Depois de “inocentar” Lula e Esteves, procurador também decidiu blindar Mantega

ivanmarx

Marx é uma espécie de Gilmar do Ministério Público

Carlos Newton

Como nos contos de William Saroyan, o procurador federal Ivan Cláudio Marx faz a linha do jovem audaz no trapézio volante. Em julho de 2016, quando estava transcorrendo no Congresso o impeachment de Dilma Rousseff, o representante do Ministério Público surpreendeu a nação ao apresentar um parecer afirmando não ter havido crime de responsabilidade nas famosas “pedaladas” da equipe econômica do governo Dilma Rousseff, que maquiava as contas públicas para melhorar artificialmente seu desempenho.

Na ocasião, o jovem Marx alegou que as manobras não se enquadravam no conceito legal de operação de crédito ou empréstimo. Por isso, em seu entendimento, não seria necessário pedir autorização ao Congresso, não havia pedaladas nem crimes.

MERA COINCIDÊNCIA – Esses argumentos do procurador da República foram saudados pelos petistas, que fizeram um festival no Senado. Por mera coincidência, é claro, suas alegações eram semelhantes às justificativas apresentadas pela defesa de Dilma, conduzida por José Eduardo Cardozo, então chefe da Advocacia-Geral da União. No despacho, Marx concluiu que houve inadimplência contratual, ou seja, o governo não fez os pagamentos nas datas pactuadas, descumprindo os contratos com os bancos. Mas pontuou que, em alguns casos, os atrasos nos repasses tinham previsão legal e as autoridades não demonstraram intenção de fazer empréstimos ilegais.

Ao atrasar os repasses aos bancos, o governo Dilma adiava despesas e, com isso, deixava de registrar esses passivos na dívida líquida do setor público. E até Marx reconhecia que essa prática configurava, no mínimo, improbidade administrativa.

LULA INOCENTE – Mais de um ano depois, nesta sexta-feira (dia 1º) Marx surpreende novamente a nação ao pedir a absolvição do ex-presidente Lula da Silva e do banqueiro André Esteves (BTG Pactual) da denúncia de obstrução à Justiça, no caso da compra do silêncio de Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, segundo a delação do ex-senador petista Delcídio Amaral, ex-líder do governo, que foi gravado por Bernardo, um dos filhos de Cerveró.

No parecer do procurador da República, o silêncio do ex-diretor da Petrobras não foi encomendado e interessava apenas a Delcídio, sem haver participação de Lula e de André Esteves.

“Delcídio estava agindo apenas em interesse próprio. E Cerveró estava sonegando informações no que se refere a Delcídio, e não sobre Lula, a quem inclusive imputava fatos falsos, no intuito de proteger Delcídio”, diz o relatório de Marx.

MANTEGA BLINDADO – Logo em seguida, outra notícia-bomba surge na mídia envolvendo o procurador federal, que acaba de acertar um acordo com a defesa do ex-ministro Guido Mantega, acusado na Operação Bullish, que envolve a JBS e em outras investigações da Lava Jato. O acordo é uma inovação, muito melhor do que uma delação premiada. A defesa do ex-ministro propôs que ele esclareça alguns fatos investigados e colabore com as investigações. Em troca, Mantega não será alvo de um pedido de prisão preventiva e de bloqueio de bens. O procurador Marx prontamente aceitou as restrições e mandou o acordo para homologação na 10ª Vara Federal de Brasília.

No início, a Tribuna da Internet julgou que se tratava de mais uma Piada do Ano, mas infelizmente a coisa é para valer, porque o jovem procurador Marx é uma revelação e se lança no trapézio volante como uma espécie de Gilmar Mendes do Ministério Público, para transformar a Justiça na ciência de torturar os fatos até que eles confessem o fim que se pretende.

###
P.S. –
Na condição de Piada do Ano, nessa safra de Marx, só restou a parte que sobrou para o empresário José Carlos Bumlai e seu filho Maurício. O procurador inocentou Lula e o banqueiro Esteves, mas fez questão de pedir a condenação da famiglia Bumlai por obstrução da Justiça, embora ninguém saiba explicar que ligação os Bumlai tinham com Delcídio. Desse jeito, nem Freud conseguiria explicar. Teria de pedir ajuda a Jung e a Lacan. (C.N.)

10 thoughts on “Depois de “inocentar” Lula e Esteves, procurador também decidiu blindar Mantega

  1. Este procurador está fazendo a merda certa: está procurando seus 15 min de fama – a la fufuca -, mas só vai encontrar sarna pra se coçar. Como se dizia na Bahia.

  2. É evidente que atualmente não há dúvidas que setores da justiça brasileira agem em conluio com o estabelechiment político empresarial nacional, que por sua vez tem fortes laços com os interesses estrangeiros.

    Nesse contexto, toda interferência que colocar em risco a configuração de poder atual, conquistada com muita traição e corrupção, será juridicamente e politicamente abafada.

    Se houver alguma mudança na configuração de poder, será para deixar tudo como está: executivo, alinhado com legislativo e apoiado pelo judiciário, todos de braços dados com os interesses estrangeiros. Uma grande oportunidade para acumular ainda mais riquezas, com a pauperização do povão brasileiro.

    Então, enquanto Temer for útil para o complexo político empresarial e estrangeiro, todo risco jurídico contra Temer será estancado. Temer vai ate 2018 e ainda deve ganhar uma boa anistia pelos serviços prestados ao capital internacional.

    Dessa maneira, como Dilma é vista como uma carta política fora do baralho, o estabelechiment não vê necessidade de usar teorias jurídicas exóticas para condena-la. E assim, as acusações que foram usadas como justificativas para derrubar Dilma, uma após outra vão caindo.

    E com relação a Lula, o estabelechiment entende que a conjuntura política e jurídica empurrou Lula ainda mais para esquerda.

    E assim, a condenação em 2a instância, mesmo com teorias jurídicas exóticas, vai ocorrer para afastar o risco de Lula voltar ao poder. O processo de Lula só será anulado no STJ ou STF se Lula se tornar uma carta política fora do baralho. Enquanto oferecer riscos políticos, o complexo político, empresarial e estrangeiro vai manter os canhões jurídicos, com suas teorias importadas, bombardeando Lula.

    E Bolsonaro? O suposto grande beneficiado com o afastamento de Lula da corrida presidencial?

    Na conjuntura politica atual, Bolsonaro só senta na cadeira presidencial se for aceito pelo estabelechiment político, empresarial e estrangeiro.

    Uma coisa é certa, quanto mais tempo, o estabelechiment político, empresarial e estrangeiro manter hegemonia, mais a classe média vai se deslocando das necessidades do povão, aumentado ainda mais a desigualdade social.

    O legado de Temer?

    Um Brasil com o povão precarizado e sem esperanças e uma classe média aceitando qualquer solução política para não ser arrastada para a base da pirâmide social.

    Um caldeirão dos infernos.

    Apesar de tudo isso, o povão pode surpreender e eleger alguém que se oponha ao estabelechiment político, empresarial e estrangeiro.

    É muito improvável, mas ainda há esperanças.

  3. Boa madrugada.

    Não vou me dar ao trabalho de escrever precisando de pesquisar dados, elementos, para se chegar a alguma conclusão. Maquiavel disse: “os fins justificam os meios empregados”.
    Sinto neste samba do crioulo doido, que não precisamos aguardar Trump para vermos uma guerra, ela está aqui. Quando uma tropa está desmantelada, perde o juízo, isso é normal. Imaginem quantos interesses em jogo. Defesa de LULA internacionalmente, este procurador – chuva de verão- e privatização-doação a la FHC, para a manutenção de interesses escusos.
    Sou favorável a privatização para nacionais em consórcios, não entreguismo e não sermos como sempre fomos o quintal do mundo.
    Esses meios são em tempo de guerra que Maquiavel escreveu, quando a Itália estava a ser dominada pelos Bárbaros. Estou cansado, mas não desisto, quando, é isso que muitos poderosos esperam de nós povo. Esperamos urgentemente a Ministra Carmem Lúcia fazer uma FORÇA TAREFA NO STF.
    Sinto em não entrar em detalhes, mas a orquestra está sendo montada, mas não frutificarão, e vejam, não é por fé, são pelos fatos.
    Os 60 dias para a homologação da JBS (grupo), cairá no colo da nova procuradora -geral Raquel Dodge, que jogada de gênio, não terá como escapar, e aí…, já era.
    UTOPIA? Não, muitos não sobrarão.

  4. Esse Robertson deve ser um ratão, e certamente está de olho na gaita que o lula se apropriou.
    Quem defende lula já é suspeito, ainda que todos tenham esse direito inalienável, mas defender o molusco é quase um pecado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *