Cunha agora fica em cima do muro ao falar sobre impeachment

Débora Álvares
Folha

Após dizer que as pedaladas fiscais tinham virado “motocicletas”, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reduziu o tom ao tratar do tema nesta quinta-feira e afirmou que precisa avaliar se a existência da manobra para fechar as contas também nesse ano configura descumprimento da lei e poderia caracterizar motivo para o impeachment de Dilma Rousseff.

“O fato por si só não significa que seja razão do pedido de impeachment. Tem que configurar que há atuação da presidente em processo que descumpriu a lei. Pode existir a pedalada e não existir a motivação do impeachment”, disse Cunha.

As pedaladas fiscais são um dos argumentos que embasam o pedido de impeachment de Dilma protocolado na quarta-feira pela oposição. A peça contempla decretos assinados pelo governo em 2015 que aumentaram em R$ 800 milhões as despesas do Executivo sem autorização do Congresso. Os novos argumentos são uma forma de tentar provar que Dilma continuou a cometer neste ano irregularidades fiscais que levaram o TCU (Tribunal de Contas da União) a reprovar as contas de 2014 da presidente.

Cunha explica que ele não tem prazo para avaliar o pedido, mas afirma que terá “cautela em relação a isso”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, conseguiu calar Dilma Rousseff, depois pediu a Cunha uma trégua. O presidente da Câmara então inventou essa história de que pode haver pedalada sem configurar crime de responsabilidade. A hipótese é verdadeira e até admitida pelo TCU, quando se constata um déficit de pequenas proporções, ocorrendo em exíguo espaço de tempo e logo coberto pelo governo. No caso das macropedaladas de Dilma, que chegam a dezenas de bilhões de reais e se perpetuam meses e meses, é realmente crime de responsabilidade. Justamente por isso, a própria Caixa Econômica recorreu à Justiça contra a União, para se ressarcir de um prejuízo de quase R$ 300 milhões com as pedaladas. (C.N.)

13 thoughts on “Cunha agora fica em cima do muro ao falar sobre impeachment

  1. Gente, político é tudo igual. Exatamente. Não mudam nada de um pra outro. Não tem essa de vício de “exceção”. Não existe exceção. Está na alma. Político é aquele sujeito que ou é um lascado que tudo que tentou na vida deu pra trás ou é um pilantra que tudo que quer poder sobre as pessoas. Político vive de negociação. O toma lá da cá. Não existe nada mais imundo. O ser humano se suja todo quando adentra na política. Perde toda o resto da gota de moral, se é que já teve um dia. É claro que Dilma não vai cair enquanto tiver cargos pra gastar. Não cai, isso é lógico. Ou cairia se a população resolvesse ir pras ruas de uma vez por todas. Acontece que os organizadores deste tal Brasil Vem Pra Rua são também outros desocupados. Já cancelaram os protesto próximos, isso não precisa de muita inteligência pra imaginar que foi negociado pra mudarem de estratégia. Ou seja, sai um ruim entra outro mais ruim ainda. Se reproduzem igual mosca. O pt sabe bem disso. O Lula sabe bem disso. O povo é muito inocente. Veja este Aécio. Também não tem nada de santo. Apareceu como salvador da Pátria. E o povo na necessidade de um líder o abraçou como um deus. E ele vai ser presidente ainda, mas vai ser igual ou pior a estes outros. Alguém aqui aponte algum político na história que se comportou fora do padrão acima. Não existe. Vão citar Rui Barbosa, pois digo: foi um desastre, a economia virou um funeral no ministério deste homem. Vão dizer JK, pois digo: vendeu até a alma pra fazer aquela Brasília inútil. Vão dizer Tancredo? Pois já adianto: teria sido pior que o Sarney. Se estivesse perguntando isso quinze anos atrás iriam me responder: mas tem o Lula, grande Lula, a esperança… Então não vou nem responder essa, taí a esperança à beira de ir parar na Papuda…

  2. O Jornal Nacional mais uma vez expõe a mulher e a filha de Eduardo Cunha de forma covarde. Citam “os milhões de Cunha” como se fosse esse o problema maior que paralisa esta nação. Para clarear o pensamento de quem não tem compreensão do jogo político, ou seja, daqueles que se guiam basicamente pelas manchetes dos jornalões, PENSEM: são cerca de 2 milhões de dólares em contas na Suíça que seriam do atual presidente da câmara, segundo a grande mídia. Fotos de documentos de seus familiares são mostradas ao mundo, junto com documentos e assinaturas como prova irrefutável da culpa do denunciado. Vejamos: se o dinheiro foi oriundo de corrupção, é seguro afirmar que em dezenas de anos nos altos escalões do serviço público, Eduardo Cunha pode ser considerado um trombadinha do erário. Em qualquer negócio dos lullinhas, desde que o pai virou o monarca desta corte, 2 milhões é quantia facilmente capitalizada como taxa de sucesso. Da mesma forma acontece com os cumpanhero mais graduados do reino petralha. Que o conselho de ética da câmara investigue e puna Eduardo Cunha, caso JULGADO culpado, Devemos exigir isso. Mas devemos exigir também, e principalmente que o Congresso não se omita de seu dever de fiscalizar e punir atos do Executivo. Mais de 93% dos brasileiros queremos o fim do governo petista! Esse partido, desde sua gênese só se sustenta na mentira. Motivos políticos para impeachment? Há infindáveis, desde o primeiro reinado do Barba. Faltava independência da câmara dos deputados para poder botar em pauta os temas de maior interesse desta nação. Cunha, na função de presidente da câmara ousou em não permitir que a câmara dos deputados funcionasse de forma subalterna ao governo federal. Independentes, têm que ser os 3 Poderes da república. É o que diz a CF. Os petralhas não perdem por esperar. Eduardo Cunha está liquidado politicamente. Porém, os aloprados sempre deixam rastro da sujeira feita. Desponta no horizonte um novo Roberto Jefferson, mas desta vez sem proteger o chefe. O governo afigura-se um zumbi. Não é racional crer que uma mulher em vias de sofrer uma interdição psiquiátrica, possa fingir comandar este país até 2018. Bota pra votar, Cunha! Que cada parlamentar mostre a cara e preste contas aos seus eleitores nos municípios. A FORÇA DO POVO, vai libertar o Brasil do PT!

  3. Essa é a oposição que quer tirar a Dilma:

    Você conhece Vinhedo, no interior de São Paulo? Provavelmente, não. Mas já ouviu falar do deputado federal Carlos Sampaio, o maníaco tucano do impeachment.

    Vinhedo é onde o brasileiro encontra o verdadeiro Sampaio. Boneco de ventríloquo de Aécio Neves, eternamente alterado (lembra o Collor apoplético), ele vive, como se sabe, de berrar contra a corrupção e de encomendar pareceres jurídicos.

    No meio do lodaçal suíço em que Cunha mergulhou, Sampaio conseguiu dizer que daria ao homem “o benefício da dúvida”. Um espanto. A indignação de Sampaio é tão falsa quanto a de seus auxiliares, os kataguiris do MBL. A roubalheira, quando lhes convém, é um detalhe insignificante.

    Há dias, o ex-prefeito de Vinhedo, Milton Serafim, foi condenado a 32 anos de prisão e multa de 264,7 mil reais por tomar vantagens indevidas no cargo: extorquiu dinheiro em troca da aprovação de loteamentos na cidade entre 1997 e 2004.

    Serafim renunciou em março de 2014 para não ser cassado. Como no caso de Cunha, sua carreira não começou agora. Os pepinos com a Justiça vêm desde pelo menos 2005, quando teve a primeira detenção preventiva. Puxou cana com secretários de novembro daquele ano a janeiro de 2006, até conseguir um habeas corpus. Em 2008, xadrez novamente.

    Vinhedo tinha três condomínios de luxo quando ele assumiu pela primeira vez. Hoje, tem quarenta. Um promotor do caso diz que foi ameaçado. Enfim, Serafim é chave de cadeia há décadas.

    Há alguns meses, o probo, o incansável, o inoxidável Sampaio se sentiu à vontade para anunciar, em suas redes sociais, que esteve “no lançamento da campanha da Ana Genezini para deputada estadual, ao lado do amigo e ex-prefeito Milton Serafim.”

    Sampaio, que é de Campinas, dividia com Serafim a defesa dos interesses dessa rica região paulista. “Na manhã desta terça-feira em Brasília, o prefeito Milton Serafim se encontrou com o deputado federal Carlos Sampaio e discutiram diversos temas de importância para Vinhedo e região. Entre os assuntos, destaque para a emenda de R$ 300 mil do deputado para a área esportiva da cidade, especificamente reforma e modernização de Centro Esportivo”, diz um jornal campineiro.

    Vinhedo é o berço político dos extremistas do Movimento Brasil Livre. Eles começaram ali, fantasiados com um xarope de doutrinação e justificativa liberal, como era inevitável.

    Renan Santos, um dos líderes do grupo, iniciou ali sua militância e é descrito em alguns jornais como “orgulho local”. O coordenador jurídico do MBL é Rubens Nunes Filho, também de Vinhedo, filho de um vereador e ex-presidente da Câmara municipal sob Serafim.

    Muitas das contas de Facebook do grupelho fazem referência à localidade (algumas delas: https://www.facebook.com/Movimento-Brasil-Livre-Vinhedo-1031383266894408/; Renova Vinhedo: https://renovavinhedo.wordpress.com/2014/06/19/001/).

    O substituto de Serafim é seu vice, Jaime Cruz, não exatamente um exemplo do homem público. Foi acusado de superfaturar merenda juntamente com o ex-chefe. Em 2010, também envolveu-se na licitação irregular para construção de um anexo da Câmara.

    Os herois vinhedenses nunca deram um pio sobre as falcatruas do próprio alcaide. Em companhia do campineiro Sampaio, Renan e Rubinho prestigiaram a posse de Jaime Cruz, erguendo brindes animados. Cruz, que trabalha com Serafim desde 1996, manteve todo o secretariado e os contratos da gestão anterior.

    Carlos Sampaio e seus asseclas fariam um favor a si mesmos se assumissem que seu teatro não tem nada a ver com a luta contra os corruptos. Trata-se apenas de fomentar um golpe para colocar no país os serafins de sua confiança.
    DCM

  4. O pedido de impeachement do Hélio Bicudo foi fundamentado em decretos pedaleiros assinados em 2015 pela Aloprada Presidente. Logo, está clara a participação direta da pata manca nos crimes previstos na LRF. O Cunha está se fazendo de bobo e falando tolices. Se depender desses políticos canalhas o Brasil vai à falência de vez. Somente uma série de greves gerais tirarão esses vampiros do poder.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *