar a resistência do Congresso, a quem Obama recorreu nitidamente buscando dividir a gravíssima responsabilidade dos atos.
 

O Conselho de Segurança da ONU já manifestou sua oposição frontal. Para tornar mais denso o panorama, matéria de Clóvis Rossi, enviado especial da Folha de São Paulo à Rússia para cobrir a reunião do G-20, revela que o Canal 1 da TV divulgou na noite de quarta-feira, o posicionamento do presidente Putin. Ele anunciou que enviará armamentos ao governo Assad, se Obama desfechar o ataque.
 

A reportagem de Clóvis Rossi foi publicada na edição da FSP de quinta-feira 5. A indústria de armas está torcendo para a explosão de uma nova guerra. Os lucros serão enormes. Tão grandes quanto o desgaste de Barack Obama nos Estados Unidos e no mundo. O Partido Democrata está dividido. O Partido Republicano será beneficiado nas eleições parlamentares de 2014 como reflexo do erro enorme do presidente da nação.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Coreia e Vietnam também seriam intervenções rápidas

  1. Sobre o tema, permitam-me lembrar o que escrevi, em 01/09/2013, aqui mesmo, nesta TRIBUNA DA INTERNET:

    ATENÇÃO:

    Essa situação está indo longe demais. Se os EUA, através do insano e despreparado Obama, atacar a Síria, o mundo inteiro vai estremecer, porque os norte-americanos terão, enfim, pela frente, a todo-poderosa Rússia, muito simplesmente.
    Acresça-se o fato de que, há alguns dias, a Rússia finalizou o maior treinamento militar de sua história, pós Segunda Guerra, e, também, fez impressionantes exercícios de guerra, em conjunto, com a China!
    Além disso, quando fatores econômicos _baseados na mais fria lógica financeira_ berram que não se faça uma guerra e, contudo, leva-se a bestialidade adiante, não há qualquer dúvida: os fatores políticos, precipuamente, é que estão em jogo. O orgulho estúpido dos estadunidenses está sangrando devido ao caso Snowden. Além disso, nas eleições de 2008, a amalucada SARA PAULIN já declarava ” ser óbvio que uma guerra com a Rússia seria inevitável”. E, estranhamente, a França, tão equilibrada, desequilibrou-se, e mais estranhamente, ainda, sob a batuta de um ” socialista”, apoiando, ingenuamente, essa catástrofe !
    Penso que analistas sérios ainda não entenderam, profundamente, que poderemos ter, agora, um novo e indesejável desenlace para a Crise dos Mísseis, de 1961. Embora Obama, como Kennedy, também seja democrata, Vladimir Putin, com certeza absoluta, está longe de ser Nikita Kruschev ! Ou já nos esquecemos de que, há alguns anos, quando terroristas fizeram centenas de reféns num teatro, Putin ordenou que se usasse um gás mortal, tão fatídico que, em um minuto, todos, inclusive os reféns, estavam mortos?!
    Que Deus interceda por todos os inocentes do mundo, amém!

    Saudações,

    Carlos Cazé.

    PS: ” O governo sírio cometeu violência contra a dignidade humana”, diz Obama. Está certíssimo, usar armas químicas é inaceitável. O que não fere a dignidade humana, e é aceitável, certamente, é despejar bombas atômicas no quintal dos outros, não é, “Grande Irmão”?

    Saudações,

    Carlos Cazé.

  2. A Corei do Sul se deu bem com a ajuda americana. O resultado taí para a raivinha dos fanáticos vermelhos e anti-americanos.

    No Vietnam, o sul poderia hoje ser também um tigre asiático, mas deu azar. Os EUA perderam. Porém o povo vietnamita é diferente do norte-coreano e vendo o andar da carruagem do progresso com os tigres e a China, já até reatou com os EUA.

    Agora na Síria, como foi no Iraque e na Líbia, cujos governos tinha cultura tolerante com o ocidente e até a absorviam tranquilamente, os EUA pretendem cometer o mesmo erro novamente.

  3. No Vietnam e na Coreia as coisas foram diferentes.
    Lá os soldados desceram para lutar no solo;
    Agora eles ficam num NAVIO a 200 km de distancia e de lá mandam bala, quer dizer missil, as consequencias são terriveis, todos nós sabemos.
    Mata-se mais inocentes(velhos, crianças, mulheres, etc) e o resto que se f……
    Enfim é a lei do mais forte;

  4. Senhor dos Exércitos (como diz a Bíblia), dai-nos a suprema benção e a divina graça da Terceira Guerra Mundial! O mundo está monótono e chatíssimo com essa história de “copa do mundo”, de “olimpíadas” e de “primavera árabe”.
    Precisamos de um novo conflito para desmanchar o tabuleiro formado.
    Assim Seja.
    Amém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *