Dilma, a má

Sebastião Nery

Getúlio Vargas tinha oito anos, já estava lá em São Borja semeando espertezas. Num dia de conversa fiada, o pai quis saber o que ele estava pensando da vida:

– O que é que você quer ser quando crescer?

– Militar.

– Por que militar? Meu filho, você sabe que o militar se arrisca muito?  Que o militar está sempre exposto a ser morto pelo inimigo?

– Então eu quero ser o inimigo.

E Getúlio, até o ultimo instante, até o tiro de abril de 1954, passou a vida eliminando politicamente aqueles que o escolhiam para inimigo.

GETÚLIO

1. – Em 1936, depois da Constituinte de 1934, eleito Presidente pelo Congresso, Getúlio  criou o salário mínimo. A formula era simples:

 – “Deve cobrir 10 cestas básicas de gêneros alimentícios”.

E o patronato brasileiro, herdeiro da escravidão nas cidades e nos campos, o escolheu definitivamente, quase sempre iradamente, para inimigo.

Meio século depois, a Constituição de 1988, no capítulo II, dos Direitos Sociais, artigo 6º, estabeleceu o direito de todo trabalhador ao salário mínimo. A Consolidação das Leis do Trabalho, na cláusula IV,  define que o salário deverá “atender às necessidades vitais básicas do trabalhador e as de sua família, como moradia, alimentação, educação, lazer, saúde, vestuário, higiene, transporte e previdência social”

O salário mínimo é a matriz da justiça e da injustiça  social no Brasil. Todos os direitos do trabalhador brasileiro são a partir do salário mínimo.

IBGE e DIEESE

2. –  Logo por aí se mede a profunda tragédia social do pais. O sério IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no “Censo 2010: Educação, Trabalho e Rendimento”,  constatou que “72% (!!!) dos assalariados brasileiros ganham até 2 salários mínimos (!!!). E somente 1% ganham acima de 20 salários”, Esta é a pirâmide social brasileira.

O DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), que já foi uma entidade ativíssima na interpretação das distorções concentradoras de renda em detrimento dos assalariados, em tempo saiu do marasmo conformista. Demonstrou que, se fosse cumprido o que estabelece a lei, o salário mínimo brasileiro deveria ser de R$ 2.892,47.

A exemplo do que ocorre em outras partes do mundo desenvolvido: o salário mínimo nos EUA equivale a 1.454 dólares, na Inglaterra 1.411, no Japão 944, na Coréia do Sul 797, na Holanda 634.  E  na Austrália surpreendentes 2.240 dólares. Na Alemanha, onde vigora, desde o fim da guerra, um pacto social que envolve empresas e trabalhadores, o debate sobre o salário mínimo fez parte da recente campanha eleitoral.

MÍNIMO

Em 1º de janeiro de 2014, o salário mínimo passará dos 678,00 reais para 722,90. Nos 4 anos da administração Dilma Rousseff, o salário mínimo teve a menor valorização, com perda real, se comparado com os governos anteriores. A partir de 1994, com o Plano Real, o aumento do piso salarial acima da inflação em números crescentes garantiu uma melhor distribuição da renda e elevação do poder de consumo dos assalariados.

O IBGE mostra que o ganho real do salário mínimo, nos 16 anos dos governos Fernando Henrique e Lula, foi  expressivo. Entre 1995 e 2002, na governos FHC, o ganho real do piso salarial foi de 44,5%. Nos governos Lula (2003 a 2010), o aumento foi ainda mais expressivo: 53,5%. Com FHC, a media anual do ganho real foi de 4,7%. Com Lula, 5,5%.

RENDA

No atual governo Dilma, com a fixação do piso já para 2014, em 4 anos o poder de compra do salário mínimo  foi reduzido. O aumento real, acima da inflação, foi de 11,9%, média anual de 2,8%. Nos 16 anos de FH e Lula, o ganho real tinha sido crescente.Nos 4 anos de Dilma, decrescente.

Repetindo. Este é um doloroso  retrato. Segundo o IBGE, 72% dos   brasileiros ganham menos de 2 salários mínimos. Hoje, menos de 1.356. Em janeiro, menos de 1.445. E Dilma, a Má,  ainda tem a maldade de trombetear a propaganda da criminosa renda media nacional de R$1.507.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Dilma, a má

  1. Bom artigo Sr. Nery.

    Segundo o IBGE, que divulgou os indicadores de trabalho e rendimento de agosto, o índice de desemprego está em 5,3%, o rendimento médio real habitual dos ocupados foi de R$1.883,00 (um mil, oitocentos e oitenta e três reais). A massa de rendimento real dos ocupados vem aumentando paulatinamente em todas as gestões: FHC, Lula e Dilma. Não parou!

    Com base no custo apurado para a cesta básica em São Paulo (que é a mais cara do Brasil), e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser capaz de suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em agosto deste ano, o menor salário pago deveria ser de R$ 2.685,47, ou seja, 3,96 vezes o mínimo em vigor, de R$ 678,00.

    Veja-se que, nem o rendimento médio real habitual dos ocupados (R$1.883,00) alcança o valor projetado pelo DIEESE.

    De qualquer forma, em relação à política do salário mínimo, constatamos ajustes reais (acima da inflação) desde a época de FHC. Sem interrupções.

    Veja esta pequena série temporal dos reajustes do salário mínimo frente à inflação:

    ANO………………SAL.MÍNIMO……..REAJUSTE………INFLAÇÃO (IPCA)
    1994………………..R$70,00………………………………………..
    1995………………R$100,00…………42,85%………….22,41%
    1996………………R$112,00…………12,00%……………9,56%
    1997………………R$120,00………….7,14%…………….5,22%
    1998………………R$130,00………….8,33%…………….1,66%
    1999………………R$136,00………….4,62%…………….8,94%
    2000……………….R$151,00…………11,03%……………5,97%
    2001……………….R$180,00………….19,21%…………..7,67%
    2002……………….R$200,00………….11,11%………….12,53%
    2003……………….R$240,00………….20,00%……………9,30%
    2004……………….R$260,00…………….8,33%…………..7,60%
    2005……………….R$300,00…………..15,38%…………..5,69%
    2006……………….R$350,00…………..16,67%…………..3,14%
    2007……………….R$380,00…………….8,57%…………..4,46%
    2008……………….R$415,00…………….9,21%…………..5,90%
    2009……………….R$465,00…………..12,05%……………4,31%
    2010……………….R$510,00…………….9,70%……………5,91%
    2011……………….R$545,00…………….6,90%……………6,50%
    2012……………….R$622,00…………..14,13%…………….5,84%
    2013……………….R$678,00…………….9,00%…………….5,54%(projetada)

    # Reajustes acumulados: 869,02%
    # Taxa Média de reajuste: 12,70%
    # Inflação acumulada: 273,54%
    # Taxa Média da inflação: 7,18%
    # Taxa média de ganho do salário mínimo frente à inflação: 5,15%
    # Ganho real do salário mínimo de 1994 a 2013: 159,41%

    Veja, também, nesta pequena série temporal dada pelo IBGE, sobre a decrescente taxa de desocupação:

    ANO………………..% de desocupados
    Ago/2002………..11,7
    Ago/2003………..13,1
    Ago/2004………..11,4
    Ago/2005…………9,4
    Ago/2006……………10,6
    Ago/2007…………….9,6
    Ago/2008…………….7,6
    Ago/2009…………….8,1
    Ago/2010…………….6,7
    Ago/2011…………….6,0
    Ago/2012…………….5,3
    Ago/2013…………….5,3

    O crescente número de ocupados, mais a elevação do rendimento real médio dessa massa de trabalhadores, ativaram a economia, fazendo, também ampliar o mercado de crédito e o PIB nacional lá para cima: saímos de um PIB de R$1,478 trilhões em 2002 para R$4,403 trilhões em 2012. Espera-se para 2013 algo em torno de R$4,700 trilhões. Tudo isso baseado no grande crescimento do mercado de consumo dado pelo aumento da massa de rendimento real dos ocupados e da política de transferência de rendas como o bolsa família.

    Há, ainda, como aumentar o poder de consumo do brasileiro por outro meio que não seja somente o aumento real dos salários, Sr. Nery. Basta o governo provocar a reforma tributária e enxugar o imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços (ICMS); imposto este que reduz o poder de consumo.

    Então, há dois caminhos que se encontram neste “front”, e ambos com resultados espetaculares para a economia nacional: um é continuar reajustando os salários acima da inflação todo ano, o outro, de uma vez só, é reduzir a carga tributária gerada pelo ICMS de cima do orçamento das famílias.

    Se a Dilma fizer isso, terá a faca e o queijo nas mãos para prolongar-se no poder indefinidamente. Ela e o PT.

  2. De fato, junto com a ampliação da massa salarial tem de haver, concomitantemente, a ampliação da competitividade das indústrias estimulando o aumento da produção, de modo a aumentar a oferta e reduzir as pressões inflacionárias por conta da demanda.

    Mas, o primeiro fator que deve ser ampliado é a demanda que por consequência induzirá novos investimentos e ampliação da capacidade produtiva. Enquanto este equilíbrio entre a oferta e a procura não ocorre, é obrigação do governo acionar a política monetária e fiscal para o controle dos preços.

    O raciocínio serve tanto para o enxugamento do ICMS quanto para os aumentos reais dos salários.

    Para promover a reforma tributária, incluindo aí o ICMS, tributo indireto de domínio dos estados federativos, é necessário que a Dilma estimule um pacto fiscal.

    É simples. Basta haver compensação para que os Estados e Municípios (25% do ICMS) vai para os Municípios, não sejam prejudicados.

  3. Este salário mínimo está criando um monstro, é a favelização em todo país. Quem ganha até
    dois salário mínimos, não tem condições de pagar aluguel de moradia, IPTU, luz, água,alimentação,
    a favela é a única solução.

  4. Dilma está dilapidando o legado político deixado por Lula e afundando o PT. Passou a oprimir os sindicatos, os servidores públicos, as centrais sindicais e os movimentos sociais. Na contramão, passou a fazer afagos a inimigos históricos do PT, como a mídia golpista e concedendo isenções fiscais a grandes empresários…Depois, em 2014, não digam os petistas que eu não avisei: Dilma veio de encomenda para destruir o Partido dos Trabalhadores…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *