Defesa de Cabral entrega 27 joias que estavam escondidas em cumprimento a acordo de delação

Sumiço das joias mais valiosas era pontos de resistência à delação

Italo Nogueira
Folha

A defesa do ex-governador Sérgio Cabral entregou à Polícia Federal 27 joias que ele mantinha escondidas com pessoas próximas desde sua prisão, em novembro de 2016. A apreensão desses bens faz parte do acordo de delação premiada homologado no STF (Supremo Tribunal Federal).

A Folha apurou que no lote entregue à PF está a peça mais cara adquirida por Cabral. Trata-se do brinco espeto de turmalina paraíba com diamantes, que custou R$ 612 mil. Outras duas peças com a pedra rara também foram entregues às autoridades: um colar (R$ 229 mil) e um anel (RS 159 mil).

PRESENTE DE ANIVERSÁRIO– As três foram adquiridas na joalheria Antônio Bernardo para presentear a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo em seu aniversário de 42 anos. Os colares, anéis e brincos foram entregues à PF no dia 20 de fevereiro no aeroporto do Galeão, duas semanas após o ministro Edson Fachin, do STF, homologar a delação do ex-governador, negociada diretamente com a Polícia Federal.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, tentou reverter a homologação do acordo, por considerar que Cabral ainda omite fatos e não apresenta novos crimes além dos já identificados de forma independente pelas investigações. Fachin, contudo, manteve sua decisão no dia 6.

PONTO DE RESISTÊNCIA – O sumiço das joias mais valiosas era um dos pontos de resistência dos procuradores do Rio à delação de Cabral. Eles também consideram que o ex-governador não apresentou fatos novos.As joias são apontadas pelo Ministério Público Federal como uma das formas usadas por Cabral e a mulher para lavar o dinheiro obtido com propina junto a fornecedores do estado.

Segundo dados das joalherias H. Stern e Antônio Bernardo, cujos donos firmaram delação premiada, o casal gastou R$ 6,5 milhões —há peças adquiridas em outras lojas.

A PF já havia apreendido 137 joias e relógios em duas operações na casa de Cabral no Leblon, na zona sul do Rio, em 2016. Na ação, contudo, as mais valiosas adquiridas por ele não haviam sido encontradas, como o brinco espeto de turmalina paraíba com diamantes entregue em fevereiro.

AVALIAÇÃO – A PF agora compara as 27 joias apreendidas com as listas de aquisições nas duas joalherias que colaboraram com as investigações, a fim de determinar o preço de compra de cada uma.

A defesa do ex-governador afirmou à Polícia que entregou todas as peças que estavam em poder de pessoas ligadas a Cabral. Procurado pela reportagem, o advogado Márcio Delambert disse que não iria se manifestar sobre o caso. O destino das peças recém-entregues será definido posteriormente pela PF e a Justiça.

LEILÃO CANCELADO – No Rio, o juiz Marcelo Bretas ainda tenta uma solução para avaliar de forma definitiva um lote de 40 joias apreendidas na casa de Cabral no dia 17 de novembro de 2016, data de sua prisão. Um leilão para venda das peças estava marcado para agosto do ano passado.

Ele foi cancelado por Bretas após a Folha revelar que o preço mínimo atribuído às joias pela Caixa era 78% menor do que o atribuído a elas pela Polícia. A PF estimou o valor das 40 unidades em R$ 2,07 milhões, com base em notas fiscais entregues por joalherias e pesquisa de mercado. A Caixa atribuiu-lhes a soma de R$ 455 mil.

PESO DAS PEDRAS – O juiz determinou uma nova avaliação por um joalheiro especializado. Contratado para a missão, José Lopes de Alencar Júnior indicou um preço ainda menor para o lote: R$ 398 mil. Ele fez o cálculo com base no peso das pedras preciosas das joias —safira, esmeralda, tanzanita, rubi, entre outras—, sem considerar o design ou a marca da peça.

Prevendo a contrariedade do magistrado, o leiloeiro Renato Guedes sugeriu uma média entre as três avaliações (PF, Caixa e Alencar Júnior) e de uma pesquisa de mercado feita por sua equipe na internet. O cálculo baixou para 60% o desconto a ser dado no preço mínimo do leilão.

O Ministério Público Federal sugeriu, então, que Roberto Stern avaliasse as joias que vieram de suas lojas. Bretas aceitou a sugestão e determinou que Antônio Bernardo também analisasse aquelas vendidas por sua empresa. Outras 97 peças apreendidas ainda não foram avaliadas para o leilão. Este conjunto valia R$ 2,9 milhões, segundo a PF —incluindo a peça mais cara arrecadada com as autoridades: um par de brincos em formato de flores com 24 diamantes cada um, avaliado em R$ 240 mil.

4 thoughts on “Defesa de Cabral entrega 27 joias que estavam escondidas em cumprimento a acordo de delação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *