Diálogo com a sociedade deve substituir a pressão das ruas

Pedro do Coutto

As pressões das ruas levaram governadores e prefeitos a reduzirem tarifas de transporte, mas nem todas as questões podem ser resolvidas assim. A presidente Dilma Rousseff, cujas declarações de anteontem legitimaram a onda de protestos, ressalvados os atos de vandalismo, sabe muito bem disso.

Candidata à reeleição, terá inevitavelmente que rever sua agenda política, não apenas para reencontrar a base político partidária de seu governo, mas principalmente para reencontrar os milhões de votos que a levaram à vitória nas urnas de 2010. Nessas urnas foi depositada uma esperança. Que em parte se evaporou  diante principalmente da torrente de corrupção, do superfaturamento de obras públicas, da construção em série de estádios para a Copa das Confederações e para a Copa do Mundo de 2014.

Que começou a se evaporar também em consequência do aumento do custo de vida, sem que o governo tenha se pronunciando diretamente a respeito do tema. Inflação é um ponto vago. Custo de vida é bem definido. A sociedade continua esperando um diálogo efetivo com o Palácio do Planalto. Não para que a presidente apenas substitua ministros, como desejam até integrantes de base aliada no Congresso – reportagem de Fernando Rodrigues e Valdo Cruz, Folha de São Paulo de quinta-feira -, mas para que substitua um estilo que, de acordo com as pesquisas convergentes do Datafolha e do IBOPE, parece ter se esgotado e não resistido às dificuldades que sempre aparecem.

MARKETING

O problema é, ao mesmo tempo, econômico, social e político, não se trata de matéria para ser resolvida através do sistema de marketing. Dentro do próprio governo – acentua a reportagem – setores reconhecem que  a presidente da República tem de melhor o diálogo. A matéria assinala o empresariado. Mas não só com esse segmento expressivo.

Tem que melhorar o diálogo com a sociedade, de modo geral. Especialmente     fazendo-se presente nas questões que afligem a população. Não se trata, como disse há pouco, de substituir ministros e dirigentes. Trata-se de colocar em prática a comunicação que esteve presente na campanha eleitoral e que  deixou um legado de compromissos a conferir. Não é apenas o problema das tarifas de transporte ou de energia elétrica. Mas a comparação entre os preços que sobem e os salários que, em consequência, descem, pois enquanto os preços aumentam sem parar todos os dias, os rendimentos do trabalho são reajustados uma vez por ano.

SALÁRIOS

Deve-se destacar, como fator essencial, que as correções salariais sucedem, e não antecedem, os aumentos dos preços. Dessa forma, a reposição dos últimos doze meses começa a ser diluída no dia seguinte a seu recebimento. A sociedade, assim, está sempre correndo atrás para alcançar os valores dos produtos, e não o contrário. O IBOPE confirmou o levantamento do Datafolha, mas deixou nítido que o governo é considerado bom e ótimo por 71% contra 25 que o julgam ruim e péssimo. A margem continua larga em matéria de aprovação. Mas nem por isso o declínio pode ser relegado a um plano secundário de cogitações. Nada disso.

O aspecto básico de análise é que as subidas e descidas, muitas vezes, fazem parte de um processo. Não se trata somente de ganhar ou perder as eleições de 2014. Trata-se da  possibilidade de o governo perder a perspectiva do progresso econômico e social e do compromisso ético que deve essencialmente norteá-lo. Pois um governo pode vencer ou ser derrotado nas urnas, é da política. Mas não pode, isso sim, fazer com que a sociedade perca sua visão de país, de ordem, de nação.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

6 thoughts on “Diálogo com a sociedade deve substituir a pressão das ruas

  1. Em seu pronunciamento Dilma mostrou que em uma coisa ela tomou vergonha, desistiu de se trajar de vermelho. Quis mostrar para o Povo Brasileiro sua Cara Falsa de Nacionalista. Falou, falou e não resolveu nada.
    Primeiro que ofendeu frontalmente os nossos profissionais da medicina e aquele que fazem cursos no exterior. Porque trazer médicos do exterior? Basta remunerar melhor os nossos profissionais da saúde e da educação e garanto que o problema estará resolvido.
    Em momento algum ela falou de terminar com a corrupção de seu governo. Falou de transparência mas ela mesma não deixa que isso aconteça. Bloqueia qualquer informação de suas viagens e custo de suas despesas pessoais.
    Quis proteger os anarquista de seu partido quando falou de que tem de se permitir a participação de partidos nessas passeatas. Absurdo so se manifestaram com bandeiras o PT e o PSOL. Afinal presidenta manifestação não e propaganda política e ação do povo contra os absurdos de seu governo.
    Faça a transparência das punições que foram aplicadas aos mensaleiros e os criminosos do PT.
    O Povo cansou de seu e do Bla, bla, bla de Lula. Queremos medidas imediatas contras os corruptos e ação nos serviços públicos.
    A senhora não falou em momento nenhum da perseguição imposta aos aposentados e o uso indevido do dinheiro da Previdência para distribuição de suas bolsas..
    Ação Presidenta, Ação e solução para os Problemas Nacionais e não Lero lero.

  2. Se combatesse mesmo a corrupção não traria de volta os corruptos que ela mesma demitiu. Jogou fora todo o crédito e confiança que poderia obter, pois preferiu o fisiologismo ao compactuar com corruptos e recolocá-los no seu governo. Seu “Conselho de Notáveis” é formado por: Sarney, Renan, Alves, Temer. Só faltou o Collor.

  3. Esperanças também foram depositadas nas urnas em 2002 p/ o Homem de 9 dedos, que logo em seguida deu um rabo de arraia no povo e perfilou-se aos antes opositores, aperfeiçoando a arte do roubo c/ pompa e circunstância. Deitou e rolou, se reelegeu e depois quando não podia mais usar deste expediente, pegou um poste qualquer e o colocou no seu lugar, p/ fazer o que seu mestre mandar e tá querendo voltar nos braços do povo.
    Só que… esse povo abriu os olhos e vai derrubar tudo como uma Grande Onda – estouraram o açude!

    Em momento algum acreditei no que a Presidenta falou e duvido que depois desses recentes dias alguém mais acreditaria.

    Os ridículos 15% de aumento ao funcionalismo, pagos em 3 parcelas anuais – é um deboche, porque quando estivermos na 3a parcela a inflação já a terá comido há muito tempo.
    Esse governo é uma grande piada de mau gosto!

  4. Senhores,
    Está havendo um equivoco. A Presidenta tem pedido a verba dos Royalties para educação há muito tempo. Desonerou impostos para compra de geladeiras. Desonerou impostos para compra de fogão. Desonerou impostos parta venda de carros. Desonerou impostos na conta de Energia Elétrica. Foi uma festa. Em todo este vandalismo não se ouviu uma ofensa à nossa Presidenta. Não tenho partido, já votei na Doutora Fegalli para senadora quando lhe furtaram os votos na recontagem. Se houve recontagem é porque houve erro ou vontade de sabotar. Não é confiável o sistema. Já votei no Cesar Maia. Sérgio Cabral. Picciani. Na Presidenta e outros que não me lembro mais. Não sou ligado a partido e voto com o meu entendimento. Uma vez falei com um vizinho para se candidatar a Prefeito e ele veio com a resposta que iria roubar muito. Cuidado na hora de trocar seu deputado pode não ser um bom negócio. O Ministro. Barbosa não leva meu voto, Explico: A nossa República tem três poderes. Se você vota em um candidato do Judiciário vamos ter apenas dois. Ficaria o Legislativo e o Judiciário. O Executivo ficaria acoplado ao Judiciário. Que maravilha né. O Militar não pode ser candidato o mesmo deveria acontecer com Judiciário, que só poderia se candidatar após dez anos de seu desligamento. Ou permitir que o Militar possa se candidatar.

  5. Pingback: Diálogo com a sociedade deve substituir a pressão das ruas | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *