Datafolha dá empate no primeiro turno e Marina vencendo o segundo turno com 7 pontos de diferença  

Carlos Newton

As novas pesquisas seguem mostrando a ex-senadora Marina Silva (PSB) com melhores condições para ser eleita presidente da República. Segundo o instituto Datafolha, nos resultados gerais, Dilma e Marina aparecem empatadas na simulação de primeiro turno com 35% e 34% das intenções de voto, respectivamente. Mas no teste de embate final entre as duas, Marina seria eleita presidente com 48% dos votos contra 41% da petista.

O Datafolha ouviu 10.054 eleitores em 361 municípios entre os dias 1º e 3 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. No TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a pesquisa está registrada sob o número BR-00517/2014.

Animado com a permanência de Marina Silva como favorita no segundo turno, seu vice Beto Albuquerque prevê uma diferença maior, porque ele acha que 8 em cada 10 eleitores de Aécio Neves devem votar em Marina Silva para presidente num eventual segundo turno. Os outros dois “talvez votariam em Marina”.

“FAVORITISMO” DE DILMA

O mais interessante da pesquisa é que o maior grupo do eleitorado acha que a favorita para vencer a disputa é a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT. Na pesquisa finalizada nesta quarta-feira (3), o Datafolha fez a seguinte pergunta aos seus entrevistados, após apurar as intenções de voto: “Na sua opinião, quem vai ganhar a eleição para presidente da República em outubro?”

Dilma foi mencionada por 44% como futura vencedora. Marina ficou com 33% das citações. Outros 7% responderam Aécio Neves (PSDB).

A presidente lidera esse capítulo da pesquisa mesmo entre algumas fatias do eleitorado mais propensos a votar em Marina. No grupo dos eleitores mais jovens (16 a 24 anos), por exemplo, ela é vista como favorita por 42% ante 36% de Marina.

Este é o panorama, faltando 32 dias para o primeiro turno.

11 thoughts on “Datafolha dá empate no primeiro turno e Marina vencendo o segundo turno com 7 pontos de diferença  

  1. Somente um ingênuo poderá achar que os institutos de pesquisas apresentam dados totalmente idôneos e científicos em suas pesquisas de intenção de votos.
    Mesmo que a metodologia utilizada tenha fundamentos científicos comprovados existem diversos elos na corrente onde estes dados podem ser modificados. Um deles são os próprios pesquisadores de campo que , certamente , tem suas preferências e candidatos, podendo induzir a opinião dos indecisos. Além disso temos os interesses de quem paga a pesquisas, as pressões políticas e tantas outras.
    Mas o que me surpreende é estes institutos analisarem sempre baseados estritamente nas projeções futuras e não levarem em conta os números consolidados das eleições anteriores. Estes, sim, tem relevância especial pois não podem mais ser manipulados e indicam as tendências que temos no nosso quadro político.
    Sobre isso, apresento alguns dados interessantes que passam “batido” por toda a mídia.
    Nas 3 ultimas eleições para presidente o PT teve , no 1° turno, uma performance parecida em percentuais, apesar de viver situações econômicas e de avaliação distintas.
    Em 2002, para um eleitorado de 115.254.113, Lula teve 39.454.692 de votos ou seja 34,23%.
    Em 2006, para um eleitorado de 125.913.479, Lula teve 46.662.365 de votos ou seja 37,05%.
    E em 2010, para um eleitorado de 135.804.043, Dilma teve 47.651.434 votos ou seja 35,08%.
    Dentro destes dados, reais e consolidados, o PT sempre teve um percentual médio de 35,23% de votos nas últimas 3 eleições no 1° turno. Portanto é perfeitamente constatável que o número que os institutos atribuem a Dilma/PT é o limite que o partido conseguiu alcançar nas eleições que venceu. Portanto é bastante improvável o aumento do percentual de votos da candidatura do PT, mesmo sem levarmos em consideração fatores que a prejudicam muito hoje como a crise econômica (nunca “dantes” enfrentada pelo PT em outras eleições), a vontade de mudanças da população e o fator Marina, simbolizando uma nova opção (fato que não ocorreu nas outras eleições).
    Para pesar dos defensores do Petismo e das análises tendenciosas dos institutos, a possibilidade de vitória de Marina no 1° turno é uma possibilidade não tão remota. Principalmente se lembrarmos que são necessários 50% mais um dos votos válidos e as pesquisas atuais não apresentam o percentual das abstenções, que sempre ultrapassaram os 17% e baixam em muito o total de votos computados.
    Vamos aos números:
    Em 2002 os votos válidos foram 84.951.149 (73,7%).
    Em 2006 os votos válidos foram 95.996.733 (76,2%).
    E em 2010 os votos válidos foram 101.590.153 (74,8%).
    Analisando matematicamente, a média de votos válidos foi de no máximo 76% do eleitorado total. Para se obter a metade mais um dos votos válidos teríamos que ter cerca de 38% deste universo de eleitores cadastrados.
    Eleitorado este que é o universo das pesquisas que os institutos apresentam.
    Marina e Dilma tem apresentado cerca de 35% dos votos, segundo eles, os institutos. Como este é o teto do PT, Dilma não tende a crescer mais. Marina, porém, ainda tem a possibilidade de receber, na última hora uma parte dos votos de Aécio e terminar com a eleição ainda no 1° turno.

  2. Para quem estava empatado no Segundo Turno com dona dilm=eca e agora tem 7% , é que o ne´gocio ta mais feio do que eu pensava para os lados do EfeagALi e os 40 Ladrões….
    Os Torcedores do Timinho do Thcorrupto vão á loucura desta vez…..
    Perco o amigo mas nao perco a piada.
    eh!eh!eh!eh
    Sorry.

  3. O artigo do Moderador, só vem a confirmar minha opinião formal, sempre de maneira a mostrar que não merecem crédito as ditas pesquisas, suas metodologias, que nos moldes das Meias -Verdades, já criadas, agora também podem ser entendidas como Meias – Pesquisas, de intenção de voto…
    Inclusive, a manchete da Folha é a própria “confissão” : ” Marina é favorita, mas eleitores, creem em vitória de Dilma” – se não é um tremendo paradoxo investigativo da opinião do eleitor, o inverso pode ser entendido, salvo melhor juízo, como criminoso processo de real e constante indução, transformando a pesquisa numa gangorra, ao sabor e ao peso de quem paga mais para aparecer na frente…
    Por essas e outras, entendo que tais pesquisas deveriam ser proibidas no Brasil, até porque de um modo ou de outro, em razão da sua numerologia “cantada” de véspera, ela também irá “reforçar” os números apurados como resultado da eleição, pela sinistra urna eletrônica, dita muito blindada, mas que continua não dando recibo do seu, do meu, do nosso voto…

  4. Até agora , na verdade, quem está vitoriosa é a Presidente. Há mais de ano vem sendo submetida a todo tipo de ataque do PSDB. Resistiu bravamente, continua no páreo e Aécio está fora. Sem contar que Aécio está perdendo em Minas, uma prova que o ódio de Aécio à Presidente não é correspondido pelo povo mineiro. No tabuleiro de xadrez, o rei do PSDB caiu. A Presidente Dilma é um exemplo de fortaleza. Dilma venceu a campanha mais sórdida imposta a um candidato depois do suicídio de Getúlio.

  5. Pesquisa, induz o eleitor alienado, que é formado pela maioria do eleitor
    brasileiro. Pesquisas todas as semanas, dando como certa a eleição da
    Dilma ou Marina, fica praticamente decidida a eleição entre as duas.
    Com certeza, o Aécio não terá esse percentual pífio, demostrado pelos Institutos
    de pesquisa, principalmente no Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.
    Aguardem.

  6. Se não for com o Aécio, que seja com a Marina, para tirar a quadrilha
    que tomou conta do poder e vem enganando a inocente população brasileira.
    Desde o governo do Lula, há a promessa do dinheiro do pré-sal
    para educação, saúde etc, mesmo sabendo que os frutos do pré-sal
    só daqui a alguns anos, estão vendendo ilusão.
    O que a Presidente Dilma promete hoje, porque não fez em seus 4 anos de governo?

  7. Já faz um tempinho que escrevi que teriamos novidades da África, estão chegando…(…)
    PF vê elo da Labogen com traficante internacional de drogas
    REDAÇÃO
    Quinta-Feira 04/09/14
    Papeis de laboratório controlado pelo doleiro Youssef foram encontrados em março no cofre de preso por tráfico no porto de Santos (SP)
    Andreza Matais e Fausto Macedo
    A Polícia Federal apreendeu no cofre de um dos maiores traficantes do país documentos dos laboratórios Labogen Química Fina e Piroquímica Comercial. As duas empresas seriam controladas pelo doleiro Alberto Youssef, investigado pela PF na Operação Lava Jato. A Labogen chegou a negociar contrato com o Ministério da Saúde na gestão de Alexandre Padilha, candidato do PT ao governo de São Paulo.
    Os documentos foram encontrados em março deste ano pela operação Oversea que desarticulou esquema do tráfico de drogas no porto de Santos.
    A PF descobriu que o traficante Sauélio Alves Leda, alvo da Oversea. mantinha os papeis num cofre localizado no seu quarto em um sítio de Mogi das Cruzes (SP). Ele é investigado por tráfico internacional de drogas. “Embora as referidas empresas não tenham sido investigadas durante a operação Oversea existem indícios que estes documentos estejam diretamente ligados a lavagem de dinheiro e é de extrema importância a identificação de pessoas e empresas envolvidas com a estrutura da organização criminosa voltada para o tráfico ilícito de drogas”, diz relatório de inteligência da PF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *