Depois da OAS e da mesada de R$ 100 mil, surgem novas suspeitas sobre Dias Toffoli

Resultado de imagem para capa da crusoe com toffoliLuiz Vassallo
Estadão

O empreiteiro Marcelo Odebrecht entregou à Polícia Federal um documento em que explica a identidade de alguns codinomes citados em e-mails apreendidos em seu computador. No material enviado à Lava Jato, em Curitiba ele diz que “amigo do amigo do meu pai” refere-se ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O codinome foi citado em um e-mail de 13 de julho de 2007 enviado por Marcelo aos executivos Adriano Maia e Irineu Meireles. À época Toffoli era Advogado-Geral da União (AGU) no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Refere-se a tratativas que Adriano Maia tinha com a AGU sobre temas envolvendo as hidrelétricas do Rio Madeira. “Amigo do amigo de meu pai” se refere a José Antônio Dias Toffoli. A natureza e o conteúdo dessas tratativas, porém, só podem ser devidamente esclarecidos por Adriano Maia, que as conduziu”, diz o documento enviado por Marcelo e revelado pela revista eletrônica “Crusoé”.

Procurado, o ministro não se manifestou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Dias Toffoli faz um esforço enorme para blindar os ministros do Supremo, inclusive ele próprio e a mulher. Já foi citado na denúncia do corruptor ex- presidente da OAS, Leo Pinheiro, no caso da reforma da casa do ministro, e na denúncia da mesada de R$ 100 mil que recebe da mulher, que é também investigada por movimentação financeira atípica, igual à mulher de Gilmar Mendes. Agora, surgem suas relações perigosas com a Odebrecht, ao tempo em que estava na AGU. Realmente, o presidente do Supremo está necessitando de blindagem. (C.N.)

15 thoughts on “Depois da OAS e da mesada de R$ 100 mil, surgem novas suspeitas sobre Dias Toffoli

  1. A prepotência e a soberba entorpecem esses sujeitos nomeados por corruptos e que se acham acima das leis que deveriam defender.

    Toffoli mandou junto com Gilmar Mendes, Alexandre de Morais numa duvidosa interpretação do regimento interno do STF investigar meio Brasil que os criticam principalmente os procuradores da república.

    Esqueceram na sua majestosa cegueira que os procuradores tem mil e um documentos com base em trocentos depoimentos de delatores que não podem mentir nem omitir.

    Agora vemos o terrível contra ataque ao que parece infindável e mortal.

  2. Dias Toffoli é só um agente no aparelho do stf.

    As pessoas estão começando a perceber…

    Mesmo com a falsa imprensa tentando disfarçar…

    As máscaras estão caindo.

    É a revolução!

  3. Certa feita, escrevi na TI dizendo o seguinte:
    “Ninguém vive impunemente as delícias dos extremos”.

    Toffoli, Mendes, que até então viviam no sétimo céu, passam a conhecer o quinto dos infernos!

    Se merecida esta queda, esta decadência profissional e moral não sei. Apenas me reservo o direito como cidadão de apoiar que suas vidas sejam profundamente investigadas.

    Membros da Suprema Corte JAMAIS, em hipótese alguma, poderão ter dúvidas sobre seus comportamentos e máculas quanto à honorabilidade exigida para tão elevada função.

    Logo, se aproveitaram a oportunidade para sair dos trilhos que sejam recolhidos à oficina, e se coloquem outras locomotivas mais novas, fortes e velozes em seus lugares.

  4. Este aí, além de levar pau em concurso, já respondeu a processo. Agora isso. Temos toda reputação ilibada e notório saber que um STF como este precisa, materializada em seus ministros. Está na Constituição, a carta que nos representa como país e como povo. Se Toffoli é o retrato de nossa constituição, já dá para saber bem o que somos e representamos para o resto do mundo. Nosso advogado togado é o retrato de um país se arrasta acéfalo ou cérebro disfuncional, pois não funciona para seu país, seu corpo, mas para avolumar-se de forma desorganizada e incompatível com sua função primordial.

  5. Se fosse lícito não precisava se referir a amigo do amigo de meu pai e sim Ministro da CGU.
    Dias Toffoli é aquele que fez a apuração secreta das urnas que foram fraudadas em 2014.
    Muita coisa ainda têm que vir à tona.

Deixe uma resposta para José T. Filho Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *