Diálogo impossível

Carlos Chagas

Sexta-feira passada, ouvindo do presidente do Senado, Renan Calheiros, que através de Aécio Neves as oposições estavam prontas para ir ao seu encontro, se convidadas, a presidente Dilma Rousseff abriu ampla avenida no relacionamento parlamentar. Respondeu  que iria chamar os adversários na segunda-feira. Senão  de euforia, foi de expectativa otimista a reação no PSDB e adjacências. Afinal, o ministro da Justiça já havia procurado o ex-presidente Fernando Henrique para demorada conversa.

Pois começa a semana e o que acontece? Dilma cumpre a palavra,  convocando a oposição, mas quem? Apenas o senador Randolfe Rodrigues. De Aécio Neves, Aloísio Nunes Ferreira, José Agripino, Jarbas Vasconcelos e outros  de mais idade e mais experiência, nada. Ontem, até de noite,  já  não se esperava o chamamento presidencial, ainda que alguns oposicionistas ainda mantivessem tênue chama de esperança.

Quem jogou a pá de cal no diálogo foi, ironicamente, Fernando Henrique: “agora é tarde para chamar a oposição”. Talvez porque ele já tenha sido procurado, ainda que por um ministro, não quis  levantar a bola para  seus companheiros marcarem pontos. 

Há, porém, que prospectar mais fundo na busca dos motivos de porque as oposições foram deixadas ao sol e ao sereno. Será por conta do contundente discurso pronunciado por Aécio Neves, semana passada, chamando o governo Dilma de “Brasil Velho”? Talvez não, porque Randolfe Rodrigues costuma falar coisa pior. Uma explicação talvez se encaixe melhor: a sucessão presidencial do ano que vem. Dilma não estaria disposta a botar azeitona na empada de Aécio Neves, que fatalmente sairia vitorioso do gabinete presidencial, como alguém que não aceitou a proposta do plebiscito sobre a reforma política.

O ano de 2014 está mais longe do que jamais esteve, por conta das manifestações de protesto verificadas no país inteiro, mas, pelo jeito, menos para os detentores do poder. Eles continuam só pensando  naquilo, ou seja, a reeleição de Dilma, quando não estão conspirando para fazer do Lula o candidato. Aécio Neves assusta o PT, assim como Marina Silva, mas não mais do que Joaquim Barbosa, recém-chegado às pesquisas. Por isso, nas especulações preliminares, rejeita-se a hipótese de candidatos avulsos, ou seja, sem partido.

Depois de haver recuado na sugestão de uma Constituinte  exclusiva, a presidente parece saltar de banda também diante da segunda proposta, o envio ao Congresso de  perguntas objetivas a que a população teria de  responder num insosso plebiscito sobre a reforma política. Limitou-se a “sugestões” de  temas, por saber da impossibilidade de o eleitorado manifestar-se sobre intrincados detalhes das mudanças sempre alardeadas mas jamais realizadas. Pelo que se prevê, não haverá plebiscito, ainda que, se houver, será para muito mais tarde, inviabilizando qualquer reforma para vigência nas eleições do ano que vem.

DILMA RECUSA MILITARES

Corre em Brasília que na recente reunião com governadores e prefeitos de capital, a presidente Dilma rejeitou a proposta de alguns deles, para convocar as forças armadas na preservação da ordem pública. Mesmo no auge das depredações, ela preferiu confiar nas polícias militares estaduais e na força de segurança nacional.  Apelar para  os generais, mesmo quando vão se completar 50 anos do movimento  militar, ainda não é uma solução para a presidente.Ficaria devendo, apesar de a totalidade dos atuais comandantes não serem nem tenentes, quando  da deflagração do golpe.

DENTRO E FORA DE CASA

Numa segunda-feira inusitada, com o plenário do Senado cheio, o senador Blairo Maggi (PR-MT) expôs o seu diagnóstico a respeito do que vai acontecendo nas ruas do país. Para ele, melhorou a vida do cidadão quando ele está em casa. Conseguiu comprar geladeira, televisão, até computador.  Quando abre a porta e vai trabalhar, é o caos. Sem transportes, educação, saúde e segurança, apela para o protesto. 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Diálogo impossível

  1. Chagas dizes que Dilma convocou a oposição na pessoa do senador Randolfe Rodrigues. Você graduado por muitos anos de jornalismo, homem bem informado considera Randolfe da oposição? Convenhamos Chagas, assim não dá. O PSOL, partido moralista de um lado e de outro desfralda a bandeira da liberação da maconha e da cartilha que ensina criancinhas a prática do homosexualismo(chega ao ponto de o tal deputado Willy que é chegado a práticas homosexuais, dizer que a maioria dos deputados e senadores deviam “sair do armário (?)(?)(?), inclusive os do PSOL), sempre fez parte da “tropa de choque do PT”. A comprovação veio nas últimas eleições. Pelo que prega o PSOL deveria liberar sua militância no segundo turno. Não fez nada disso: inventou um tal voto crítico em Dilma, defendido por seu presidente Milton Temer primo de Michel Temer(as famílias árabes são seculares). Randolfe foi convidado para defender o que pretendem os invertidos sexuais: Condenar a homofobia, que ninguém sabe definir o que é. E a comprovação do voto, alguém defendeu?

  2. Prezado Antônio Santo Aquino, solicito que leia os tijolaços de Brizola dos dias
    24/07/2003 e do dia 18/03/2004, em que Brizola referindo-se ao Lula escreve: As esperanças do
    povo brasileiro, haviam sido miseravelmente TRAÍDAS.
    Dizer a verdade, jamais será vulgar.
    Aceite um forte abraço, desejo-lhe muita saúde.

  3. “Aécio Neves assusta o PT”, se o PT tiver medo deste traste de nome “aécio cunha” é
    melhor fechar para balanço, este sujeito nunca fez nada de útil na vida, não passa de
    um lupem burgues.
    “Dilma rejeitou a proposta de alguns deles, para convocar as forças armadas na preservação da ordem pública.” A é, então as forças públicas que possuimos não
    servem para nada? O escriba vez por outra tem saudade de seu tempo com CB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *