Dilma acha que perde no TCU e pode ser abandonada por Lula

Natuza Nery e Valdo Cruz

Folha

O governo tem trabalhado com a certeza de que será derrotado no TCU (Tribunal de Contas da União) e, pela primeira vez, acredita que corre o risco real de perder o apoio de Lula. O ex-presidente passou a fazer críticas públicas à política econômica deste segundo mandato. Na quinta-feira (10), assustou a cúpula do Palácio do Planalto ao dizer, publicamente, que o ajuste fiscal promovido pela presidente significa corte de salário e emprego.

E foi além. “A economia não poderia funcionar [em sua administração] sem uma política de, primeiro, muita previsibilidade. Porque em economia não existe mágica, existe uma palavra chamada confiança e credibilidade. E se ela existir entre os governantes e os governados, tudo fica mais fácil.”

O problema é que confiança e credibilidade são dois atributos que a gestão de sua criatura perdeu nos últimos meses do segundo mandato. Empresários que, até a semana passada, preparavam uma ofensiva no Congresso para ajudar o governo a aprovar medidas de contenção de gastos e, assim, evitar o rebaixamento do selo de bom pagador do Brasil, passaram a refazer cálculos após a agência S&P (Standard & Poor’s) tirar o grau de investimento brasileiro.

TROCA DE GUARDA

Esses mesmos empresários ainda dão um voto de confiança para a presidente, mas esperam que ela reaja a tempo. Caso contrário, vão avaliar se é melhor manter o apoio a um governo que não consegue apontar saídas para a crise ou se ajudam a promover uma troca de guarda, como deseja o PMDB, o partido que, com uma ou outra exceção, conspira no banco de reserva.

Outro obstáculo no percurso de Dilma está no TCU. E, aos olhos de auxiliares de Dilma, já são irrisórias as chances de se obter vitória no julgamento das chamadas pedaladas fiscais e outras manobras para mascarar gastos públicos em 2014.

A rejeição das contas presidenciais relativas ao ano passado é o pontapé que a oposição espera para deflagrar um processo de impeachment por suposto crime de responsabilidade.

No termômetro de ministros petistas, o governo se fragilizou muito nos últimos dias. Está mais vulnerável, reagindo por espasmos.

Até mesmo funcionários do Palácio do Planalto, militantes do PT nas últimas quatro eleições nacionais, não escondem insatisfação com a chefe. E a intriga, artefato abundante no atual estágio da crise, conquistou níveis estratosféricos. Ministros andam se estranhando em padrão quase diário.

PEDALADAS DA DILMA

Na quarta-feira (9), os titulares da Fazenda, Joaquim Levy, e da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, tiveram uma dura discussão ao telefone por um motivo banal. O primeiro demorava para apresentar uma nota com a posição do governo sobre o rebaixamento da S&P. O segundo cobrava pela manifestação do ministro.

Cansada de esperar, Dilma mandou que Nelson Barbosa, o ministro do Planejamento, falasse à imprensa. Levy não gostou.

O ministro, a propósito, não informou à presidente sobre a redução da nota pela agência. Dilma soube pela imprensa. Na sexta-feira (11), Edinho Silva procurou a Folha para dizer que Levy alertou o governo tão logo soube do “downgrade”. Não foi a versão que correu a Esplanada dos Ministérios.

SINAL TROCADO

Segundo diversos assessores ouvidos pela reportagem, a presidente tem oscilado de posição com frequência. Sai um ministro de seu gabinete e a opinião é uma. Mas é só entrar uma outra pessoa, com avaliações diferentes, que ela muda a forma de pensar.

Não por acaso, o Palácio do Planalto tem promovido recuos constantes. O mais emblemático dos casos foi a proposta de recriar a CPMF. Enquanto a cúpula da Esplanada decidia, num fim de semana, desistir da ideia, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, dava uma palestra defendendo a medida.

One thought on “Dilma acha que perde no TCU e pode ser abandonada por Lula

Deixe um comentário para Tarciso Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *