Depois do vendaval, a corrupção não será mais a mesma no Brasil

Resultado de imagem para carmen lucia charges

Charge do Chico Caruso, reprodução de O Globo

Pedro do Coutto

O título, claro, está inspirado no filme clássico de John Ford e o vendaval de votos que cassou o mandato do agora ex-deputado Eduardo Cunha – magnífica reportagem de Júnia Gama, Isabel Braga, Eduardo Bresciani, Cristiane Jungblut, Evandro Éboli, Letícia Fernandes e Renan Xavier, O Globo, edição de terça-feira. O vendaval  tornou-se tão forte e fez com que a corrupção no Brasil, daqui pra frente não seja mais a mesma. Principalmente depois de destacar na manchete principal 450 votos contra apenas 10.

Alterou o mapa em que se projetam a política e a administração pública. Tal relacionamento, praticamente institucionalizado ao logo das décadas, vai sofrer uma face inteiramente nova. Não poderá ser reduzida a zero, pois esta é uma utopia. Mas não poderá produzir mais escândalos como foram o mensalão e o petrolão. Quanto ao petrolão, o recorde que estabeleceu no país, com ramificações financeiras no exterior, parece impossível de ser superado. O país amanheceu outro na alvorada de ontem.

LAVA JATO – Não somente pela cassação do mandato parlamentar de Eduardo Cunha, mas pelo impulso que acrescentou em larga escala à Operação Lava-Jato. Ela seguirá em frente, ganhando ainda mais velocidade e intensidade. Depois das cassações, as prisões vão suceder o episódio de 12 de setembro, que a edição de O Globo tornou histórica.

Os três outros grandes jornais (Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e Valor) naturalmente não tiveram tempo de chegar às bancas e assinantes do Rio de Janeiro com a mesma rapidez e com a mesma força. Transformou-se num marco entre o presente e o futuro ao iluminar e projetar o passado recente.

Recente, porém dramático, que ficará para sempre como sinal de retrocesso político, econômico e social da vida do país. Um desabamento moral quase completo. Só não foi completo por causa do avanço proporcionado pela Operação Lava-Jato e das decisões do Juiz Sérgio Moro, que mandou prender ladrões de casaca, e do STF que as têm mantido numa série de episódios.

CÁRMEN GARANTE SEQUÊNCIA – Sem dúvida, a posse da ministra Cármen Lúcia na presidência do STF assegurou a sequência do vendaval anticorrupção. Basta ler os principais trechos de seu inspirado discurso publicado no Globo, Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e no Valor. Ela, da mesma forma que o ministro Celso de Mello, que a saudou, e o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, atacaram a delinquência governamental, o que significou uma verdadeira cobrança ética dirigida à administração pública.

Carmen Lúcia sintetizou seu posicionamento ao afirmar: “Vivemos momentos tormentosos. Há que se fazer a travessia para tempos pacificados. Travessia – acentuou – em águas revoltas e cidadãos em revolta.”

UM RECADO DIRETO – Não pode ter sido mais direta. Pois a corrupção, uma revolta contra as leis, por consequência provocou a forte revolta da população brasileira, que nela identifica a raiz mais profunda dos terríveis males que estão lhe afetando.

A partir do desemprego, da falta de atendimento à saúde, a ausência de segurança pública, passando pela falta de esperança e perspectiva. No momento, surge apenas no horizonte que os culpados não ficarão impunes, nem imunes à consciência de todos, o que representará sua condenação eterna. Os criminosos não conseguirão escapar de si mesmos.

13 thoughts on “Depois do vendaval, a corrupção não será mais a mesma no Brasil

  1. Carmen Lúcia fará a travessia entre o presente e o futuro. Ela sabe que seu “caminho é de pedra… já não posso parar… e muito tem prá falar…” como na Travessia de Milton Nascimento. Boa sorte, Ministra.

  2. rsrs… e ainda tem trouxas que acreditam. Tão corruPTa quanto…
    MINISTRA DO STF, CARMEN LÚCIA, COMPROU MANSÃO DE DOLEIRO DA LAVA JATO
    A mansão adquirida pela ministra Carmen Lúcia é de propriedade real do doleiro Fayed Traboulsi e nos registros no cartório figura, Andréa Filipe Ramos, que tem no seu CPF juntado a uma ficha corrida com vários estelionatos. Recentemente Andréa Ramos estava lotada no gabinete do Ex.mo Sr.Ministro José Roberto Freire Pimenta, do Superior Tribunal do Trabalho.
    CLIQUE AQUI para examinar mais documentos.
    http://ataqueaberto.blogspot.com/2016/09/blog-de-polibio-braga-em-29012015.html

  3. Pingback: Depois do vendaval, a corrupção não será mais a mesma no Brasil – Debates Culturais

  4. Talvez esses jornais não tenham assistido a pose do ex-deputado Eduardo Cunha como presidente da Câmara dos Deputados Federais, quando ele declarou aos quatros ventos que o Legislativo voltava a ser independente. Foi aí que começou a perseguição do governo corrupto e comunista do PT, até então os presidentes da Câmara serviam apenas de capacho do governo, assim como o STF, ou seja, nós tínhamos apenas um poder na República petista que era o Executivo. Aí veio os pedidos de impeachment da ex-presidente Dilma, só recusados pelo presidente da Câmara foram vinte, por falta de consistência Jurídica, aí chegou um com consistência Jurídica que ele não teve como recursar e encaminhou para o Senado. Aí começou a sua condenação pelo governo corrupto e comunista do PT contra ele e como a Câmara ainda está dominada pelos petistas, casaram o seu mandato por ele ter mentido na CPI da Petrobras e por ter conta no exterior e ter declarado no imposto de renda. Só tem um porem, o que mais fazem os deputados na Câmara é mentir e usar o erário indevidamente, nas suas candidaturas, principalmente mentindo para o povo que os elegeram e nunca foram cassados. Agora uma coisa ninguém pode tirar do ex-deputado Eduardo Cunha, que foi livrar o Brasil do governo mais corrupto que já apareceu na política brasileira e por isso, o povo sempre será grato ao ex-deputado Eduardo Cunha. Agora se ele deve alguma coisa para a Justiça como está sendo acusado e se provado, ele vai ter de prestar contas com a Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *