CPI da Petrobras quer ouvir Marcos Valério para provar que tudo está interligado

Deu na Agência Senado

Na semana passada foram entregues à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito 14 pedidos de convocações, quebras de sigilo e cópias de documentos. Um dos requerimentos é do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-SP), pedindo a convocação do empresário mineiro Marcos Valério, que cumpre pena em regime fechado após ter sido condenado pelo Supremo Tribunal Federal no processo do mensalão. Desvendar uma possível conexão entre o doleiro Alberto Youssef e o mensalão é um dos objetivos da oposição.

Ao justificar o requerimento, o deputado informa que a Polícia Federal apreendeu no escritório de Meire Poza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, um contrato de empréstimo no valor de R$ 6 milhões entre Valério e o empresário do ABC paulista Ranan Maria Pinto.

Onyx destaca ainda que na capa do contrato estava escrito à mão as palavras “Confidencial” e “Enivaldo”. Na opinião do parlamentar, trata-se de Enivaldo Quadrado, condenado a prestar serviços comunitários pelo STF na ação penal do Mensalão. Enivaldo também foi preso em março desde ano na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que desmontou o esquema de corrupção e lavagem de dinheiro que Youssef é acusado de integrar.

SEM DÚVIDA

Durante a sessão marcada pelo silêncio do ex-diretor Paulo Roberto Costa, quarta-feira, parlamentares da oposição insistiram numa ligação entre a quadrilha de Youssef, a Petrobras e o escândalo do esquema de compra de apoio parlamentar conhecido como mensalão.

A minha dúvida é zero de que o senhor Paulo Roberto Costa foi colocado na Diretoria de Abastecimento [da Petrobras] pelo senhor Janene [ex-deputado do PP], que pilotava naquela época um esquema de corrupção ligado ao mensalão, sob comando e supervisão de José Dirceu (ex-ministro da Casa Civil)”, disse Onyx Lorenzoni.

“Esse não é o mensalão dois. É o mesmo mensalão com fontes diferentes pagando políticos. O operador lá atrás era Marcos Valério e o operador agora é Paulo Roberto Costa”, afirmou o deputado Fernando Francischini (SDD-SP).

DELIBERAÇÃO

Para que os requerimentos sejam votados pela comissão de inquérito é necessária a realização de reunião deliberativa, a ser marcada pelo presidente da CPI Mista, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).

A comissão já aprovou a convocação de outros envolvidos nas investigações da PF e do Ministério Público. Entre eles, genros de Paulo Roberto Costa, do doleiro Alberto Youssef e da contadora Meire Poza. Todavia, a data para os depoimentos ainda não foram marcadas.

O próximo compromisso dos integrantes da CPI é na terça-feira (23), quando os parlamentares têm encontro marcado com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, para pedir o compartilhamento das informações prestadas por Paulo Roberto Costa no acordo de delação premiada com o Ministério Público e a Polícia Federal.

3 thoughts on “CPI da Petrobras quer ouvir Marcos Valério para provar que tudo está interligado

  1. A CPI deseja obter o máximo possível de informações sobre a delação premiada para que as Vossas Excelências possam preparar suas futuras defesas.

    Este é o principal interesse dos membros da CPI.

  2. Da nota da Agência Senado, um desabafo a ser considerado:

    “Esse não é o mensalão dois. É o mesmo mensalão com fontes diferentes pagando políticos. O operador lá atrás era Marcos Valério e o operador agora é Paulo Roberto Costa”, afirmou o deputado Fernando Francischini (SDD-SP).”

    Bola da vez: será o Mensalão polvo?.. se for, até onde terão chegado os seus tentáculos?.. sinistro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *