Cúmplice de Cabral comprou lancha à vista, pagando em dinheiro vivo

Resultado de imagem para FLEXBOAT

A lancha SR 760 pode levar até 15 passageiros

Gustavo Schmitt
O Globo

O sócio de uma fábrica de lanchas e iates confirmou, nesta segunda-feira, ao juiz Sérgio Moro, que Mônica Carvalho, mulher de Wilson Carlos, secretário de governo na gestão de Sérgio Cabral, adquiriu um barco por meio de 29 depósitos em dinheiro. Jaime José Alves Filho, um dos proprietários da Flexboat Construções Náuticas classificou o tipo de pagamento como “incomum”. Jaime disse que a embarcação foi vendida durante o evento Rio Boat Show, realizado no Rio, em 2013.

Após o pagamento, que totalizou R$ 264 mil, em maio de 2013, a empresa entregou o barco no condomínio Porto Bello, em Mangaratiba, onde Wilson Carlos, tinha uma casa.

ESQUEMA DE CORRUPÇÃO – Na ação, Wilson Carlos, Mônica, Cabral, sua esposa Adriana Ancelmo e outras duas pessoas são acusados pela participação em um esquema de corrupção no governo do Rio. A Operação Lava-Jato sustenta que Cabral recebeu propina de R$ 2,7 milhões da empreiteira Andrade Gutierrez em troca de contratos firmados pela empresa para serviços de terraplanagem no Complexo Petroquímico de Itaboraí (Comperj).

— A Mônica Carvalho fez depósitos em dinheiro de várias agências diferentes – disse o empresário, acrescentando que, embora o pagamento não fosse comum, a empresa não costuma fazer a checagem da origem dos recursos.

Para a força-tarefa, a compra da embarcação (modelo SR 760 L GII 2 CR) foi feita em valores fracionados como tentativa de ocultar e dissimular a origem da propina para evitar a identificação e a comunicação de operações suspeitas pelas autoridades financeiras, que só o fazem quando identificam transações superiores a R$ 10 mil.

Wilson Carlos e Mônica Carvalho negam as acusações. O advogado de Wilson Carlos, Pedro de Albuquerque Sá, afirmou que a defesa só se manifestará nos autos do processo.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGAlém de Cabral e Wilson, outros membros da quadrilha têm casas em Portobello, como Sergio Cortes, ex-secretário de Saúde, que comprou um apartamento de alto luxo na Lago, com 5 vagas na garage, também em dinheiro vivo. É inexplicável que Cortes, um dos destaques da Turma do Guardanapo, ainda esteja solto. (C.N.)

4 thoughts on “Cúmplice de Cabral comprou lancha à vista, pagando em dinheiro vivo

  1. Tem muita gente que ainda continua impune da quadrilha de Sérgio Cabral, como Mariano Beltrame, Julio Lopes, é preciso que o braço da justiça alcance todos, a mulher de Cabral, conforme noticias, diz que falta gente do judiciário, quem serão….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *