Desprezar abstenções, votos brancos e nulos desmoraliza o regime democrático

http://www.saopauloinfoco.com.br/wp-content/uploads/2014/05/livro-cacareco1.jpg

Cacareco foi eleito em 1959

Carlos Newton

Quinto maior país em extensão territorial e número de habitantes, oitava economia do mundo, o Brasil é um gigante que se comporta como um nanico e pode ser comparado à metamorfose ambulante do Raul Seixas, pois tem legislações avançadas que convivem com leis absolutamente ridículas. Basta lembrar o caso da gravação do diálogo entre Lula da Silva e Dilma Rousseff, quando os dois acertaram a prática de atos ilegais, mas a escuta não foi considerada como prova porque ocorreu alguns minutos depois de o juiz assinar o despacho suspendendo a autorização da quebra do sigilo. Ou lembrar a anulação do processo contra o banqueiro Daniel Dantas, porque a prisão dele vazou para a imprensa.

Sinceramente, em qualquer país minimamente sério, o que interessa é que se faça justiça, apenas isso. Os detalhes de obtenção das provas não são considerados com o rigor provinciano da Justiça brasileira.

PROTESTO ELEITORAL – Dia 7 de outubro teremos as eleições. Se nenhum candidato tiver maioria absoluta dos votos válidos, no dia 28 haverá segundo turno. Grande parte do eleitorado não se mostra disposto a apoiar nenhum dos candidatos que disputam as prefeituras, estando previsto número recorde de abstenções, votos em branco e nulos.

Não se trata de mais uma pegadinha, como as eleições do rinoceronte Cacareco, em São Paulo, do bode Cheiroso, em Pernambuco, e do macaco Tião, no Rio de Janeiro. Desta vez, são protestos eleitorais que precisam ser levados a sério. O fato concreto é que, devido aos excessos do pluripartidarismo brasileiro e ao desgaste dos políticos, uma expressiva parcela dos eleitores está se recusando a eleger os candidatos que passaram para segundo turno, e essa vontade precisa ser democraticamente considerada.

MUDAR A LEGISLAÇÃO – Fica evidente que existe a necessidade de mudança da legislação, para aperfeiçoar a democracia brasileira, que entrou num caminho obscuro a partir da Constituição de 1988, pela determinação de que não sejam computados os votos em branco para a verificação da maioria absoluta.

Regulamentada apenas com a edição da chamada Lei das Eleições (Lei 9.504/97), a alteração constitucional tornou os votos em branco inválidos, igualando-os aos nulos (artigos 2º e 3º), para eleição de presidente, governador e prefeito. Desde então, os votos brancos também são descartados na apuração dos candidatos eleitos. São considerados apenas os votos válidos. Ou seja, se um candidato tiver apenas um voto, estará eleito, vejam que situação absurda a lei permite.

Portanto, não há qualquer dúvida de que a Constituição de 1988 e as leis subsequentes introduziram no Brasil uma prática antidemocrática, que pode consagrar a vitória da minoria.

PERGUNTAR NÃO OFENDE – A hipótese que se coloca é a seguinte. Se abstenções, votos nulos e em branco significarem a maioria absoluta (metade mais um) dos eleitores, será democrático entregar o poder a um candidato que teve minoria de votos?

Perguntar não ofende, como dizia o genial humorista Paulo Silvino, mas é óbvio que não se deve entregar o poder a quem não conta com a confiança da maioria absoluta dos eleitores. Aliás, foi justamente para preservar os direitos da maioria dos eleitorado que se criou o segundo turno, que entre nós hoje está se mostrando desvirtuado.

O voto obrigatório é importante, porque anima os brasileiros, quase todos têm muito orgulho do direito de voto, a eleição ocorre sempre em clima de festa. Mas não há dúvida de que o direito da maioria absoluta precisa ser acatado. Se os candidatos forem recusados por metade mais um dos eleitores, é sinal de que não conseguiram a necessária representatividade. É preciso entender que o eleitor tem direito de dizer não.

14 thoughts on “Desprezar abstenções, votos brancos e nulos desmoraliza o regime democrático

  1. Sr. Newton, perfeito o texto,
    O exemplo clássico foram as eleições para Prefeito de São Paulo.
    Uma enxurrada de votos nulos, brancos e abstenções.
    Tem pessoas que nem perdem mais o precioso tempo para sair de casa e ir as Urnas, se sentem enojadas com tanta podridão..
    Em São Paulo o Candidato da Ca$a Grande, perdeu para os Votos Nulos, Brancos e Abstenções, levou uma surra daquelas.
    Todos os jornalistas-amestrados PRÓ-PSDB, passaram o pano nesta questão e sequer deram algum piu sobre a surra do Candidato dos Jardins & Caviar & Fhcerveró…….
    A propósito, Sr. Newon, entre esses votos nulos, com certeza estava o meu……

    • Sem falar nas fabulosas urnas eletrônicas 100% seguras que não são usadas em nenhuma outra grande democracia do mundo….kkkkkkk

      Le Brésil est un pays trés sérieux …..kkkkk

      • Com um diferencial
        Nas Eleições para Presidente, as Urnas Eletrônicas estão todas fraudadas, como disse um dos picaretas do Partido da Mão Direita, Efeagaecio Nevers,
        Mas, para Eleições de Senadores, Deputados, Vereadores, Prefeitos e Governadores, as Urnas Eletrônicas são Perfeitas, limpinhas , cheirosas e benzidas nas águas cristalinas do Rio Jordão………

        PS. Por falar nisso, por onde anda o Campeão de Delações em Corrupções das Empreiteiras..???

  2. Assisti a alguns programas na TV. Em todos eles a voz dizia que a eleição não seria anulada em nenhuma hipótese.

    De que adianta eu não ir votar, e mais este, mais aquele? Só iremos entregar mais depressa a cadeira para o outro candidato.

    Não está fácil votar.
    Não está fácil não votar.

  3. “”É muita “malandragem”, dos “iluminados”, o Voto Nulo, AINDA ser considerado “EM VÃO”.””

    Os jornalistas amestrados Pró-Peessedebosta da Rainha da Corrupçao, não cometam e nem dão atenção e esse fato de que os votos nulos, brancos e abstenções ultrapassam em grande maioria os votos de alguns eleitos….
    No caso da Prefeitura de São Paulo, o Candidato da Casa Grande Efeagaciana e Seus Iluminados Babasovismos levou uma surra dos VOTOS NULOS…..
    Mas…….
    Como disse nosso comentarista Schoss, ´´e muito malandragem ora pois pois, ó pá e picaretas…..

  4. O Candidato do Jaspion do Paraguai , nas eleições de Guarulhos (grande SP), segundo ele que se diz (a)partidário, não torce e nem liga para partidos levou um surra igual ao Yakissoba que apodreceu nas geladeiras pois ninguém pagou o preço de 290,00

    Resultado final em Guarulhos. Lavada épica. Guti (PSB): 83,5% | Eli Correa Fº (DEM): 16,5% (diferença de 67 pontos) #Eleições2016

    Imaginem se ele fosse partidário do DEM-PSDB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *