Defesa de ex-presidente Dilma muda estratégia no TSE para incriminar Temer

Resultado de imagem para dilma e temer charges

Charge do Kacio (kacio.art.br)

Deu no Correio Braziliense
(Agência Estado)

A defesa da presidente cassada Dilma Rousseff mudou de estratégia e tenta agora preservar os direitos políticos da petista “arrastando” o presidente Michel Temer para o seu lado como boia de salvação. Convencidos de que há no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma tendência para tornar Dilma inelegível e retirar o que ela conquistou quando o impeachment foi aprovado no Senado, seus advogados fazem de tudo para Temer não se separar do PT no processo que pede a cassação da chapa reeleita em 2014.

Diante da Justiça, o divórcio do PMDB está longe de ser consensual no papel. Em conversas reservadas, interlocutores da ex-presidente afirmam que, enquanto Temer estiver “grudado” nela, fica mais difícil para o TSE julgar procedente a ação – impetrada pelo PSDB em 2014 – porque, nesse caso, o peemedebista perderia o mandato. Se houver um veredicto pela cassação no ano que vem, nova eleição terá de ser realizada de forma indireta, pelo Congresso, hipótese que pode provocar instabilidade política.

MORREM JUNTOS – Nos bastidores, petistas argumentam que “ou os dois morrem juntos ou os dois se salvam juntos”. Ao sofrer impeachment, em agosto, Dilma manteve os direitos políticos. Pode concorrer a cargos públicos e disputar eleições, mas tudo isso corre risco caso haja impugnação da chapa.

Temer pede a separação do julgamento de suas contas sob a alegação de que, à época, era candidato a vice e não pode ser responsabilizado por eventuais ilícitos cometidos pelo comitê do PT. Para provar que a chapa é indissolúvel, o advogado Flávio Caetano, defensor de Dilma, juntou ao processo cópia de um cheque de R$ 1 milhão e documentos indicando que a doação à campanha, feita pela empreiteira Andrade Gutierrez, entrou pela conta de Temer, então presidente do PMDB.

DELAÇÃO FALSA – “Nós fomos surpreendidos por uma mentira quando Otávio Azevedo (ex-presidente da Andrade Gutierrez e delator da Lava Jato) disse, em depoimento ao TSE, que havia uma transferência de R$ 1 milhão do Diretório Nacional do PT para a campanha de Dilma”, afirmou Caetano. “A doação ocorreu por meio do Diretório do PMDB e o depoente já havia assegurado que a contribuição para esse partido tinha sido absolutamente voluntária e regular.”

O advogado negou que tenha mudado de estratégia. “Sempre trabalhamos pela improcedência da ação e destacamos que a chapa é única. Não há possibilidade de separação.”

Gustavo Guedes, advogado de Temer, também observou “contradições” no depoimento de Otávio Azevedo. “Não há nenhuma prova nos autos sobre a utilização de dinheiro ilícito na campanha de 2014. O único depoimento que apontaria alguma possível ilicitude se mostrou, no mínimo, frágil”, argumentou Guedes.

TEMER NOS COMÍCIOS – A nova tática da defesa de Dilma para “arrastar” Temer ficou ainda mais evidente na quarta-feira. No depoimento de Giles Azevedo, ex-chefe de gabinete da petista, Caetano o questionou sobre a participação de Temer em comícios ao lado da então presidente. O assessor também foi perguntado sobre reuniões com o candidato a vice e visitas feitas por ele ao comitê.

As respostas de Giles reforçaram a vinculação de Temer com a campanha. “Todo mundo quer se salvar. O que eles não querem é que nós nos salvemos e eles, não”, resumiu um interlocutor do presidente. Um ex-ministro de Dilma confirmou este diagnóstico: “Não vamos deixar Temer posar de santo”.

RELATOR FAZ MISTÉRIO – A posição do relator do processo, Herman Benjamin, preocupa tanto o Palácio do Planalto como o PT. Respeitado na Corte, Benjamin dá sinais de que pode causar problemas para Temer, embora tenha ambições de se tornar ministro do Supremo Tribunal Federal, se houver vaga em 2017, com a provável aposentadoria de Celso de Mello. A indicação ao STF é feita pelo presidente.

“Ninguém sabe como vai ser meu voto”, disse Benjamin, ao ser questionado pelo Estadão. “Será um julgamento técnico. Não tem componente político.

15 thoughts on “Defesa de ex-presidente Dilma muda estratégia no TSE para incriminar Temer

      • Caro virgilio … tenho acompanhado a investigação do TSE – tem sido de arrepiar, né???

        Acontece que foram REALMENTE campanhas separadas … quantas vezes apareceram juntos em comícios … entrevistas … … … e a prova final – cadê o Programa Comum PT-PMDB??? ??? ??? aprovado em Convenção Nacional do PT e do PMDB – sem este Programa Comum – foi cada um por si … ou seja: interessava ao PT somente o tempo eleitoral do PMDB … e ao PMDB interessava ajudar o PT … até que se foi comprovando uma tal de Hegemonia – porém, o PMDB deu vários sinais, lembra??? abr.

        • Amigo não é bem por ai, antes de 64 as eleições para presidente e vice eram separadas, atualmente é uma chapa que concorre onde o vice vem ” embutido “.
          Agora mesmo nas eleições para prefeitos qual o vice que apareceu na TV ou fez um programa separado .

  1. O Fantástico traz uma nova denúncia de fraude no Enem. Segundo a Polícia Federal, antes do exame de sábado passado, bandidos já estavam com todas as respostas de uma das provas. A queixa é de Sofia Azevedo Macedo, presa em flagrante pela PF, no domingo passado (6), quando ia fazer o segundo dia do Enem em Belo Horizonte. Você viu o esquema da fraude no Fantástico. A quadrilha de Montes Claros, interior de Minas, recrutava estudantes e professores para fazer as provas e repassar as respostas por telefone. Só fera, mas o esquema não deu certo para Sofia.

    REVEJA: QUADRILHA É PRESA EM FLAGRANTE FRAUDANDO O ENEM

    Agora, a denúncia é muito mais grave. O repórter Eduardo Faustini teve acesso à investigação da PF. O delegado Marcelo Freitas ainda não concluiu o inquérito, mas acredita ter indícios de que a quadrilha conseguiu com antecedência o gabarito da prova azul de ciências da natureza. É a prova mais importante para quem quer cursar medicina. Veja na reportagem.

  2. A batata do pé grande vai assar !

    Rio – No grupo de Whatsapp da Assembleia Legislativa, deputados estaduais demonstraram preocupação com ameaças físicas vindas de servidores públicos da área da segurança. Um dos parlamentares citou um major da Polícia Militar que fala em “Queda da Bastilha”.

    Na próxima quarta-feira, a Casa começa a discutir as 21 propostas de ajuste fiscal enviadas pelo Palácio Guanabara. Assim como quando houve invasão, na última terça-feira, para esta semana também estão previstos protestos de policiais civis, militares e de bombeiros em frente à Alerj.

  3. A ESTUPIDEZ E A BURRICE IMPERAM.. “Um sapo cururu” sabe que vice preenche a chapa. Vice não é cargo e só se efetiva com a posse do titular. É claro, lógico, insofismável, intuitivo que Temer foi eleito compondo a chapa presidencial de Dilma. A eleição não foi separada. “É uma estupidez cavalar dizer que a defesa de Dilma quer incriminar Temer”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *