Desgraçadamente, os partidos não têm mais diretrizes nem programas de governo

Resultado de imagem para partidos charges

Charge do Jorge Braga (Charge Online)

Ednei Freitas

Recentemente, postei dois textos aqui na Tribuna da Internet, por se tratar de um jornal basicamente de debate, cujo objetivo principal é ajudar os leitores a discernir sobre a vida política nacional. O primeiro texto continha “Diretrizes do Cidadania23” e o segundo anunciava o Programa de Governo defendido pelo partido.

Ao exibi-los, meu objetivo jamais foi convencer os filiados ou adeptos de outras legendas a aderirem ao Cidadania23. A iniciativa era mostrar que os partidos já existentes e registrados não têm cumprido a legislação que determina a publicação.

SEM PROGRAMA – O fato inquestionável é que  maioria dos partido não têm publicado suas diretrizes nem seus programas de governo, numa falha que parece ser tradição na política brasileira, porque o PT, quando chegou ao poder, em 2003, não tinha diretrizes nem programa, e o mesmo fenômeno se revelou na eleição de 2018, que também não discutiu alternativas administrativas.

Publiquei as linhas-mestras do Cidadania23 para desafiar aos demais partidos, desde a extrema esquerda até a extrema direita, para que também exibam, na Tribuna da Internet, suas diretrizes e seus programas de governo.

Afinal, qual é o programa de governo, por exemplo, da REDE, de Marina Silva, para além da preservação do meio ambiente? Qual são as diretrizes de Bolsonaro (sem partido)? Será que diferem dos objetivos do PSL, partido ao qual esteve filiado?     

PARTIDOS SEM RUMO – Até mesmo partidos antigos, como PMDB, PSB, DEM , PSDB, PT e os novatos PSC e Podemos etc. têm obrigação de publicar suas diretrizes e seus programas de governo. Qual é o programa de governo de Dória para candidatar-se à Presidência da República, num partido rachado e sem rumo?

Os eleitores precisam ir para as urnas bem informados sobre os partidos políticos em que irão votar, convenhamos. Não se pode ficar apenas lidando com populismo, com a velha política, com novos autoritarismos ou demagogias antigas.

Para governar (seja em prefeituras, estados e no governo federal) ou para reformar ou criar novas leis, todos os candidatos a cargos executivos ou legislativos precisam ter diretrizes e programa de governo. Mas parece que essas práticas políticas estão meio fora de moda.

12 thoughts on “Desgraçadamente, os partidos não têm mais diretrizes nem programas de governo

  1. “Ao exibi-los, meu objetivo jamais foi convencer os filiados ou adeptos de outras legendas a aderirem ao Cidadania23.”

    -Correto Algumas pessoas não percebem que é pura perda de tempo tentar convencer alguém a mudar de ponto de vista. Algo, além do debate, só leva a antipatia.

    • É exatamente isso que eu estou falando, Sr. Francisco Vieira – Brasília DF. Vossa Senhoria está de parabéns ! “é pura perda de tempo tentar convencer alguém a mudar de ponto de vista. Algo, além do debate, só leva a antipatia” , e nada esclarece sobre diretrizes de um partido político e seu programa de governo para soerguer ujm Brasil cuja maioria da população está carente e vive na miséria, e até mesmo os milhões de brasileiros que residem em favelas ou são moradores de rua. Não esclarece como mudar o Brasil acabando com as negociatas de parlamentares e executivos com bancos e empreiteiras , com envolvimento de parte podre da alta magistratura com criminosos, desde empresários a milicianos, sempre roubando o erário público e perpetuando a miséria, a fome, e a morte – mortes que são maiores do que as provocadas pelo atual Covid-19. Mortes provocadas pela fome !.

  2. Uma boa pauta é uma boa resenha. Faltou falar que o programa do Ciro Gomes e do PDT é fruto de um amadurecimento desde 1989 coordenado por Mangabeira Unger e usado por Brizola duas vezes e por Ciro outras duas. O jeito pedetista de governar vai se consolidando com foco na educação pública, base para a soberania e o desenvolvimento.

      • Prezado Jose Vidal. Você acha ? Se acha é porque não tem certeza. Todos os partidos políticos estão sendo convidados e estão com espaço aberto na TI para apresentar suas diretrizes e seus programas, desde a extrema direita até a extrema esquerda., Também o PDT de Ciro Gomes necessita apresentar por escrito aos leitores suas diretrizes e seu programa.

        O Sr. Nelson Dantas começou bem quedo fala que “Uma boa pauta é uma boa resenha”, mas também faltou falar, isto é escrever, tornar público diretrizes e programas de governo para que os eleitores saibam quais são as diretivas e quais são os programas do PDT para governar as cidades, os Estados e Presidir o Brasil.

        Não é o bastante a afirmação que o programa de Ciro Gomes, no PDT de Lupi, é fruto de um amadurecimento desde 1989 e usado por Brizola (já falecido – e a realidade já mudou) , e por Ciro, 2 vezes.

        Só para começar, além da realidade já ter mudado, e estamos falando de futuro, de como reconstruir este Brasil dilapidado pelos governos que surgiram após a redemocratização, com a honrosa exceção do ex-presidente Itamar Franco.

        Até agora, que eu saiba, o PDT não apresentou em nenhum órgão de impresnsa, nem mesmo em seu site oficial as suas diretrizes para o futuro e seu programa de governo para 2020 e 2022 e a TI se coloca à disposição, suas diretrizes de governo e seu programa de governo, tanto para as prefeiturras, para os prefeitos e para o Presidente da República que desejam candidatar-se em 2022 , independentemente do (s) cadndidato (os).. Um programa , não apresentado por escrito ao público, fruto de um amadurecimento desde 1989 coordenado por Mangabeira Unger com o falecido Brizola, se existe, já está superado, porque Brizola já faleceu há muitos anos e o PDT já mudou muito após a morte do velho caudilho,

        Estamos facultando, na TI , a apresentação por escrito das diretrizes e dos programas de governo dos diversos candidatos a prefeito, governadores, Presidente da República e dos parlamentares municipais, estaduais e federais para o futuro, isto é, para que o eleitor saiba em quem escolherá votar, tanto em 2020 quanto em 2022.

        Quanto ao PDT atual, não basta a fala, normalmente exaltada, mas sem programa, do respeitável mas polêmico Ciro Gomes. Nests seus falares, ele jamais apresentou suas diretrizes e seus programas de governo. E não é Ciro quemj deve ficar falando sozinho, mas sim o diretório nacional do PDT é quem deve, como fez o Cidadania23, apresentar em seu site, e está convidado a apresentar aqui na TI, suas diretrizes e seu programa de governo para o futuro, para promover o discernimento do eleitor brasileiro sobre em quem votar, seja para vereador, prefeito, em 2020 e para a a Presidência da República, para as Assembléias Legislativas, para a Câmara dos Deputados e para o Senado Federal em 2022.

  3. VOU APRESENTAR AQUI OS PRESIDENTES DA REPÚBLICA APÓS A REDEMOCRATIZAÇÃO, QUE GOVERNARM O BRASIL SEM APRESENTAR DIRETRIZES NEM PROGRAMAS DE GOVERNO, COM A ÚNICA EXCEÇÃO DO EX-PRESIDENTE ITAMAR FRANCO, QUE SEGUIU AS DIRETRIZES DO ENTÃO CHAMADO PPS *AGORA CHAMADO CIDADANIA23″ E OS PARTIDOS POLÍTICOS QUE ABRIGARAM TODOS ESTES PRESIDENTES DA REPÚBLICA

    1. JOSÉ SARNEY – 1985-1990 (PDS – EX-ARENA, E DEPOIS PFL E DEPOIS PMDB)
    José Sarney não tinha programa de governo e sequer se preparou para ser presidente, até porque tomou posse abruptamente pois o presidente eleito, Tancredo Neves morreu antes de assumir a função. Embora tenha criado o Plano Cruzado, que foi um caos, por fim foi avaliado pelo desastre econômico e des controle da inflação.

    2. FERNANCO COLLOR DE MELLO – 1990-1992
    (PDS, DEPOIS PROS, DEPOIS PRN) – Sua situação foi polèmica, tendo sido o primeiro presidente a sofrer impeachment por corrupção. o que marcou seu governo (e não tinha plano de governo) fiu i Plano Collor, que entre outras medidas, congelou as poupanças bancáaria de milhares de brasileiros repentinamente, impedindo-os de usufruir seu dinheiro. Um ano após assumir a presidência da República o governo Colloor já entrava em colapso, e no ano seguinte foi condenado por corrupção, sendo substituído pelo então vice-Presidente ITAMAR FRANCO.

    3. ITAMAR FRANCO – PPS – ATUAL CIDADANIA23 – Em 5 de julho de 2008 filia-se ao PPS em cerimônia na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, filia-se ao PPS. Em 25 de outubro de 2009 o Diretório Nacional do PPS (hoje Cidadania 23) em Fortaleza (CE) ITAMAR FRANCO como o novo foi proclamado Vice-Presidente desta legenda. Foi onde esboçou, com o Diretório Nacional do Partido um plano de governo, e há três meses no PPS, ITAMAR FRANCO foi eleito Vice-Presidente da República.

    Quando assumiu a Presidência da República, o Brasil estava no meio de grave crise econômica : a inflação havia chegado a 1.1000% em 1992, e alcançando quase 6.000% no ano seguinte. ITAMAR FRANCO trocou de ministros da área econômica várias vezes, até lançar o Plano Real, que estabilizou a Economia e reduziu a escalada hiperinflacionária. Foi o melhor presidente após a redemocratização, seguiu as diretrizes do PPS, mas infelizmente seu mantado-tampão foi curto, embora produtivo, durando somente dois anos. Pouco depois, faleceu.

    4. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – 1995-2002 – PSDB – A transparência do foverno FHC foi comprometida por escândalos politicos e financeiros. Também não tinha proposta de governo. Continuou os processos de privatização iniciado por FERNANDO COLLOR DE MELLO. Foram privatizadas rodovias federais, os bancos estaduais e as empresas de telefonia federais, os bancos estaqduais. Conseguiu a aprovação de emendas que facilitaram a entrada no Brasil de empresas estrangeiras, e, em consequência a “flexilização” do monopólio estatal do petróleo. Atravé da compra de votos parlamentares e compatrocínio de empresas estrangeiras, conseguiu mudar a Constituição, permitindo a reeleição e foi reeleito para mais um período na Predidência da República, herança maldita que perdura até hoje.

    5. LUIZ INÁCIO lULA DA sILVA – PT

    Sem comentários.

    6. DILMA ROUSSEF – PT

    Sem comentários

    7. MICHEL TEMER

    Sem comentários

    8. JAIR MESSIAS BOLSONARO – PSL, E AGORA SEM PARTIDO

    Este é isso que estamos vendo. Destambrelhado, sem norte, e não tem programa de governo. Não é necessário eu comentar suas ações, sua adesão incondicional ao presidente Trump, dos Estados Unidos, a influência do Guru Olavo de Carvakgi en seu governo, as desavenças com o partido que o elegeu, seu rompimento e demissão dos seus principais aliados de campanha, está ficando isolado, perdendo prestígio a cada mês com o eleitorado que o elegeu, seu ministro dea Economia foi economista do ditador Pinochet, ditador a quem homenageou no Polenário da Câmara, a prática de rachadinhas dele e de seus filhos e aumentou a pobreza e a miséria no país.

  4. O programa público e notório dos atuais elementos políticos é derrubar o presidente.
    Até o cameleônico Cristovam Buarque quer ver a caveira do presidente na vala com um grilo cantando dentro.
    O Brasil esteve prenhe de programa de governo da esquerda durante anos e agora querem se emprenharem novamente, querem nova forma de inseminação artificial para mesmerizar corações e mentes.
    O canto do sabiá e da cotovia já não embalam tanto.

  5. Perto do final do muito citado, porém não muito lido, “1984” de George Orwell, o protagonista Winston Smith é submetido a um interrogatório pelo verdugo O’Brien, que lhe pergunta em certo momento qual o objetivo do partido do Grande Irmão. Smith começa a recitar o programa do partido, sendo interrompido por um choque dado por O’Brien, que lhe esclarece que essa foi uma resposta estúpida, porque o partido tem um único objetivo, o poder. O poder, sua conquista, manutenção e expansão. Essa passagem define a realidade de toda a política moderna. Os partidos são grupos que brigam pelo poder, seus programas hoje não passam de meros pretextos para justificar formalmente suas existências. Programas partidários não são mais pontos em torno quais grupos políticos se unem. No Brasil, PSDB e PT, teoricamente muito próximos em termos de ideias, se tornaram inimigos figadais, e quando estiveram no poder se aliaram a partidos que, em tese, representavam ideologias conservadoras, muito diferentes. Aliás, ironicamente, os mesmos partidos de direita foram aliados dos dois, sucessivamente, com a exceção notável do PFL-DEM.
    Programas partidários hoje servem, no máximo, para indicar o quanto os partidos estão fora de sintonia com a sociedade. Nisso o programa do Cidadania23, ex-PPS, ex-PCB, é bastante representativo, dando muito espaço para questões identitárias, num momento em que a preocupação da grande maioria das pessoas girar em torno de necessidades básicas de emprego, renda, educação, saúde e segurança, tudo isso num mundo cada vez mais desigual, onde as riquezas estão cada vez mais concentradas. Mesmo boa parte da esquerda pedindo para se enfatizar outras coisas além de políticas de identidade. O escritor esquerdista americano Chris Hedges observou num artigo recente que “Os oligarcas ficam felizes em falar sobre raça. Eles ficam felizes em falar sobre identidade sexual e gênero. Eles estão felizes em falar sobre patriotismo. Eles ficam felizes em falar sobre religião. Eles estão felizes em falar sobre imigração. Eles estão felizes em falar sobre o aborto. Eles ficam felizes em falar sobre controle de armas. Eles ficam felizes em falar sobre degeneração cultural ou liberdade cultural. Eles não ficam felizes em falar sobre classe. Raça, gênero, religião, aborto, imigração, controle de armas, cultura e patriotismo são questões usadas para dividir o público, transformar vizinho contra vizinho, alimentar ódios e antagonismos virulentos. As guerras culturais dão aos oligarcas, democratas e republicanos, a cobertura para continuar a pilhagem.”
    http://www.informationclearinghouse.info/53069.htm
    Os partido de esquerda hoje refletem cada vez mais o pensamento de uma intelectualidade de classe média distante das massas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *