Desagravo delirante a Lula compara mensalão ao golpe de 64

Altamir Tojal

Nota de desagravo ao ex-presidente Lula, lançada hoje (20/9/2012) pelos presidentes de seis partidos da base aliada do governo, compara o debate na sociedade sobre o julgamento do mensalão com a conspiração para depor Getúlio Vargas em 1954 e com o golpe de 1964 que derrubou Jango.

Mais que um delírio político na tentativa de negar o envolvimento de Lula com a quadrilha do mensalão, esta nota está em linha com a correria no Senado para aprovar o novo ministro do STF, a tempo de interromper o julgamento em curso. Está em linha também com a palavra de ordem, inventada nesta semana nos laboratórios do PT, de que o STF está realizando um “julgamento de exceção”. Tudo isso se junta a pressões para que o julgamento não seja mais televisionado e às sempre renovadas acusações contra a cobertura pela mídia.

Se por um lado a suspeita correria para usar a nomeação de Teori Zavascki para melar o julgamento ameaça produzir um dos maiores escândalos políticos do Brasil nos últimos tempos, os ataques ao julgamento, à cobertura da imprensa e ao debate na sociedade semeiam o terreno não só para desmoralizar o processo, mas também, para a perpetuação da impunidade no país e para impedir a republicanização do Poder Judiciário. Além disso, incentivam a guerra contra as instituições democráticas – notadamente a imprensa crítica.

Buscando desqualificar a justiça e restringir a imprensa, o PT enfraquece a democracia e, assim, reitera o projeto de perpetuação no poder custe o que custar, que já levou ao aparelhamento do estado, à união com as forças políticas mais retrógradas e à compra generalizada de apoios e consciências pela distribuição de bolsas, favores, verbas, patrocínios e a corrupção escancarada, que vem sendo provada no julgamento do mensalão.

(artigo do blog De Olho no Mensalão, enviado por Mário Assis)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *