Derrotados têm sentimento golpista, afirma Patrus Ananias

Patrus Ananias reclama que FHC incentiva golpismo do PSDB

Deu em O Tempo

O ministro de Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, faz um balanço dos 35 anos do PT e condena as propostas de impeachment da presidente Dilma. Ele critica principalmente o posicionamento do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Confira os principais trechos da entrevista.

O que permanece e o que se modificou na ideologia do PT ao longo desses 35 anos de partido?

A essência permanece. O saldo é muito positivo. A agenda social do Brasil mudou. Em 2014, tivemos uma conquista que foi muito pouco divulgada: nós saímos do mapa da fome. Nós temos desafios, como tudo que reflete a condição humana.

A restrição de benefícios trabalhistas, anunciada recentemente pela presidente Dilma Rousseff, não rompe com a essência do PT?

Fui durante muitos anos advogado sindical, trabalhista, professor de direito do trabalho, direito previdenciário. Não senti que configure nenhum desrespeito às conquistas históricas da classe trabalhadora. São alguns acertos. Existem algumas anomalias mesmo. Têm situações que, no limite, configuram até mesmo privilégios. É claro que é importante conversar. Talvez tenha faltado um pouco mais de diálogo com as entidades sindicais e com a sociedade.

Qual avaliação o senhor faz do movimento da oposição favorável ao impeachment da presidente Dilma?

Para ser sincero, é um assunto que me deixa mais do que perplexo. Não entendo. Para mim é uma tentativa de golpe. É um golpismo, para ser bem claro. São as mesmas forças políticas. Se você fizer um resgate na história do Brasil, são as mesmas forças políticas que levaram o presidente Getúlio Vargas ao suicídio, que tentaram dar um golpe em 1955, impedindo a posse do presidente Juscelino Kubitschek. Foram as mesmas forças que tentaram dar o golpe em 1961, quando Jânio Quadros renunciou. Os mesmos que deram o golpe em 1964. Depois, o golpe no golpe, que foi o Ato Institucional número 5, de 13 de dezembro de 1968, data triste na história do Brasil.

E o que achou?

Muito ruim, muito ruim. Acho muito ruim que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com a autoridade intelectual que ele tem, esteja navegando nessas águas também. Eu li um artigo dele e achei muito ruim. Um artigo golpista. E justiça seja feita. Nesse resgate histórico que eu fiz aqui, ele não participou, não, mas eu achei muito ruim. Porque eu quero democracia no Brasil. Eu quero que nós consolidemos o estado democrático de direito. Acho que é legítimo ter oposição firme, combativa. Mas uma oposição dentro dos parâmetros democráticos. A presidenta Dilma foi reeleita. Ela está governando há um mês, depois de ser reeleita. Então eu sinto isso como uma coisa muito triste. É uma tentativa, um anúncio de um golpe. Vamos resistir bravamente. Infelizmente, essas forças golpistas, de direita, essas forças mais reacionárias, sempre marcaram presença na história do Brasil.

O que o senhor teme hoje?

O que eu temo no Brasil neste momento, o que está complicando, tornando as águas turvas, são esses setores que eu sinto que estão com um sentimento revanchista, de terem perdido as eleições, e sentimento golpista, de querer interromper o processo democrático no Brasil, usando formas assim, digamos, mais jeitosas de um golpe.

Quando o senhor fala em forças golpistas, se refere a quais setores?

Prefiro não indicar. Eu citei um nome aqui até porque é uma pessoa que eu respeito muito e cuja obra eu conheço. Eu citei um nome (Fernando Henrique Cardoso), mas normalmente não gosto de citar nomes, nem pessoas, nem partidos, pelo respeito que tenho pelas pessoas que pensam de forma diferente de mim. Sempre fui uma pessoa muito fiel às minhas concepções, mas também sempre uma pessoa da escuta, do diálogo, sempre buscando espaços consensuais, espaços convergentes.

O senhor prevê dificuldades para o governo no Congresso com Eduardo Cunha na presidência da Câmara?

Não estou vivendo o dia a dia do Congresso. O que eu espero é que as questões sejam processadas sempre democraticamente. Acho importante. Tenho o maior respeito pelos adversários, sempre tive. Acho que nós não devemos temer o conflito – considero tão bonita a palavra “conflito”. E ele está em nós, seres humanos. Somos conflitivos. Lembro sempre os versos do Ferreira Goulart: “Metade de mim almoça e janta. Metade de mim se espanta”. Nós temos os conflitos em nós mesmos, diferentes apelos etc. Então, a democracia é conflitiva. Há forças políticas diferenciadas, os interesses, as diferentes visões de mundo, os diferentes interesses econômicos, sociais. O que acho importante, fundamental, é que os conflitos sejam explicitados. Quanto mais negados, escamoteados, pior. E que sejam processados de uma forma ética, respeitosa e democrática. Havendo isso, havendo essa transparência no processo democrático, esse conflito respeitoso, que se coloca sempre no campo da democracia pacífica, do respeito às ideias diferentes. Se o Congresso caminhar nesse sentido, acho que está tudo bem.

23 thoughts on “Derrotados têm sentimento golpista, afirma Patrus Ananias

  1. Esse bando de filhos da pauta, os petistas, destruíram o Brasil.
    Foram autores dos maiores escândalos republicanos, o Mensalão e o Petrolão, arruinaram a economia do Brasil.
    Tentaram impor aqui um ideologia macabra, o socialismo, um conjunto de ideias derrotadas mundo afora.
    O Socialismo foi derrotado na esfera da ideias, e na prática, pois todos os argumentos de Marx foram liquidados por autores como Mises, Hayek, Popper, Rothbard, v. Bawerk.
    Todo socialista é um derrotado, pois acredita em vigarices, todas elas desmascaradas por fatos e por argumentos.
    100 milhões de pessoas foram sacrificadas no altar socialista, e isso já seria suficiente para não mais ser mencionada o nome dessa ideologia funesta, letárgica.
    Todos esses filhos da puta, Palocci, Lula, José Dirceu, Patrus Ananias, et caterva, entre outros, ficaram milionários roubando o erário, obtendo vantagens ilícitas, já que eram todos fudidos financeiramente antes de chegarem ao poder.
    Só mesmo no Brasil, terra de homens acomodados, frouxos, se permite tantas mentiras, canalhices dos homens públicos, sem qualquer resposta da sociedade.
    Todos esses canalhas do PT, deveriam ser fuzilados, em praça pública. Me alistaria para participar do pelotão de execução, sem nada cobrar.
    A canalha chegou ao poder, os piores estão mandando no Brasil. Chegamos ao Horror, pior do que o Horror de Joseph Conrad.

  2. O ministro de Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, comete uma blasfêmia quando iguala a oposição à presidente Dilma Roussef aos golpistas da UDN que levaram o presidente Getúlio Vargas ao suicídio, que tentaram impedir a posse do presidente Juscelino Kubitschek e que apoiaram o golpe militar de 1964.

    Não. Não são as mesmas forças políticas de outrora que ora se opõem à presidente Dilma, e a oposição à presidente Dilma Roussef segue um rito constitucional e republicano, ao contrário dos golpistas da UDN e do passado. Patrus precisa dar outra entrevista e pedir PERDÃO à oposição atual pelas blasfêmias que fez nesta entrevista.

    Por outro lado, o ministro Patrus mostra que também é cara de pau: perguntado pelo pacote de maldades da presidente Dilma, com a restrição dos direitos trabalhistas (que a presidente, em campanha, disse que não mexeria nem que a vaca tussisse), ele se arroga como advogado sindical, professor de direito do trabalho, de direito previdenciário para ter a “coragem” de dizer que no pacotão de restrição de benefícios trabalhistas da presidente Dilma ele “não sentiu que configure nenhum desrespeito às conquistas históricas da classe trabalhadora” . Senhor ministro, quanto cinismo !

  3. Tirante os parlamentares eleitos, os militantes, assessores, e quem trabalha nas máquinas partidárias, a meu ver, todos os demais brasileiros somos derrotados (tipo 7 x 1). Por isso nem tão cedo a coisa muda… e a tal guerra civil, se acontecer, será atípica… parando nos fins de semana para um chopinho…

  4. Brincadeira !!!! Este senhor, é contraditório, na verdade é a piada pronta. O impeachment, está lá e bem inserido na Constituição Brasileira, com o Collor não foi golpe e com o PT e Dilma, não será. Será sim a unica saída, e o Brasil, como um todo, tem o dever e a incumbência, de retirar estes incompetentes, impostores e bandidos do poder, sendo assim salvaremos a nossa democracia e a economia também.

  5. A cada dia que passa o desvio de caráter dos integrantes da quadrilha que nos vitimiza há 12 anos fica cada vez mais indelével.

    Eles negam despudoradamente tudo que fizeram ou afirmaram no passado que lhes favoreciam, mas que agora se voltou contra eles .
    Negam até mesmo o irrefutável, gravado em vídeo.

  6. Affonso Romano de Sant’Anna

    Mentiram-me.Mentiram-me ontem

    e hoje mentem novamente. Mentem

    de corpo e alma, completamente.

    E mentem de maneira tão pungente

    que acho que mentem sinceramente.

    Mentem, sobretudo, impune/mente.

    Não mentem tristes. Alegremente

    mentem. Mentem tão nacional/mente

    que acham que mentindo história afora

    vão enganar a morte eterna/mente.

    Mentem.Mentem e calam. Mas suas frases

    falam. E desfilam de tal modo nuas

    que mesmo um cego pode ver

    a verdade em trapos pelas ruas.

    Sei que a verdade é difícil

    e para alguns é cara e escura.

    Mas não se chega à verdade

    pela mentira, nem à democracia

    pela ditadura.

  7. O que esperar de uma entrevista encomendada? É claro que o Petrus ou qualquer um dos outros 39 diria a mesma coisa. Esta é o “modus vivendi” de toda a quadrilha. Nunca se é culpado e a culpa é sempre dos outros. Hoje, no Brasil, não existe um partido politico mais a direita do que o PT. Usa, apenas, uma fantasia de esquerda. Manter pessoas na linha da miséria, apenas para se perpetuar no poder, sempre foi o que de pior a direita teve. Engana-se o povo, porque o povo está aí para ser enganado mas um dia a cegueira termina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *