Critério de gols fora de casa interfere demais na postura dos times e no resultado.

Tostão

Nesta semana, teremos jogos decisivos da Copa Libertadores e da Copa do Brasil. Sou contra o regulamento, usado em todo o mundo, que utiliza o gol marcado fora com valor superior ao feito em casa, como o segundo critério de classificação. O primeiro, o saldo de gols, é essencial. Se não decidir por esse critério, prorrogação e, depois, pênaltis. O critério do gol fora de casa interfere demais no comportamento dos times e no resultado.

A alegação de que o critério faz o time procurar mais o gol fora de casa não é o suficiente. As equipes ficam, também, mais preocupadas em não levar gols em casa do que em fazer. Chegou-se ao absurdo de muitos acharem que empate pelo marcador de 0 a 0 em casa é bom e até melhor do que ganhar por 2 a 1.

Anos atrás, todos os volantes brasileiros jogavam mais recuados, para proteger os zagueiros e fazer a cobertura dos laterais. Agora, como quase todas as equipes possuem meias-atacantes pelos lados, o lateral não precisa avançar tanto. Com isso, os volantes passaram a jogar no meio-campo, o que aumentou a distância entre eles e os zagueiros. Estes não saem de perto do gol.

A solução não é colocar os zagueiros excessivamente adiantados nem os volantes tão recuados, mas aproximá-los no campo. Zagueiros e volantes precisam saber o momento exato de avançar e de recuar na marcação. A inteligência tática também pode ser ensinada.

O Chelsea colocou todos os defensores e armadores encostados à grande área e ganhou o título. Essa, talvez, seja a melhor maneira de um time muito inferior ganhar de um superior. Porém, não foi o principal motivo da conquista. A maioria das equipes que joga dessa forma perde.

O acaso, uma sequência de fatores incomuns e surpreendentes, também foi decisivo. Negar sua presença, no futebol e na vida, é o mesmo que diminuir a enorme importância da ciência. A bola entra, também, por acaso.

Essa é a grande dificuldade do Barcelona. O time é tão organizado e único na construção das jogadas, que, raramente, faz gol por acaso em suas partidas.

###
RAMIRES

Sábado, sem Neymar, a seleção brasileira vai enfrentar a Dinamarca. Antes, quando era titular, todos pediam a saída de Ramires. Agora, pedem a sua convocação, o que não acontece há quase um ano. No Chelsea, Ramires melhorou muito quando passou a jogar pelos lados do campo, bem aberto, em uma linha de quatro jogadores no meio-campo. Nessa função, além de marcar muito bem, aproveita sua velocidade nos contra-ataques. Na seleção, atuando como volante, em uma função de organização, Ramires é confuso e erra muitos passes.

###
ACASO

Atlético e América ganharam fora de casa, na primeira rodada do Brasileirão. O Galo não jogou bem. A Ponte Preta é que foi pior. O Cruzeiro, em Uberlândia, teoricamente em casa, empatou com o fraco time do Atlético-GO. Alex Silva, recém-contratado, teve uma contusão grave. Isso foi por acaso ou consequência de suas más condições físicas, já que teve, recentemente, muitos problemas e quase não jogava?

Com Souza, que atuou bem, Tinga e Willian Magrão, o Cruzeiro terá um meio-campo muito melhor que o atual. Everton corre muito e joga pouco. A discussão principal não é tática, saber se Montillo deve jogar com um ou dois atacantes à sua frente. O problema maior do Cruzeiro é de qualidade técnica.

(Publicado no Jornal O Tempo)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *