Depoimento do médico Carlos França sobre a realidade do SUS no Rio de Janeiro

Mário Assis

Faz sucesso na internet esse depoimento corajoso do médico Carlos França, endereçado ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e á presidente Dilma Rousseff. O médico trabalha num posto médico em Itaipuaçu, no Município de Maricá, uma importante área de turismo no litoral do Rio de Janeiro.

###

A VERDADE NUA E CRUA

Carlos França

Sr. Padilha e Sra. Dilma, esta é a minha unidade de saúde UBS Itaipuaçu – Maricá-RJ, há 6 anos governada pelo seu partido. É uma casa adaptada com infiltrações e mofo. Quando chove, cai água nas salas de atendimento, o arquivo médico inunda e os prontuários….Falta de tudo, luvas, remédios básicos, mas sobra dedicação para um salário bruto de R$ 1.200,00.

Sabe Padilha/Dilma, não falta médico que queira fazer saúde pública, isto é mais uma das mentiras de sua ditadura da informação, onde o governo se apoia na premissa “UMA MENTIRA REPETIDA MIL VEZES TORNA-SE  VERDADE”. A minha sala de atendimento não possui ventilador, o de teto é apenas enfeite.

O verão de regiões litorâneas beira os 42 graus, a água potável é disponibilizada à temperatura ambiente (Itaipuaçu do seu governo não possui rede de água e esgoto). Já prescrevi as medicações em qq tipo de papel por falta de receituário oficial. Apesar de tudo trabalho e me esforço bastante.

Em Maricá a saúde foi devastada pelo atual governo, o aparelho de RX está quebrado há 1 ano. O ecocardiograma e ultra-som foram roubados (SIC Gestor Público), ECG funciona 1 mês e fica 3-4 meses em manutenção. Há 8 meses temos a debandada de especialistas, devido ao salário irrisório sem benefícios legais (férias, décimoterceiro salário, horas extras, insalubridade etc). Perdemos endócrino, cárdio, reumato, oftalmo, neuro, nefro, pneumo, ortopedista etc.

Então, Padilha/Dilma, a saúde pública que os Srs. querem oferecer à população mais humilde é esta? As suas mentiras não vão conseguir se sustentar por tanto tempo… “Não faltam médicos! Falta governo!”

Sou médico do SUS, não fujo a luta… Mas não faço milagres sem infra-estrutura.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

19 thoughts on “Depoimento do médico Carlos França sobre a realidade do SUS no Rio de Janeiro

  1. “AQUI É UM POUQUINHO MELHOR DO QUE O INFERNO!”

    -Frase dita anos atrás por um médico do Hospital Regional da Ceilândia, cidade da periferia de Brasilia, para um jornalista.
    Duvido que as condições tenham melhorado!

    Abraços.

  2. Eu também trabalho para o SUS, no município do Rio de Janeiro-RJ.

    Aqui a situação está “um pouco” melhor, apenas. Porém faltam médicos das mais diversas especialidades, em inúmeras unidades básicas de saúde, bem como em policlínicas e em hospitais de referência.

    O maior problema do SUS está na incompetência dos seus inúmeros gestores, começando pelo Ministro da Saúde atual.

    Pois os profissionais da saúde que lidam diretamente com os pacientes são verdadeiros guerreiros ou heróis, pelo que realizam em face dos baixíssimos salários e das condições precárias de atendimento, que são REGRA em todo o território nacional, no SUS.

  3. Estava mesmo na hora dos profissionais mostrarem para a população o descalabro deste governo petista. Chegada é a hora de escancarar as pesquisas compradas; os milhôes gastos com propaganda enganosa; as merrecas pagas aos servidores que labutam em locais sem as mínimas condições, enquanto os achacadores de plantão(milhares de CD) e sanguessugas políticos recebem fortunas, apenas para dar suporte a um governo de propaganda.

  4. É bom saber que é só por isso que o diagnóstico padrão para a maioria dos médicos é virose ,que o remédio padrão é dipirona que o trabalhador doente é visto como preguiçoso e mandado ao trabalho (lugar de doente é no trabalho não no hospital),precisamos sim de hospitais melhores e equipados ,que os profissionais da saúde sejam bem remunerados ,mas precisamos também de profissionais da saúde mais humanos .

  5. Ataque terroristas dos médicos Brasileiros.

    Sugiro que, façam fotos e videos, dos seus postos de saúde e hospitais em todo território Brasileiro.

    Para postar em redes sociais, facebook e You Tub para mostrar aos ministro da saude, Lula, Dilma, Mercadante e Ruy Falcão o descaso e provar suas mentiras.

  6. Srs, é vergonhoso é uma safadeza, onde está o povão que não impede esta situação? Vamos povo arregassar as mangas e por um fim nesta sacanagem que todos nós sabemos. Como fazer para tirar esses vagabundos do poder? Mandem alternativas. Anteriormente tinhamos os militares que mal ou ruim tomaram o poder, e agora como fazer? Já está passando do tempo. Foi feito aquela pressão,mas o resultado foi quase nada. Eu particularmente não acredito que o povão tenha firmeza para obrigar esses canalhas a entregarem o poder. Eles se acham no direito de ficarem cozinhando o galo em banho-maria. O negocio agora é andar passeando de avião com autorização. Pode uma canalhice dessas?

  7. Em tempo, o povão só pode fazer alguma coisa com o voto. Isso se já não estiverem comprados. Tenho certeza que o meu voto ainda não. Falam mal dos sujeitos Color,Jader,Sarney, e muitos outros, Genoino e irmão, e em todas eleições os caras estão no poder. Não entendo. Me façam entender essa sinuca de bico.

  8. Pingback: Depoimento do médico Carlos França sobre a realidade do SUS no Rio de Janeiro | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

  9. Só uma perguntinha! Por que não houve tanta revolta e questionamentos antes, tudo tava normal no seu Status Quo? Por que não foram as ruas com revoltas de uma médica que usava com os colegas dedos de silicone para fraudar o ponto biométrico?
    O medo é que cheguem profissionais que pelo menos olhe para a face dos pacientes e tendo prevençao e o mínimo de assistẽncia e orientação no interior, teremos menos dmandas $$$$ nos grandes centros. Somente isso, passeatinhas altamente coorporativas, só i$$o.

  10. Outra coisa, a saúde também é de responsabilidade direta de estados e municípios que recebem repasses! Culpar apenas o governo federal é piada. Cadê os governadores e prefeitos do país.

  11. Será má-fé? Não acredito. Estaria tudo perdido.
    .
    Se avento outras opções posso ser indelicado, politicamente incorreto, etc. Assumo o risco.
    Falta de vontade? Não.

    Escassez de recursos financeiros? Também não. Ainda que não tenha ido atrás de números (uma falsidade gera outra) parece pelo discurso governamental que dinheiro está sobrando.

    IncomPeTência? Ih!

    Corrupção? Hum! Essa então não respeita nada, ambulância remédios, equipamentos…

    Conivência e complacência com o crime? Psiu…

    Saúde (tanto quanto segurança e educação) não são mercadorias, não podem ser entregues ao mercado.

    Perguntar não ofende. Ofende?
    Se o ralo por onde escorre o imenso montante de recursos públicos para municípios e Planos de Saúde fosse tapado, auxiliaria?

  12. Cala a boca, Padilha!
    (A esPerTeza de sempre: fazer de palavras, fatos; e do universo; o inverso)
    .
    Não se há de ser profissional da saúde para perceber o engodo que se esconde por detrás da intenção do Ministro Padilha que sustenta numa mais longa explicação para o Blog do Noblat. Basta ser brasileiro cansado de ser enganado:
    “Os dois anos de treinamento em serviço da Atenção Básica e Urgência-Emergência acontecerão em unidades ligadas às faculdades, o que aproximará cada vez mais a escola formadora da rede de saúde.”
    .
    Escolhi do Ministro o que considerei mais desajeitado para não ser deselegante e falar em cinismo.
    Começa com prognósticos quando deveria apresentar dados, fatos. Fala de “chances”, “praticamente nenhum” e segue resvalando por teses e conjecturas quando o que realmente aflige é que o expresso dever constitucional do Estado do art. 196 “A saúde é direito de todos e dever do Estado,…” de há muito foi criminosamente negligenciado.
    A corrupção na área da saúde pública entregue aos quase seis mil municípios brasileiros – “Ralos de Recursos Públicos e Escolas do Ensino Fundamental da Corrupção” – com a conivência federal não é cálculo de probabilidade, é real.
    A fraude na aquisição de equipamentos e medicamentos; desvios de finalidades; estruturas fétidas e aos pedaços; e gestão entregue a “cabos eleitorais” ou entidades (Fundações e Institutos) que duplicam o desperdício e legalizam o latrocínio é público, certo e sabido. Latrocínio? Sim, roubo seguido de morte, aos milhares, talvez milhões. O terrível não é morrer, é o descaso de uma agonia nas portas e corredores sujos não somente de sangue, mas da insensatez humana.
    Tempo? Mais tempo? Ora Sr. Ministro, o que não se tem é tempo. Por mais, tempo não significa necessariamente aprendizagem, experiência. Principalmente se mantida a situação crítica dos numericamente insuficientes centros e treinamento em termos de recursos de material e pessoal.
    Proposta? Não é sério falar de proposta quando se fere a liberdade de escolha profissional através de espertezas.
    “A proposta não surgiu nos gabinetes… mudanças feitas em países europeus como Inglaterra, Suécia, Portugal e Espanha.”
    – A analogia, Sr., não é um método de demonstração propriamente dito, é todavia um procedimento de ilustração e de verificação secundária que pode ter sua utilidade; todavia, não neste caso de ambientes caracterizados pela diferença.
    Se não existisse SUS? Respondo: o Brasil certamente seria menos corrupto e mais saudável. Se a União onde se pressupõe esteja a parcela mais qualificada do povo não tiver condições, imagine-se o meu e dezenas de milhares de municípios onde o reinado é da indigência física e intelectual?
    Formar médicos generalistas ou especialistas não é a questão. Embora seja irrefutável que a especialização seja a via do progresso científico.
    O que é alarmante na formação do médico é o antigo e sensível desordenamento no oferecimento de oportunidades que influi significativamente na carência de profissionais nas zonas rurais. Não fosse assim, houvesse um mercado ofertante de mão-de-obra e os grandes centros não apresentariam tamanha desproporcionalidade. Quadro que mesmo nestes poucos nichos, grandes capitais já não é tão favorável.
    Não, não se divaga, relata.
    .
    De tudo, o que é mais preocupante é a promiscua conivência e complacência governamental com os tais Planos de Saúde (mais de morte), oásis financeiro de times de futebol.
    .
    Não vou usar o conhecido bordão humorístico que tão bem se aplica e muitos já entoam:
    “Cala a boca, Padilha!”, mais vou sugerir três coisas:
    menos esperteza, mais verdade e seriedade.

  13. …é tudo tão imoral, tão escandaloso, que sinceramente dá vontade de chorar. Ou vomitar? E agora ainda descobriu-se que o nosso excelentíssimo ministro da saude nem médico de verdade deve ser, tudo indica que seu diploma é tão falso como a sua capacidade de gerir o que quer que seja. Temos que voltar ás ruas, temos obrigação de dar um basta nessa vergonha. Sabe a lenda do passarinho com um dedal de água indo e vindo apagar o incendio na floresta? É isso que temos que fazer,cada um fazendo o seu cartaz e indo pra rua. Deus nos ajude.

  14. Estou quase beirando os 80 anos, e nunca em toda esta minha longa vida vi esse pais tão esculhambado moralmente. Só para citar um exemplo de como os politicos tripudiam sobre nós com o maior descaramento exemplifico um fato acontecido esta semana em Curitiba: abriu-se a vaga de Conselheiro do Tribunal de Contas, cargo, aliás, vitalício e de infindáveis mordomias, e entre 40 candidatos de ilibada reputação e notório saber, oriundos de classes dos professores, advogados, etc., sabem quem foi escolhido? O deputado Fábio Camargo, um patife contumaz de menos de 40 anos, com larga ficha de ilicitudes, eleito pelos seus comparsas do parlamento na maior desfaçatez, rindo na cara da galeria que vaiava e apupava o resultado. Eu acho que estes canalhas não estão avaliando bem o clamor das ruas, pelo andar da carruagem, um dia essas manifestações se cansam de ser pacíficas…..

  15. PAULO DARY
    18/07/2013

    Todas as manifestação justa, muito bom ser brasileiro participativa, este PT sem foi muito aguerrido continua aguerrido na roubalheira, corrupção, marketing, do seus maus feitos.
    Divulgam que tiraram 30 milhões de brasileiros da miséria, que bom, mas colocaram cabrestos para guiar no voto de 60 milhões, aí esta o poder deste destes canalhas.
    Vamos acordo brasileiros, a sua cesta básica, bolsa escola, bolsa família, bolsa voto, esta garantida já tornaram direito sociais.
    Não vote em pessoas que você não vê neles com sues pares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *