Defesa no julgamento de Demóstenes foi cerceada?

Sandra Starling (Jornal O Tempo)

Ao discursar pela última vez da tribuna do Senado, o senador Demóstenes Torres pediu que fosse julgado com os mesmos requisitos do processo penal. Disse que, sem isso, seus pares não lhe estariam assegurando a ampla defesa prevista na Constituição. Chegou até a recordar que o relator de seu processo, o senador Humberto Costa, havia sido submetido a um julgamento, na Justiça Federal, depois da rumorosa operação Vampiro, e foi absolvido. Essa é uma questão interessante: estariam os senadores obrigados a julgá-lo como magistrados?

A resposta é negativa. O processo de cassação de políticos, embora deva respeito à ampla defesa, como o processo penal, com esse não se confunde. Daí falarem os constitucionalistas tratar-se de um processo “judicialforme” e, não, de um processo jurisdicional. O traço mais marcante da distinção está na prolação da sentença. Enquanto os juízes manifestam suas decisões publicamente e de forma fundamentada, os senadores o fazem por voto secreto e sem fundamentação. Tudo como manda a Constituição.

Mas, o que justificaria essa diferença? A solução para o enigma se encontra no uso da violência legítima. Os parlamentares são os responsáveis pela elaboração das leis: normas gerais, abstratas, inovadoras da ordem jurídica e dotadas de coercitividade. Ocorre que, em face da separação de Poderes, os legisladores não dispõem da força para impor o cumprimento das leis. Quem detém essa prerrogativa são os Poderes Executivo e Judiciário.

Os juízes lidam com a aplicação das leis em casos de conflitos. São, em última instância, os que podem restringir as liberdades ou privar as pessoas de seus bens, com recurso à força policial, se for necessário. Por essa razão, o processo judicial requer partes contrapostas (princípio do contraditório), detalhamento da controvérsia (ampla defesa) e uma autoridade neutra para julgar, ou seja, o juiz.

No processo de decretação de perda do mandato por quebra de decoro parlamentar, não há magistrados; há, apenas, participantes que discutem a elaboração de uma norma (uma resolução do Senado) e que dispõem sobre a exclusão de um mandatário político dos trabalhos que ali ocorrem.

Diversamente do que afirmou o senador Demóstenes Torres, ao condená-lo, os seus pares não estavam “acabando com a sua vida”. Ao contrário dos juízes, os senadores não poderiam cerceá-lo em sua liberdade ou interditar-lhe os bens. Coisas que só a Justiça pode fazer.

Como disse o senador Pedro Simon, aquilo não era um linchamento. Tratava-se apenas de considerar indigno da atividade de legislar alguém que cometera irregularidades graves e recebera vantagens indevidas. E mais: que abusou de suas prerrogativas ao faltar com a verdade perante seus colegas sobre suas relações com Carlinhos Cachoeira. Em outras palavras, incidiu em grave falta ético-parlamentar ao tentar iludir “julgadores” que só dispõem da palavra para condenar um dos seus ao ostracismo político.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *