Cuba e os desinformadores de opinião

Valter Xéu

O colunista Samuel Celestino, de A Tarde, escreveu um artigo sobre Cuba e a visita da blogueira Yoani cujo titulo era: “Os idiotas perdidos no tempo” e baseado nisso pergunto: Seria então um idiota esse mesmo colunista que escreveu há alguns anos, depois de um retorno de uma viagem a Cuba, que o País tinha lhe ensinado a não prejulgar aquilo que não conhecia e encheu o país caribenho de elogios?

Samuel, que já esteve em Cuba quatro vezes, não conhece Cuba. Além de desconhecer todo o passado e presente da Yoani, deixa transparecer que desconhece os 50 anos do bloqueio norte-americano. E que a quase totalidade dos países membros da ONU vem condenando o bloqueio e os Estados Unidos não dão à mínima e isso parece não ferir os sentimentos democráticos dos colunistas havidos em criticar Cuba, o que, com a presença da Yoani, virou a mania nacional dos desinformadores de opinião.

Tentam desconhecer todo o imbróglio que envolve Cuba e os Estados Unidos, desde as lutas pela independência contra a Espanha, que foi derrotada, mas quem se sentou à mesa em Paris para discutir a capitulação foram os americanos, que fizeram explodir o barco Maine no porto de Havana onde morreram mais de 300 marines, acusaram a Espanha e declararam guerra aos espanhóis, isso quando a Espanha já estava derrotada pelos cubanos.

Nas negociações em Paris com os espanhóis, nenhum cubano e sim norte-americanos. Quem conhece um “pouquito” da história da América sabe que todas as desavenças entre cubanos e norte-americanos vêm dai.

O resto é jogar para a plateia informações pobre de conteúdo e que na verdade só faz desinformar o leitor, levando-o a ter uma ideia errônea dos fatos e fazendo coro com aqueles, que mesmo sabendo a história, a escondem e vão na onda dos desinformadores de opinião.

ÍNDICES DE CUBA

Será que os que encheram os jornais com ataques a Cuba e dando eco as informações de Yoani têm acompanhando as informações divulgadas pela ONU de que o índice de mortalidade em Cuba chega a 4,4 por mil nascidos vivos? E que esses índices superam em muito vários países do primeiro mundo e que nos envergonham. Apesar de sermos a 5ª ou 6ª economia do planeta, nossos números beiram a casa dos 30?
Será que eles desconhecem as informações de que a expectativa de vida do cubano é maior que a do brasileiro?

E a blogueira afirma e eles acreditam ou acreditam por conveniência ideológica de que o povo passa fome e segundo alguns colunistas, o país está na miséria e a pergunta aqui é: como pode esta o povo passando fome e o país na miséria se ostenta índices sociais que muitos países desenvolvidos não têm?

Parecem desconhecer a solidariedade de Cuba para com os países africanos e da América Latina. Nenhum médico americano está no Haiti enquanto de Cuba são milhares sem nenhum ônus para o governo haitiano, todos mantidos pelo governo cubano.

Somente na ELAM – Escola Latino Americana de Ciências Médicas, milhares de latinos lá estudam medicina gratuitamente, assim como centenas de brasileiros que aqui nunca teriam condições de fazer o curso.

APARTHEID

O líder sul-africano Nelson Mandela não cansa de afirmar que Cuba foi um dos principais fatores do desmantelamento do apartheid. Os nossos bravos colunistas sabem por que Mandela afirma isso? É só procurar se informar sobre a participação dos cubanos na África e principalmente na Batalha de Cuito Cuanavale, onde as tropas sul-africanas que invadiram Angola pelo território da Namíbia, foram derrotadas pelos angolanos com o apoio dos cubanos que chegaram a ter no continente africano mais de 300 mil homens.

Ah! Mas isso, com certeza, é desconhecido pela maioria dos escrevinhadores que se pautam pelas informações das agências noticiosas norte-americanas, e que pautam nossas publicações e assim fica valendo a opinião deles que é o poço onde nossos “bravíssimos” desinformadores de opinião, buscam as “informações”.

(Valter Xéu é editor dos sites Pátria Latina e Irã News)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *