Depois de Cunha, os petistas já escolheram um novo alvo

Petistas colocam Temer como a bola da vez

Rodrigo Odilon Dos Anjos

Em meio a toda essa tragédia que esmaga nosso cotidiano, não deixa de ser hilário observar o comportamento desesperado/raivoso dos petistas. O adversário (ou seria melhor dizer inimigo?) número um, FHC, foi escanteado, afinal malhar aquele Judas não mais causava qualquer efeito. O eleito para ocupar o posto foi o inimigo/aliado/safado/suportável etc. etc. Eduardo Cunha, aquele mesmo com quem o governo petista mantinha conversinhas vergonhosas na intimidade das alcovas palacianas, mas com quem trocava insultos em público.

Agora que o canalha parlamentar chutou o balde das negociações espúrias com os outros canalhas, só resta a ele tentar se segurar na própria corda que o enforcará. Seus dias estão contados e ele já não pode fazer muita coisa mais. O estrago que poderia fazer já foi feito e todos sabem disso!

Assim, um novo personagem passa a ocupar o título de inimigo predileto do petismo: a bola da vez chama – se Michel Temer, e a ele todos os impropérios serão dirigidos. Orquestradamente!

Resta saber se a esta altura, com a barragem arrombada, tanta verborragia chavão surtirá algum efeito…

41 thoughts on “Depois de Cunha, os petistas já escolheram um novo alvo

  1. Basta ver o ‘jornali$$mo da Folha de hoje. Era de se esperar, pois há 6 meses um blog chapa branca já cantou a bola.
    Também estão querendo envolver o Prof. Ildo Sauer, que, entre outras coisas, como ele ter contado da ‘consultoria’ da Zé Dirceu para o Eike, deu a seguinte entrevista:

    ” Antonio Pita e Fernanda Nunes
    O Estado de S. Paulo
    Envolvido no processo que investiga a polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, o ex-diretor de Gás e Energia da Petrobrás Ildo Sauer quebrou o silêncio e admitiu ao Broadcast que “o governo de coalizão” do presidente Luiz Inácio Lula da Silva permitia que partidos indicassem dirigentes para obter “ajuda”. Segundo ele, “o folclore” na Petrobrás era que Lula estava impressionado com a contribuição do ex-diretor de abastecimento Paulo Roberto Costa, atualmente preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro.
    O ex-diretor classifica ainda como “piada” o argumento da presidente Dilma Rousseff, que, na época presidia o conselho de administração da estatal, de que aprovou a aquisição de Pasadena com base em um resumo executivo falho. Na entrevista, Sauer afirma que a presidente Dilma se notabiliza por procurar um culpado sempre que aparece um problema e conta que a relação entre a direção da Petrobrás e o governo era tensa.
    O senhor teve acesso ao resumo executivo para compra da refinaria de Pasadena feito por Cerveró?
    O sumário executivo serve como notícia de que há uma pauta. Os membros do conselho e mais ainda o presidente (do órgão) têm acesso a toda documentação. E o estatuto permite a ele pedir qualquer informação adicional à diretoria ou contratar consultoria externa. Ninguém decide com base em resumo. Isso é uma piada.
    A presidente Dilma Rousseff diz que se baseou em um resumo executivo “falho” para aprovar a compra da refinaria.
    Eu conheço a senhora Rousseff há pelo menos 14 anos. Ela se notabiliza por procurar um culpado sempre que aparece um problema. Essa é a competência dela. Ela deve ter visto que havia algum problema e chutou na canela do Nestor (Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional). Como presidente do conselho, ela dizer que o resumo executivo era falho é uma piada. O estatuto diz que é privativa do conselho a decisão sobre aquisição e participações em empresas.
    Como era a relação da presidente com o ex-diretor Nestor Cerveró?
    O diretor é subalterno ao conselheiro. A presidente dizer que era tutelada pelo diretor, que lhe faltou informações completas, é uma inversão completa da lógica. Mas não me surpreende. Por que a conduta histórica dela é essa, muito errática. Quem impediu que a Petrobrás aceitasse o resultado da primeira arbitragem contra a Astra, quando os belgas fizeram a put option, foi o conselho. Isso está nos autos.
    Mas todo o conselho ou só a presidente?
    O presidente do conselho representa o governo dentro da empresa. Os demais conselheiros são eleitos pelos votos do majoritário, o governo, e pelos minoritários. Há um ritual de aceitação da superioridade do governo. Quando há divergência de interesses entre a empresa e a política do governo gera conflito.
    Havia conflitos?
    São notórias as divergências. Primeiro, as minhas com ela quanto à conduta do setor elétrico, que virou esse desastre. Também dela com o Gabrielli (José Sergio Gabrielli, ex-presidente da estatal). O ambiente ficava pesado. Não vou falar dos outros. Havia uma nítida situação de quem representava quem lá dentro. Eu e Estrella tínhamos convicção de que éramos apenas representantes dos interesses da Petrobrás, seus acionistas e da população brasileira. Nenhum interesse estava atrás de nós.
    E dos demais diretores?
    À medida que foram sendo nomeados despachantes de interesses… É uma pequena ironia. Quando fui demitido, diz o folclore que o Lula (ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva) se queixou a um deputado que eu não ajudava e que ele estava muito impressionado com a ajuda de Paulo Roberto, que ajudava muito. Eu não ouvi dele, ouvi de intermediários.
    Como assim despachante de interesses?
    O governo de coalizão do presidente Lula passou a permitir que grupos de parlamentares e partidos se reunissem para indicar dirigentes. Não sei por que eles estavam lá, se é para fazer gestão eficaz não precisa ter apoio de partido. Não me envolvia com isso por que não achava que era pertinente. Acabei demitido por que diziam que eu não ajudava. O que seria ‘ajudar’, até hoje eu não sei.
    Quando esse processo começou?
    O ambiente na Petrobrás começou a ficar envenenado, em primeiro lugar, nessa relação conflituosa com o TCU, na definição clara dos papeis de cada um para evitar a zona de sombra que envolve recursos. Depois, quando o petróleo explodiu de preço, a Petrobrás passou a investir US$ 30 bilhões, 40 bilhões, 50 bilhões por ano. Então ela virou foco de interesse da chamada base de apoio político. Leia-se partidos e políticos. Que passaram cada vez mais a querer indicar dirigentes. O governo de coalizão do Lula aprofundou aquilo que já vinha do governo Fernando Henrique.
    Você percebia essa influencia no dia a dia da empresa?
    Não só sentia como me manifestei publicamente. Em dezembro de 2006 dei uma entrevista e depois recebi uma ligação do então ministro de Minas e Energia (Silas Rondeau) dizendo que o presidente da República tinha ficado injuriado e que teria consequências. Era o período de auge de divergências. Eu disse (na entrevista) que quem criticava minha gestão é quem não entendia o papel do dirigente de uma empresa pública. Aqueles que me criticam, exigindo a venda gás pela metade do custo para fazer uma usina no Ceará, como era a pressão do governo na época, na verdade queriam converter o dirigente num despachante de interesses.

    O que disseram após a entrevista?

    Avisaram que isso não era tolerável. Fiz isso publicamente, pois internamente não tinha mais sentido manifestar a minha convicção. Ouvi da própria Rousseff: ‘O Ildo não é do governo, ele é um petroleiro’. Que lambança é essa? Não tem divergência nenhuma entre defender a Petrobrás, para que funcione como empresa, e ajudar o governo, desde que o governo queira fazer o que precisa ser feito.
    O senhor tinha conhecimento de irregularidades?
    Quando isso acontece, acontece com muita sutileza. O despachante é bom quando faz tudo e nada transparece. Parecia que aquilo de fato era o que precisava ser feito. Examinei Pasadena com todo rigor em termos técnicos e empresariais. Agora se havia alguma coisa escondida… Cabia ao conselho fiscalizar os diretores. Não os diretores olhar com desconfiança os colegas. É evidente que tendo em vista a história anterior dos gestores, tinha que olhar com todo o rigor.
    As indicações políticas influenciaram o negócio de Pasadena?
    Quem pode responder são os próprios gerentes que fizeram as negociações ou uma investigação policial entorno das negociações, e eu sugiro lá fora. Se houve algo de errado, então o Ministério Público e a Polícia Federal tinham que investigar quem fez, e não generalizar.
    Há politização das investigações de Pasadena?
    O que não entendo é por que abrir uma questão sete anos depois do ocorrido? Esse procedimento abre um precedente extremamente grave na gestão de empresas públicas. Nenhum dirigente sério e competente vai querer assumir em um ambiente desse tipo e vão para lá os despachantes de aluguel, os que alugam crachá para fazer qualquer coisa, como aquele que está na cadeia hoje.
    É um desafio diferenciar a sua conduta à do ex-diretor Paulo Roberto Costa?
    Não há nenhuma dificuldade. Quem junta os diferentes em um lugar só é esse relatório do TCU, que não examinou individualmente a responsabilidade de cada um. Eu e o Estrella (Guilherme Estrella, ex-diretor de Exploração e Produção) estamos muito mais distantes do assunto do que o Conselho de Administração (eximido de responsabilidade pelo Tribunal).

  2. Os caras que se julgavam os defensores da ética, hoje mostram o que demais atrasado existe na política. O melhor juiz é o tempo. Pois, com o passar dos anos nos conhecemos o que são as instituições e as pessoas. Hoje este partido (quadrilha) jaz no mais fedido dos esgotos.

  3. O FIM DA CORRUPÇÃO, interessa apenas à banda honesta do conjunto da sociedade. E quantas pessoas honestas existem no conjunto da sociedade ? Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha ? Qual será o sexo dos anjos ? Perder tempo com questões como estas é a mesma coisa que continuar ensacando fumaça e enxugando gelo, ao mesmo tempo em que a banda honesta da população continua sendo obrigada a comer pó de serra e a obrar toras. O fato é que o partidarismo-eleitoral e o golpismo-ditatorial,velhaco$, encontraram pasto fértil na corrupção, e jamais abrirão mão da dita cuja, se não forem compelidos a fazê-lo. Camaleônica,embusteira, oportunista , aventureira e migratória, a dita cuja tb embarcou nas Caravelas de Cabral, deixou os “Velhos do Restelo” falando sozinhos, e se mandou para o Brasil, onde continua dando cartas e jogando de mão, migrando de regime$, modello$ e partido$, até os dias atuais, sendo o impeachment atual apenas mais uma possível transição, 171, camaleônica, à manutenção da dita cuja corrupção, que, por sua vez, tb encontrou a parceria perfeita no partidarismo-eleitoral e no golpismo-ditatoral, velhaco$, de modo que a dita cuja tb não abrirá mãos dos ditos cujos sem que as suas mãos, braços , pernas e cabeças sejam radicalmente cortados. Por quê Democracia Direta e Meritocracia Eleitoral são temas proibidos na mídia luso-tupiniquim, na qual não tem espaço, nenhum ?

    • “ Por mais irracional e imoral que seja uma ação, o homem sente um impulso insuperável de racionalizá-la, isto é, de demonstrar a si mesmo e aos demais que a sua ação foi determinada pela razão, pelo consenso comum, ou, pelo menos, pela moralidade convencional. Não tem dificuldade de agir irracionalmente, mas é quase impossível a ele não dar à sua ação a aparência de uma motivação razoável” ( Erich Fromm – Psicanálise da Sociedade Contemporânea ).

  4. Fernando Henrique não foi escanteado não, ele continua a todo vapor na ribalta, tenta o impeachment ele e sua turma, para esconder por que ao invés de investigar a denuncia de Paulo Francis resolveu processa-lo, era assim que se punha em baixo dos tapetes a sujeira dos tucanos.Mesmo a turma da pf, da procuradoria e alguns “meretissimos”, que tentam tirar Fernando Henrique da condição de maior corrupto que passou pela presidencia, hoje com a delação do Cerveró o seu governo foi premiado com a genese da grande corrupção, não so da Petrobras como em TODOS os setores do governo, dai se explica porque o Brasil caiu da 9ª posição que ocupava na economia mundial para a vergonhosa posição de 16º lugar.

  5. PREFIRO O QUANTO MELHOR, MELHOR !

    Feliz, ou infelizmente, nasci com o DNA avesso à prática do “quanto pior, melhor”, que não desejo a mim e nem a ninguém, a qual, definitivamente, não é a minha praia e nem faz a minha cabeça, assim como não a desejo nem mesmo para os possíveis piores inimigos, ocultos ou ostensivos, até face ao risco de se lhes acontecer o pior ser obrigado a carregá-los nas costas e, assim, aumentar ainda mais a minha carga que já é barra pesada, de modo que, portanto, aos que estão indo bem, conseguindo pelo menos cuidar bem das suas respectivas famílias, ótimo, parabéns, sigam em frente , com o nosso voto de Deus os continue abençoando ricamente.

    Todavia, na seara do partidarismo-eleitoral e do golpismo-ditatorial, velhacos, enquanto carro-chefe do conjunto da sociedade, ao que parece, a prática do “ quanto pior, melhor”, afeiçoa-se a uma constante, e até por isso, sob a batuta dos mesmos, a famigerada Lei de Murphy faz a festa, torna-se implacável. Seara essa na qual não adianta orar e nem rezar porque quanto mais se faz isso mais assombrações aparecem, e daí a coisa vai ficando cada vez mais feia de modo que, realmente, quem não é filho de Deus vai ficando cada vez mais nas unhas de capetas, como já cantou a bola o saudoso Tião Carreiro, há muito tempo.

    Mas e a Sua Majestade o Voto, tão cantada em verso e em prosa nessa área, não apita nada, não pode mudar esse estado de coisas e “ coisos” ? Como diriam os nossos populares, Filó, e Zéca da Capitinga, ó coitado, do Rei Voto, ficou doente, morreu, contaminado pelo virus da corrupção, de modo que ressuscitá-lo como solução só por milagre.

    Aliás, por lembrar Tião Carreiro, o rústico e sistemático, moda de viola, lembro-me também de diapasão, toada, cantoria, e daí me vem à lembrança pelo menos excertos de muitas músicas do cancioneiro nacional e internacional, que entram pelas minhas parabólicas desde a mais tenra idade, e que se batidas num mesmo liquidificador, misturadas com pitadas de discernimento, honestidade, boa vontade, cooperação e determinação, daria a mais linda Revolução que o mundo jamais ousou fazê-la, ou seja, uma Revolução por músicas dos poetas que expressaram e expressam o são sentimento da população, e que revelam que a vontade de mudar o mundo, para melhor, felizmente, também é infinita, imortal, não tem idade e nem prazo de validade, como vimos na garotada que ocupou as escolas em São Paulo, falando em luta, Democracia Direta, e cantando “…se a gente se unir a nossa vida vai melhorar…”.

    A bem da verdade, são muitas as músicas que nos pedem, há muito tempo, que façamos uma Revolução de grande magnitude e proporção, à altura das mesmas, no sentido do quanto melhor, melhor, para todos, em contraponto ao “ quanto pior, melhor” que, se beneficia alguns prejudica a quase todos. E com o nosso Brasilzão atirado no fundo do poço, pelo partidarismo-eleitoral e o golpismo-ditatorial, velhacos, não existe momento melhor para emergirmos do fundo do poço do ” quanto pior, melhor”, com a pedra angular nele garimpada capaz de nos conduzir ao estado de espírito do quanto melhor, melhor.

    E por aí, cheguei a a conclusão de que, na verdade, verdadeira, para acertar o passo, o nosso Brasilzão está precisando, urgentemente, de desprendimento e grandeza de espírito, principalmente por parte, exatamente, do partidarismo-eleitoral e do golpismo-ditatorial, velhaco$, que implica na rendição incondicional dos mesmo$ ao Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, artigo este que elle$ não têm e nunca tiveram para oferecer à população, tal seja o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, daí a bateção de cabeças e lavação de roupas sujas dos mesmos. E a RPL-PNBC-DD-ME lhes dará em troca o perdão, assim como fora concedido à avalanche de crimes praticados pela famigerada ditadura civil-militar durante 21 anos, como condição sine qua non para acabarmos com a herança maldita, terrível, que é a guerra tribal primitiva permanente por poder, dinheiro, vantagens e privilégios, sem limite$, protagonizada pela situação e oposição, que vive do nefasto ” quanto pior, melhor”, que levou o país ao desastre que aí está após 126 anos de embates histérico$ e estérei$ entre os mesmo$. Portanto, eis a nossa proposta: trocarmos a guerra tribal primitiva permanente, pela paz, amor, perdão, conciliação, união e mobilização pela Mega-Solução. É isso aí, tenho dito, a proposta está feita. É pegar, ou pegar, “alea jacta est”. E daí, oposição e situação, vamos conversar já, antes que seja tarde demais, ou vocês preferem continuar fugindo da verdade dos fatos igual o diabo foge da cruz ?

    • Pior do que a corja de assaltantes que assumiu o poder ? Nunca antes na história desse pais, teve um senador, líder do governo, preso no exercício do cargo !

      Parabéns ao PT, que se orgulha em chafurdar…

    • Primeiro que o Cunha não prendeu ninguém porque ele não é polícia. Segundo que o Cunha seguindo a Constituição aceitou o pedido de impeachment contra a Presidente. Então, o portador de Dilma-Louca mais uma vez confundiu tudo.

    • Mais uma vez a ‘verdade de Goebbels’ querendo colocar a culpa no Cunha. O Cunha apenas cumpriu um ato de ofício de aceitar ou não o pedido. Ele não julgou nada, apenas cumpriu um ato de ofício.
      O pedido foi encabeçado pelo Dr. Hélio Bicudo, ex fundador do PT a quem conheço e tem reputação ilibada.

      Vejam o que o Dr. Bicudo acha do Napoleão de São Bernardo…

      https://www.youtube.com/watch?v=Hgtitv1BR5s

  6. Dos Anjos (que pelo nome não se perca), petistas e pemdebistas se merecem. Temer que como Lula fazem parte dos confiáveis da Ditadura se conhecem bem. FHC também é dessa turma. Nunca foi cassado e nem asilado, auto asilou-se. Agora está aparecendo que Delcídio levou de propina quando estava na Petrobrás no governo FHC 45 milhões . Pergunto: Esse dinheiro ficou só com ele? Com quem dividiu? Foi quanto para as contas do PSDB? Qual a relação de Delcídioi com o genro de FHC que foi presidente da Petrobrás? Nós cidadãos brasileiros temos o direito de fazer essas perguntas. Uns mais outros menos dos dois partidos, estão todos enlameados. Vocês dão sorte porque no PT tem muita gente burra que nãe sabe se defender. E os 10 milhões que o presidente Guerra levou em 2009 para abafar a CPI da Petrobrás? Dos Anjos vai com os Anjos.

  7. É cômico ver o pessoal da boquinha querer colocar o Cunha como centro da Lava Jato. A PF já demosntrou por A + B, que houve desvios superiores a R$ 40 bilhões na Petrobras. Só o Barusco devolveu U$ 100 milhões ! A prova maior que o Cunha é uma peça mal cheirosa dentro do esgoto é que ele não está sendo indiciados por formação de quadrilha ou bando, como o nobre senador petista e o Pedro Caroço, vulgo Zé Dirceu. Mas a tática dos fascistas é martelar uma ” verdade ” mil vezes para tentar ver se cola, mas uma “verdade”repetidamil vezes apenas se torna em uma mentira maior, como pode ser visto pelos presídios.

  8. Já tem um canalha do exercito Brancaleone dos fascistas da internet invadindo o meu roteador. Já há 3 denuncias na delegacia de defraudações cibernéticas, sobre esse IP de um capacho, lambe botas de um prefeitinho petista. Os relatórios de segurança dos anti virus são provas e a internet não é anônima, cada vez que se entra em um site, se deixa o IP, que é mais rastreavel que o lamaçal petista.

    • Os fascistóides da censura petista não estão deixando acessar o minha assinatura do Estadão, talvez para que eu não comente a matéria abaixo , talvez por que a Oi/Portugal / Telecom / Camecorp / Sérgio Andrade / OngOing / Franklin Martins tenha tudo a ver….

      http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,tcu-ve-indicios-de-irregularidades-em-acordo-entre-anatel-e-oi,10000004431

      Marcelo Bechara é conselheiro da Anatel, a Agência Nacional de Telecomunicações. Chegou ao posto por indicação do PMDB. No dia 6 de agosto, recebeu um telefonema do deputado Vicente Cândido, do PT de São Paulo. Convidado, foi ao gabinete do parlamentar, na Câmara. Conversaram sobre um problema que envolve a Oi. Um problema bilionário: a empresa de telefonia acumula na Anatel multas de mais de R$ 10 bilhões.
      Em reportagem veiculada por Veja, o repórter Rodrigo Rangel conta que o deputado disse ao conselheiro que Lula está muito preocupado com o futuro da Oi. Mencionou providências que a empresa considera adequadas para resolver a encrenca das multas. Lero vai, lero vem, Cândido empunhou a caneta e anotou numa folha de papel: “honorários?” Queria saber quanto Bechara gostaria de receber para dar uma mãozinha à Oi na Anatel. Em português das ruas: o deputado ofereceu propina ao conselheiro.
      Preocupado, Bechara relatou o ocorrido a amigos. Disse ter refugado a oferta de Cândido. Até concordava com as ponderações e providências sugeridas. Mas não queria dinheiro. Procurado pelo repórter, o conselheiro da Anatel declarou: “Eu reagi com estranheza à abordagem do deputado. Preferi fingir que não entendi.” Curiosamente, Bechara voltaria a se reunir com o deputado na semana seguinte, no último dia 12 de agosto. De novo, no gabinete da Câmara.
      Dessa vez, Cândido entregou a Bechara um envelope contendo documento redigido em papel timbrado da Jereissati Participações, acionista da Oi. O texto enumera as pretensões da telefônica junto à Anatel. Num dos itens, lê-se que a companhia gostaria de obter o “imediato cancelamento de 80% das multas” aplicadas pela agênca reguladora.
      Noutro item, o documento repassado por Cândido a Bechara reivindica alteração “urgente” da norma que obriga as telefônicas a manter quatro telefones públicos para cada grupo de 1.000 pessoas nas regiões onde operam. Quer dizer: o conselheiro de uma agência cuja atribuição constitucional é zelar pelos interesses do usuário de telefones recebeu de um deputado do PT pedido para agir contra a clientela.
      Em relação à multa, trava-se na Anatel um debate que pode resultar no atendimento das pretensões da Oi. Discute-se a conversão de parte das multas em investimentos na melhoria dos serviços prestados pelas emrpesas multadas. No caso da Oi, o passivo de R$ 10 bilhões pode minguar para R$ 3 bilhões. É nisso que estão interessados o deputado Cândido e seus amigos.
      No mesmo dia 12 de agosto em entregou o envelope ao conselheiro Bechara, o parlamentar petista encontrou-se com Lula no setor de hangares do aeroporto de Brasília. Um dos controladores da Oi, o empresário Sérgio Andrade, é amigo de Lula. Porém, o deputado Cândido nega que tenha tratado das pendências da empresa na conversa com o ex-presidente
      E quanto à proposta de pagamento ao conselheiro Bechara? Cândido admitiu ter falado de dinheiro. “Eu queria saber se ele tinha honorários”, disse, candidamente. Por que guerreia pela Oi? O deputado alega que sócios da empresa são seus amigos. Jura que não há honorários na transação. Mas reconhece que recebe doações de campanha.
      Por que diabos citou Lula no encontro com o conselheiro Bechara? “O que eu falei foi que o presidente Lula está preocupado com a empresa”, limitou-se a responder o deputado Cândido. Ele esteve também com o ministro Luís Inácio Adams, chefe da Advocacia-Geral da União –uma repartição que executa judicialmente uma dívida de R$ 2,5 bilhões da Oi. Cândido pediu que a União pare de exigir depósitos em dinheiro como garantia de que vai pagar a dívida após o julgamento do processo. O advogado da União disse que estudaria a pretensão.

  9. TRIO PEGADA DURA: Estadão, Folha de S.Paulo e O Globo

    Grandes jornais passaram uns dez dias fomentando intriga entre a presidente Dilma Rousseff e seu vice Michel Temer, que ao contrário de se consumar foi refutada, como colo abaixo. Não satisfeitos, se lançam agora em novo factoide, sem quaisquer fundamentos às suas notícias. Ao pautarem temas assim, evitam outros debates pelo país. http://www.redesul.com.br/noticias/show/noticia/45446-temer-ameaca-romper-com-pt-se-governo-insistir-em-picciani,-dizem-jornais

    ‘Eu e o vice-presidente Michel Temer decidimos que teremos uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucional, sempre considerando os maiores interesses do País’ (Dilma Rousseff) ‘Combinamos, eu e a presidente Dilma, de manter uma relação pessoal e institucional que seja a mais fértil possível’ (Michel Temer). Especulações e factoides divisionistas à parte, portanto, está claro que perde tempo quem aposta no agravamento da crise com essa cisão.

    O país desperta para a importância da Constituição, cartadas nem quarteladas poderão interromper o curso natural das coisas como postei uns dias antes em meu face. Escrevi ainda que o vazamento da Carta poderia ser estopim para uma crise institucional, advertindo a necessidade de aquietar os ânimos. A conversa entre a presidente Dilma Rousseff e o vice Temer reiterou a importância da estabilidade institucional do país, projetada a partir da coesão deles. Apostar na superação desse impasse não significa mera torcida política, ao contrário, é prezar pelo bom funcionamento da democracia e de suas instituições. Não foram eleitos pra guerrear e torcer pelo melhor é exercitar adequadamente a cidadania. http://www.otempo.com.br/capa/pol%C3%ADtica/ap%C3%B3s-carta-dilma-e-temer-marcam-reuni%C3%A3o-para-esta-quarta-feira-1.1187090

    SOBRE A CARTA: 1. A presidente Dilma Rousseff decidiu não comentar a carta de Michel Temer, recomendando ‘reserva e silêncio’; 2. O objetivo é não colher desgaste ainda maior na relação com seu vice que é também presidente do PMDB, legenda cujo apoio é fundamental no Congresso; 3. Articuladores do governo estranham o tom da carta e segundo apurou o serviço de notícias da Agência Estado há no texto declarações de estilo não costumeiro de Temer; 4. Desconfia-se ainda que pressão do presidente da Câmara dos Deputados, deputado Eduardo Cunha (também PMDB), tenha motivado a carta do vice; 5. Há questões mais importantes ocorrendo nos bastidores ou em campo aberto, que merecem maior atenção de todos. http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,planalto-estranha-tom-jihadista-da-carta-de-temer,10000004201

    CONTRA CUNHA – O deputado Marcos Rogério (PDT-RO), novo relator do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, deve se posicionar a favor da continuidade do processo contra o deputado Eduardo Cunha. Assim, se mantém coerente com deliberação do PDT Nacional e sua bancada que também já fecharam questão neste sentido. http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/nacional/conselho-de-etica-da-camara-pedira-afastamento-de-cunha-1.1451687

  10. Apesar de saber que estou sendo repetitivo em meus comentários com relação ao Estado Tirânico Petista, a verdade é que diariamente os adjetivos pejorativos que desqualificam os petistas precisam ser publicados à exaustão.

    O PT é um bando de criminosos, sim!

    Um grupelho que tomou de assalto o Brasil e não vai largá-lo sem lutar de todas as formas lícitas e ilícitas para mantê-lo sob seu comando, que significam roubos, corrupção, desonestidades, imoralidades e falta de ética absoluta.
    Desde que assumiu o poder, os bandidos tiveram como alvo FHC. Não sossegaram um minuto, acusando o tucano da qualquer problema que o marginal Lula, o inconsequente, o delator, não resolvesse.

    E avançaram no governo de Dilma batendo nas mesmas teclas contra o PSDB.

    Apesar de na maioria dos casos a razão lhes pertencer, pois FHC e seu partido deixaram muitos pecados e graves para trás, a intenção era a imagem do PT, pouco se importando se exageravam nessas críticas, que foram sendo desconsideradas com o tempo.

    O acusado do momento é Cunha.

    Não é a Dilma, indigna, desonrada, imoral, mentirosa, enganadora, manipuladora, desonesta, o alvo é Cunha e seus 5 milhões inexplicáveis.
    Também existem motivos para exigir a queda do presidente da Câmara, é verdade, mas do mesmo jeito que blindaram Lula, o trabalho agora é com a presidente, tanto faz se perniciosa e danosa com o povo e Brasil, Cunha é o perigo real e imediato.

    Para o País?
    Claro que não, para o Estado Tirânico Petista e sua sacerdotisa, Dilma Rousseff.

    Diante da possibilidade de impeachment, os criminosos já sabem que a próxima vítima será o impedimento de Temer, e não pouparão esforços para minar o governo tampão do PMDB, de modo que exista uma tênue esperança para Lula em 2018, alegando que somente o ex-presidente tem condições de nos tirar dos impasses econômico, político e social.

    Nesse meio tempo ou considerando os 14 anos do bando no poder, ELES, os petistas, JAMAIS TRABALHARAM!
    Vivem do produto de seus crimes, dos roubos, dos assaltos, das explorações contra o povo, das chantagens entre eles mesmos, das agiotagens e, atualmente, de impedirem que a Dilma seja destituída, pois quem a suceder terá muito trabalho pela frente, tanto para reerguer o Brasil quanto para se livrar do bando que somente visa o poder e evitar a qualquer custo que alguém possa desenvolver o País.

    O comportamento marginal no Congresso esta semana, os berros, as agressões, as acusações, os dedos em riste, o espetáculo deprimente de Maria do Rosário no meio de homens querendo agredir companheiros (fotos da ZH e de capa, mostram muito bem quem é a parlamentar do PT/RS, desgraçadamente), comprovam que lidamos com um grupelho de marginais, que não serão impedidos de dar sequência aos crimes e impunidade que gozam pela condição de ser o bando de Dilma, travestido em agremiação política, salvo …

    Teremos dias de muita tormenta pela frente.

  11. Declaração de que já aprendeu com a própria experiência…

    No animado jantar dos senadores realizado na casa do peemedebista Eunício Oliveira (CE), 12 senadores de vários estados se reuniram numa mesma mesa.

    Em dada altura, Aécio Neves (PSDB-MG) perguntou a Fernando Collor (PTB-AL), segundo relato de um dos observadores:

    — Collor, em que momento você percebeu que tinha perdido o controle do governo e a situação era irreversível?

    — Quando eu tive de demitir o Bernardo e a Zélia. Ali eu vi que não tinha mais o controle do governo.

    O tucano insistiu, trazendo a análise para a situação de Dilma Rousseff:

    — E você acha que ela se recupera?

    Collor deu um gole em seu gim tônica e vaticinou:

    — Já foi. Não se recupera mais. Agora a rua será implacável.

  12. Amigo Aquino, o então genro de FHC, David Zylbertajn, foi diretor da entidade reguladora do setor de petróleo no Brasil, que é a Agência Nacional do Petróleo, num claro caso de nepotismo. Além disso, o FHC salvou, por meio do dinheiro público do PROER, o banco da então esposa do seu filho, Paulo Henrique Cardoso, e mãe de suas netas, filha do Magalhães Pinto. Além disso, também houve o escândalo da Feira de Hannover (R$ 14 milhões na época), no qual o filho do FHC contratou a empresa da filha do Bornhausen para organizar o pavilhão brasileiro na Feira de Hannover em 2000.

    Faço minhas as palavras do Fernando Brito: “A lembrança dessa estrepolia da família Cardoso seria particularmente bem-vinda neste domingo, em que FHC se dá ares de torquemada da ética alheia. Uma espiada no próprio rabo é um gesto sempre aconselhável antes de sair de casa.”

    http://tijolaco.com.br/blog/a-vinganca-de-eremildo-o-idiota/;

    Sobre as estripulias do filho de FHC:

    http://www.terra.com.br/istoegente/35/reportagens/rep_phc.htm

    Isso sem falar na propina de US$ 10 milhões que o Delcídio Amaral, segundo a delação premiada do Cerveró, recebeu da ALSTOM quando era Diretor da Petrobrás no Governo FHC. A mesma ALSTOM da corrupção do metrô de SP governado há 20 anos pelo PSDB. Além disso ainda há a corrupção da privatização (Daniel Dantas e cia), SIVAM, pasta rosa, Mensalão MG Eduardo Azeredo e muito mais. O PT tem um companheiro à altura na corrupção, que é o PSDB. É a festa da corrupção.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/12/1716634-delcidio-recebeu-us-10-milhoes-de-propina-da-alstom-diz-cervero.shtml

  13. Tijolaço, o terceiro blog que mais recebe verbas federais, por visita.
    Terra, comprado pela OngOin/Portugal Telecom. O Franklin Martins foi assessorar a Ongoing e seu primeiro rpjeto foi tentar fundir o Terra com o IG, a Lava Jato não deixou. Poré, no IG estão o jornalista EBC Nassif e a Kenidy Alencar, que tem dois irmãos donos de uma gráfica fantasma , conforme apurou a Lava Jato…. Partes da Rede Goebbels de Comunicação Petista,

  14. s fascistóides da censura petista não estão deixando acessar o minha assinatura do Estadão, talvez para que eu não comente a matéria abaixo , talvez por que a Oi/Portugal / Telecom / Camecorp / Sérgio Andrade / OngOing / Franklin Martins tenha tudo a ver….

    http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,tcu-ve-indicios-de-irregularidades-em-acordo-entre-anatel-e-oi,10000004431

    Marcelo Bechara é conselheiro da Anatel, a Agência Nacional de Telecomunicações. Chegou ao posto por indicação do PMDB. No dia 6 de agosto, recebeu um telefonema do deputado Vicente Cândido, do PT de São Paulo. Convidado, foi ao gabinete do parlamentar, na Câmara. Conversaram sobre um problema que envolve a Oi. Um problema bilionário: a empresa de telefonia acumula na Anatel multas de mais de R$ 10 bilhões.
    Em reportagem veiculada por Veja, o repórter Rodrigo Rangel conta que o deputado disse ao conselheiro que Lula está muito preocupado com o futuro da Oi. Mencionou providências que a empresa considera adequadas para resolver a encrenca das multas. Lero vai, lero vem, Cândido empunhou a caneta e anotou numa folha de papel: “honorários?” Queria saber quanto Bechara gostaria de receber para dar uma mãozinha à Oi na Anatel. Em português das ruas: o deputado ofereceu propina ao conselheiro.
    Preocupado, Bechara relatou o ocorrido a amigos. Disse ter refugado a oferta de Cândido. Até concordava com as ponderações e providências sugeridas. Mas não queria dinheiro. Procurado pelo repórter, o conselheiro da Anatel declarou: “Eu reagi com estranheza à abordagem do deputado. Preferi fingir que não entendi.” Curiosamente, Bechara voltaria a se reunir com o deputado na semana seguinte, no último dia 12 de agosto. De novo, no gabinete da Câmara.
    Dessa vez, Cândido entregou a Bechara um envelope contendo documento redigido em papel timbrado da Jereissati Participações, acionista da Oi. O texto enumera as pretensões da telefônica junto à Anatel. Num dos itens, lê-se que a companhia gostaria de obter o “imediato cancelamento de 80% das multas” aplicadas pela agênca reguladora.
    Noutro item, o documento repassado por Cândido a Bechara reivindica alteração “urgente” da norma que obriga as telefônicas a manter quatro telefones públicos para cada grupo de 1.000 pessoas nas regiões onde operam. Quer dizer: o conselheiro de uma agência cuja atribuição constitucional é zelar pelos interesses do usuário de telefones recebeu de um deputado do PT pedido para agir contra a clientela.
    Em relação à multa, trava-se na Anatel um debate que pode resultar no atendimento das pretensões da Oi. Discute-se a conversão de parte das multas em investimentos na melhoria dos serviços prestados pelas emrpesas multadas. No caso da Oi, o passivo de R$ 10 bilhões pode minguar para R$ 3 bilhões. É nisso que estão interessados o deputado Cândido e seus amigos.
    No mesmo dia 12 de agosto em entregou o envelope ao conselheiro Bechara, o parlamentar petista encontrou-se com Lula no setor de hangares do aeroporto de Brasília. Um dos controladores da Oi, o empresário Sérgio Andrade, é amigo de Lula. Porém, o deputado Cândido nega que tenha tratado das pendências da empresa na conversa com o ex-presidente
    E quanto à proposta de pagamento ao conselheiro Bechara? Cândido admitiu ter falado de dinheiro. “Eu queria saber se ele tinha honorários”, disse, candidamente. Por que guerreia pela Oi? O deputado alega que sócios da empresa são seus amigos. Jura que não há honorários na transação. Mas reconhece que recebe doações de campanha.
    Por que diabos citou Lula no encontro com o conselheiro Bechara? “O que eu falei foi que o presidente Lula está preocupado com a empresa”, limitou-se a responder o deputado Cândido. Ele esteve também com o ministro Luís Inácio Adams, chefe da Advocacia-Geral da União –uma repartição que executa judicialmente uma dívida de R$ 2,5 bilhões da Oi. Cândido pediu que a União pare de exigir depósitos em dinheiro como garantia de que vai pagar a dívida após o julgamento do processo. O advogado da União disse que estudaria a pretensão.

  15. Aí concordo com você. Deviam ter feito a mesma coisa que o Jânio Quadros fez com o JK, investigar toda a corrupção. Jânio se preocupou mito mais em investigar a corrupção de JK do que em governar o país. Toda a corrupção da construção de Brasília, Sebastião Paes de Almeida e cia. Os militares depois fizeram a mesma coisa com JK que tinha apoiado o golpe e foi cassado por Castelo Branco em 8/6/64. Resultado: JK acabou sentado num tamborete de madeira esperando ser ouvido num IPM, e acabou indo para Paris onde, segundo Josué Montello, pensou em suicídio.

  16. IMPEACHMENT É BRAVATA DE GRUPOS, SE PASSAR INSTAURA O CAOS POLÍTICO

    Se inovar com o ‘impeachment das pedaladas’ contra o mandato da presidente Dilma Rousseff em ato contínuo o Poder Legislativo deverá repetir a dose sobre Michel Temer. O presidente será um Eduardo Cunha e no embalo da confusão gerada vários governadores e centenas de prefeitos entram na fita, por meras motivações políticas. Não dá.

    A presidente Dilma Rousseff deve se encontrar com Ciro Gomes, para conversa que segundo foi noticiado é incentivada pelo governador Luiz Fernando Pezão (RJ-PMDB), atento nas contundentes posições de Ciro e do PDT Nacional diante da conjuntura brasileira. http://poderonline.ig.com.br/index.php/2015/12/10/dilma-chama-ciro-gomes-para-ajudar-na-estrategia-contra-impeachment/

    Que as influências de aliados críticos minimizem os efeitos da crise, já que em geral a oposição só piora. O programa de TV do Partidão foi de rotundas verdades. Os líderes da oposição bem que deviam se orientar neles, o nível do embate das idéias melhoraria muito e o governo também. Falta crítica construtiva ao país.

    ASPAS – Cada caso um processo, as coisas são diferentes do que comentam ou publicam. É imperioso adentrar nos fatos para sustentar essas ‘teses’ da ‘judicialização da política’ ou ‘politização da Justiça’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *