Corrupção da Petrobras financiou escolas de samba e a madrinha da bateria

Viviane, madrinha da bateria, recebia repasses da propina

Deu na Folha

Os investigadores da Lava Jato afirmam que a propina com origem em uma obra da Petrobras no Rio financiou escolas de samba, blog e familiares do ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira. O petista, que está preso desde a semana passada, é o principal alvo da 31ª fase da operação, deflagrada nesta segunda-feira (4). A informação sobre o destino do dinheiro pago, de acordo com a investigação, partiu do acordo de colaboração premiada do ex-vereador Alexandre Romano, que chegou a ser detido na Lava Jato no ano passado.

Ele afirmou que intermediou propina para Ferreira e que, para isso, usou suas empresas, a Oliveira Romano Sociedade de Advogados, a Link Consultoria Empresarial e a Avant Investimentos e Participações.

Ainda segundo o delator, o dinheiro, estimado em R$ 1 milhão, veio de construtoras integrantes do consórcio Novo Cenpes, como a OAS e Carioca Engenharia. Romano afirmou que simulou contratos.

Entre os destinatários dos repasses a pedido de Ferreira é a Sociedade Recreativa e Beneficente Estado Maior da Restinga, uma escola de samba de Porto Alegre, e a madrinha da bateria Viviane da Silva Rodrigues.

ESCOLA DE FERREIRA –  Foram identificados pagamentos de R$ 45 mil à agremiação e diversos repasses à passista Viviane. “A escola de samba era vinculada a ele [Ferreira]. Esses pagamentos foram indicados a Alexandre Romano”, disse em entrevista coletiva o procurador da República Roberson Pozzobon.

“Ele buscava apoio político nas mais variadas frentes”, comentou o procurador. “Não eram pagamentos que revertiam às contas do partido exclusivamente, mas havia benefícios pessoais”. Parentes e empresas ligadas ao ex-tesoureiro também receberam parte das transferências.

MUSA DO CARNAVAL – Viviane, 37, é madrinha de bateria da escola Estado Maior da Restinga há 13 anos. Também foi rainha de bateria da escola Acadêmicos de Tatuapé, de São Paulo, em 2012. Em 2013, ela concorreu ao posto de Musa do Carnaval, um quadro do programa de televisão Caldeirão do Hulk, na Globo.

Viviane chama os “afilhados” (os ritmistas da escola) de “tinguerreiros”, uma referência ao termo “Tinga”, um apelido do bairro Restinga. A madrinha chegou a apresentar um programa de televisão sobre carnaval em um canal comunitário de Porto Alegre.

Paulo Ferreira chegou a ser homenageado por outra escola de samba, a Praiana. O samba-enredo deste ano é uma homenagem ao político. A letra da música diz: “A figura de um povo, um ser especial/ Paulo Ferreira hoje é Carnaval”. Em outro trecho, a letra da música diz “A história de um menino sonhador/ (…) O líder das raízes ancestrais/ Tendo como pano de fundo/ a cultura e os movimentos sociais”.

PELA LEI ROUANET –  O conselheiro da Estado Maior da Restinga, Hélio Garcias Dias, que foi presidente da escola de 2003 a 2009, diz que Paulo Ferreira repassou verbas à agremiação através de projetos do Ministério da Cultura, que envolvem a Cadeia Produtiva do Carnaval. Essas verbas teriam beneficiado diversas escolas de samba de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul, não apenas a Restinga.

Sobre os repasses diretos de Romano, tanto para a escola como para Viviane, Dias diz que não tem o que declarar.

“A gente não tem muito a declarar. A gente não sabe que fala foi feita pelo Paulo Ferreira. A gente não sabe que caminho tem essa acusação. Os fatos não estão bem esclarecidos”, disse Dias à Folha.

A Império da Zona Norte foi uma das escolas que homenageou Paulo Ferreira (centro da foto) e cujas doações são investigadas

Ferreira, tesoureiro do PT, beija o estandarte

AMIGO DO SAMBA – A respeito da relação com Paulo Ferreira, Dias diz que é um “grande amigo da comunidade do samba”.

“Ele é uma pessoa que sempre apoiou a cultura popular. O Paulo Ferreira é um grande amigo da comunidade do samba, sempre esteve conosco, sempre nos incentivou muito. A gente tem certeza que ele vai esclarecer tudo de uma forma tranquila”, disse.

A Folha tentou contato com o presidente da escola, Robson Dias, e com a madrinha Viviane da Silva Rodrigues, mas não obteve retorno.

ESQUEMA – Nesta fase da Lava jato, denominada “Abismo”, foi identificado o pagamento de R$ 39 milhões em propina entre 2007 e 2012 – sendo que R$ 1 milhão teria beneficiado diretamente Paulo Ferreira.

Os valores viriam de um esquema de fraude em licitação para reforma do Cenpes (Centro de Pesquisas da Petrobras), na Ilha do Fundão, zona norte do Rio de Janeiro.

As investigações, corroboradas pelo acordo de leniência e acordos de colaboração com a empresa Carioca Engenharia e seus executivos, indicaram a formação de um cartel na disputa por três obras da Petrobras em 2007: uma sede administrativa em Vitória, o CIPD (Centro Integrado de Processamento de Dados), no Rio, e o Cenpes.

Além da Carioca Engenharia, a OAS, a Construbase, a Construcap e a Schahin Engenharia ficaram com a última obra pelo Consórcio Novo Cenpes.

MENOR PREÇO – De acordo com o Ministério Público Federal, a construtora WTorre, que não havia participado dos ajustes, apresentou proposta de preço inferior. As empresas, então, teriam pagado R$ 18 milhões para que a empreiteira saísse do certame, permitindo que o consórcio renegociasse o preço com a Petrobras.

O contrato foi fechado em cerca de R$ 850 milhões. Além dos ajustes e fraude na licitação, houve pagamento de propina a funcionários da diretoria de Serviços da Petrobras e a Paulo Ferreira.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Parodiando o velho ditado, já se pode dizer que no Brasil até a corrupção acaba em samba. (C.N.)

6 thoughts on “Corrupção da Petrobras financiou escolas de samba e a madrinha da bateria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *