Destino, natureza ou providência divina

Carlos Chagas

Uma tinha  voto mas não tinha partido. Outro tem partido mas não terá  voto. Uniram-se Marina Silva e Eduardo Campos no Partido Socialista, que nada tem de socialista e está mesmo partido. O acordo nasceu de cabeça para baixo: Eduardo para presidente da República, Marina para vice. Onde vai dar essa confusão? Em termos de poder, em lugar nenhum.

O  processo sucessório pode embaralhar ainda mais. E se o Lula vier a substituir Dilma? Caso Serra atropele Aécio? Para passarmos da ditadura para a democracia, foram necessários 21 anos. Da democracia para a ditadura, apenas um dia. Mas qual o tempo necessário para o país superar a confusão que mal se inicia? Erra quem supuser um ano. Do jeito que as coisas vão, pior ficarão depois de  outubro de 2014.  

Na última semana 42 deputados e 2 senadores mudaram de partido, sem qualquer relação com seus programas. Muito menos vimos parlamentares  interessados em ideologias, que inexistem. O  troca-troca deveu-se a razões fisiológicas. Já são 32 partidos com autorização para funcionar. O número só é inferior ao de ministérios, mas a corrida prossegue.

Indaga-se como passar o país a limpo, se não há apagador e se o quadro-negro foi para o espaço. Houve tempo em que a saída foi entregar todo o poder ao Judiciário. Hoje não dá. Dos militares, Deus nos livre. Os sindicatos? Impossível tirá-los das profundezas.  A Igreja, ou as igrejas, só se os árabes tivessem vencido em Poitiers e os turcos tomado Viena. Do empresariado rural e urbano  nem se fala, empenhados todos na busca do lucro através de seus descaminhos. Imaginar  os partidos políticos,  nem de brincadeira.

Há quem apele para as ruas e para as massas. Seria a sublimação do caos, com a predominância da baderna, como demonstram as recentes manifestações, depois de junho.   Estaremos  na ante-sala da ditadura, quaisquer que sejam seus artífices? Melhor acreditar no Destino, na Natureza ou na Providência Divina, tanto faz…

FATO NOVO E FATO CONSUMADO

José Bonifácio, o Zezinho dos tempos em que a Câmara dos Deputados tinha peso e valor, costumava argumentar em favor do descumprimento de acordos institucionais ou partidários, alegando que todos os compromissos eram para ser cumpridos, menos em duas exceções: o fato novo  e o fato consumado. Assim ele sobreviveu às lutas travadas dentro da  UDN e depois na  Arena, justificando reviravoltas e recuos.

Marina Silva terá o mesmo fôlego? Seu ingresso no Partido Socialista foi um tremendo fato novo, mas será um fato consumado?

 QUEM TIRA DE QUEM

No Congresso, ontem, as primeiras reações ao pacto Marina Silva-Eduardo Campos davam conta de haver ficado mais próxima a realização do segundo turno nas eleições presidenciais do ano que vem. Marina Silva tiraria mesmo votos de Dilma Rousseff? E Eduardo Campos, de Aécio Neves?  A partir dessa suposição, recrudescia no PT a hipótese de que se as coisas ficarem nebulosas, seria hora de os companheiros voltarem a apelar ao Lula para admitir sua candidatura. Ele não tiraria votos de ninguém, tirando Dilma da disputa. Pelo contrário, ganharia na primeira votação.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Destino, natureza ou providência divina

    • Obrigado, Wagner. O trabalho de edição do Blog (inserção das matérias e ilustrações) está cada vez mais dificultoso, digamos assim. Esse merda do Bill Gates, a cada ano, muda os programas e torna incompatíveis os anteriores. Agora, vem tudo no corpo 13,5, o programa do Blog não reconhece, é um saco. Acabo cometendo erros como esse, tirando a melhor nota do Chagas, sobre o crescimento da possibilidade de Lula sair candidato.

      Abs.

      CN

  1. Prezados Carlos chagas, as pessoas mais esclarecidas, não tem em quem votar, são todos
    farinha do mesmo saco. Com esses políticos, sem ideologia, são apenas oportunistas, tratando
    de interesses pessoais. Em vista disso o país, está indo de mal a pior, Seria necessário fazer
    uma limpeza geral e radical, mas como?
    Não acredito que o Lula saia candidato a Presidente, seu telhado de vidro é muito grande,
    apesar dos outros candidatos também terem telhados de vidro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *