Democracia à brasileira, com um ex-presidente que se recusa a deixar o poder e uma presidente que se recusa a exercer o poder.

Carlos Newton

Acho que todos têm curiosidade e gostariam de assistir ou ouvir o próximo diálogo entre o ex-presidente Lula e a atual presidente Dilma Rousseff, a respeito da situação do ministro do Esporte, Orlando Dias, que está exatamente igual ao antigo programa humorístico da Rádio NacionaL: “Balança…, balança…, mas não cai”.

Ontem, em mais um eletrizante capítulo dessa novela político-administrativa, o milionário policial militar João Dias Ferreira compareceu à Polícia Federal em Brasília, para entregar os áudios de uma conversa que teve com funcionários do alto escalão do Ministério do Esporte em abril do ano passado.

Nesse emocionante encontro, Fábio Hansen, então chefe de gabinete da Secretaria de Esporte Educacional (responsável pelo fraudado programa Segundo Tempo), e Charles Rocha, na época chefe de gabinete da Secretaria Executiva do ministério, orientam João Dias sobre como se livrar das acusações de desvio de verbas públicas repassadas pela pasta.

Como se sabe, as ONGs do policial são acusadas de desviar R$ 3,2 milhões do ministério, e João Dias Ferreira, ex-militante do PCdoB, é o delator do esquema de corrupção no Ministério do Esporte envolvendo o ministro Orlando Silva.

(A imprensa o chama de PM, mas é dificil acreditar que um homem que ficou milionário como ele, às custas da corrupção, continue envergando a farda, na ativa. Se continua, deve estar, no mínimo, licenciado. Afinal, não veste farda, não fica de serviço, está sempre à paisana. Que PM é esse, Francelino? Por Zeus, nos responda!)

Pois o tal PM (?) milionário acusa Orlando Silva de desviar recursos do programa Segundo Tempo por meio de ONGs de fachada. Segundo o policial (?), funcionava uma central de propina no ministério, com o fim de arrecadar recursos para o PCdoB.
O tal PM (?) diz ainda ter mantido diversos encontros informais com o ministro do Esporte, seu correligionário, amigo de fé e camarada (como se tratam os filiados ao PCdoB, acreditem se quiser).

Orlando Silva, é claro, solta a voz e nega as acusações, desafiando o policial (?) a apresentar provas. Pois é exatamente isso que João Dias Ferreira vem fazendo, mas a contagotas, devagarinho, submetendo o ministro a uma espécie de tortura chinesa.

Com as novas denúncias, será que o ex-presidente Lula ainda vai insistir, obrigando (a palavra é exatamente esta) a presidente Dilma Rousseff a manter esse ministro trapalhão e corrupto, que desmoraliza os comunistas brasileiros?
O ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, já sinalizou que Orlando Silva será demitido por Dilma Rousseff, ao declarar que a situação ainda não está decidida. Mas e Lula? O que dirá ao ligar ou se encontrar de novo com a presidente?

É uma situação verdadeiramente patética, com um ex-presidente que se recusa a deixar o poder e uma presidente que se recusa a exercer o poder. Parece peça de ficção, mas é a realidade, que jamais na historia deste país nenhum ficcionista  ousaria criar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *