Delegados federais apoiam a proposta de Witzel no combate à criminalidade

Witzel e Crivella fizeram palestras na FGV, no Rio de Janeiro

Deu no site da Somma

O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, participou do Simpósio Nacional de Combate à Corrupção na tarde desta sexta-feira, na Fundação Getúlio Vargas. O encontro reuniu acadêmicos, autoridades e entidades da sociedade civil que discutiram temas como iniciativas de prevenção à corrupção, repressão aos crimes de corrupção e recuperação de ativos.

Após assistir ao painel no qual discursaram o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o juiz federal Marcelo Bretas, Witzel falou sobre o combate à corrupção no seu futuro governo e sobre investimentos que fará em tecnologia para aprimorar a segurança pública no estado: “Vamos criar um departamento de combate à lavagem de dinheiro. E eu acredito na tecnologia para melhorar a atividade policial. Vamos trazer milhares de câmeras para colocar nas cidades e também implantar um sistema de localização nas viaturas para saber, em tempo real, que contingente temos nas ruas e otimizar o trabalho das polícias”, disse.

O governador eleito, que compôs o último painel do evento ao lado do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, falou também sobre a importância de garantir a independência das polícias: “Teremos uma Polícia Civil independente, uma Polícia Militar aparelhada e vamos avançar. Disse aos meus secretários que vejam a Polícia Federal como um modelo. Precisamos de uma polícia independente, que tenha efetividade na sua investigação. Não haverá mais indicação política de delegados e policiais no Rio de janeiro”, afirmou.

APOIO À PROPOSTA – No encerramento de um dos painéis, o Presidente da ANDPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal), Edvandir Félix de Paiva, manifestou apoio às propostas de Witzel para a segurança.

“Vimos com excelentes olhos a extinção da Secretaria de Segurança, pois assim as polícias terão autonomia para trabalhar”, disse o delegado federal.

9 thoughts on “Delegados federais apoiam a proposta de Witzel no combate à criminalidade

  1. Quem não apoia é o Tucapetralhismo do Partidecos Mais Corruptos do Universo, PTSDB, dos quadrilheiros Luladrão e FHCapone.
    Inclusive são a favor do desarmamento da população de bem deste Páis, e são contra a diminuição da maioridade penal, é só assistir as entrevistas dos quadrilheiros do Partideco,.

  2. Um dos focos, estão nos TC, com a direção de sinistros indicados pelas “raposas” o sinistro Graciosa e mais 4, não nos deixa mentir, foram presos, e até agora nada acontece, com certeza recebem os salários. O que deveria ser: Auditores concursados, com 10 anos de atividade,ficha limpa,e votado pelos Auditores, com um mandato de 2 anos, com uma reeleição. Em caso de corrupção, perda do cargo e de aposentadoria. Como está o caso do Graciosa e demais???, parado, é caso de corrupção?, É!, para os criminosos, vale a pena ser corrupto de crime hediondo, pois, a Lei está “para inglês ver” que campeia no Brasil. Que a partir de 01 de janeiro de 2019, este panorama corrupto acabe, pois, são criminosos hediondos da caneta, que infelicitam milhões. Que Deus nos ajude, a sair desse oceano de lama.

  3. Essa do bandido na cadeia se tornar mais forte e poderoso tem que acabar, nao podemos continuar fortalecendo o crime dentro das cadeiias com as faccoes dominando tudo dentro e fora dos presidios, preso tem que trabalhar , perder todas as regalias, sem visita intima, sem passeios em casa nas datas importantes e sem essa de cumprir uma parte da pena por bom comportamento,, na maioria das vezes acaba cometendo crime pior quando e solto, tem que haver uma regra que eles sintam que acabou a moleza , cometeu o crime vai pagar o preco integral, Nao sou profissional do ramo mas pelo que tenho lido no japao a propria populacao carceraria e tratada com respeito e nao ha regalias, presos tem que respeitar os guardas se nao vao ficar em solitarias por determinado tempo. e se rencidir no problema fica o dobro do tempo na solitaria, persistindo no problema um anos sem ver a cor do outro lado, Se ja existe um sistema funcionando e dando certo vamos aprender com eles. E nao me venham dizer que no Brasil isso nao pode ser implantado nas prisoes porque e conversa fiada

  4. A “autonomia” das polícias, considerando a extinção da Secretaria de Segurança, é vista com bons olhos por setor (delegados federais) que desconhece a complexidade que é a atuação estadual, local, eis que no âmbito federal, a Polícia Federal exerce as funções preventiva e repressiva dos delitos de sua competência – e muito mal.

    O bom exercício da competência do Estado através dos serviços por dever constitucional prestados no âmbito da Segurança Pública passa pela necessidade da revisão e redistribuição das competências para as instituições policiais, reconhecendo, ainda, as guardas municipais (atualmente, tem vício de constitucionalidade pela missão que a CR deu a elas e o que praticam).

    O que vemos hoje é uma sobreposição. Um bate-cabeça. Uma rixa entre os agentes etc.

    E em minha opinião, o mais importante ainda, seria um novo modelo orgânico a nível estadual, com a união das polícias numa única, com autonomia administrativa e financeira como a dada às defensorias públicas.

    • E não vamos nos esquecer da diferença salarial entre um agente da segurança federal (do evento) e os agentes da segurança, civil e militar, a nível dos estados e, ainda, os guardas municipais.
      Enquanto nos EUA agentes dos estados chegam a ganhar mais, aqui a história é outra.

  5. Quando bolei a Democracia Direta com Meritocracia Eleitoral, imaginei que poderíamos constituir uma nova classe política, novo perfil, nova consistência, e nela, à evidência, caberia pessoas com perfis do tipo desse juiz eleito pelo RJ, Sérgio Moro, Dallagnol, Haddad, Flávio Dino…, entre muitos outros e outras de direita, de esquerda e de centro, mas confesso que tenho a sensação de que essas pessoas eleitas pelo sistema político apodrecido que aí está, com prazo de validade vencido há muito tempo, e permanecendo sob a égide do dito-cujo por mais de um mandado consecutivo, tb acabarão contaminados, e tb entrarão para a lista quilométrica dos vencidos pelo sistema apodrecido, que não brinca em serviço e não perdoa nada e ninguém, pelo contrário mata esperanças, reputações e sonhos.

  6. No Brasil temos um problema seríssimo, principalmente nas capitais, onde o próprio bandido, ladrão, para confundir o cenário e despistar a atenção, sai correndo em meio à multidão gritando pega ladrão, pega ladrão, e daí a população fica mais perdida do que cego em tiroteio.

Deixe um comentário para Théo Fernandes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *