Dilma agora tenta se recompor com Temer, “o grande articulador”

Dilma tenta consertar o erro cometido com Temer e o PMDB

Deu na Folha

Pressionada por Lula a refazer pontes com o PMDB, a presidente Dilma Rousseff fez no domingo um aceno ao vice-presidente Michel Temer, considerado o principal expoente do partido aliado. A petista destacou o perfil conciliador do peemedebista e o classificou como um “grande articulador de consensos na política brasileira”.

Dilma afirmou ainda que Temer “tem responsabilidades essenciais”, como o “auxílio na condução” de seu governo. O afago ocorre depois que a Folha publicou reportagem que tratava do distanciamento entre os dois.

Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência afirmou que as informações não tinham fundamento e que Dilma e Temer “mantêm uma aliança e amizade permanentes, para além das intrigas”.

Dilma nunca teve uma relação próxima com seu vice, mas a situação se agravou no início do segundo mandato, especialmente depois que Temer apoiou a candidatura de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), considerado desafeto do Palácio do Planalto, para a presidência da Câmara.

NA GELADEIRA…

Dilma e Temer só estiveram juntos acompanhados de outras pessoas em atividades institucionais. Desde a disputa pelo comando do Legislativo, o vice-presidente foi colocado na “geladeira” palaciana, motivando ataques, inclusive, entre peemedebistas.

Diante de um cenário turbulento na política e na economia, a presidente chegou a ser aconselhada pelo ex-presidente Lula a buscar entendimento com o Congresso e principalmente com o PMDB.

O petista procurou alertar o Planalto de que o governo precisa dos congressistas para conter a inflação e garantir a aprovação das medidas de ajuste fiscal propostas pela equipe econômica.

Há problemas com o PMDB na Câmara e no Senado que prometem dificultar a vida do governo com a aprovação de propostas com impacto nos cofres públicos.

Com os problemas da articulação política da equipe de Dilma com o Congresso, o vice-presidente decidiu oferecer um jantar nesta segunda-feira (23) ao ministro Joaquim Levy (Fazenda) e a cúpula do PMDB, numa tentativa de discutir as medidas do ajuste fiscal e abrir um novo canal de interlocução.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Dilma está tendo de engolir a arrogância. Depois de se humilhar diante de Lula, que na quinta-feira antes do Carnaval a obrigou a ir a São Paulo e lhe pedir desculpas, agora se vê obrigada a elogiar Temer e o PMDB, que a derrotaram fragorosamente na eleição da presidência da Câmara. Como diz o velho ditado, nada como um dia atrás do outro… (C.N.)

12 thoughts on “Dilma agora tenta se recompor com Temer, “o grande articulador”

  1. Acho que já é um pouco tarde, a situação política está a cada hora mais quente. Hoje os caminhoneiros estão fazendo manifestações em vários estados. Essas manifestações não são chapa branca, como as do MST, MTST, CUT, UNE, etc.. Já está na internet os locais das manifestações do dia 15.

    • A manifestação dos caminhoneiros denuncia o estrangulamento da condição de continuidade de operacionalização de uma categoria e denota uma reivindicação que só pode ser atendida mediante a quebra da política econômica adota pelo governo ou pelo tempero do aumento da inflação – decorrente do aumento dos frentes. Outros setores da sociedade vão entrar nessa mesma situação. a insatisfação social só tende a aumentar e os ouvidos da população vão ficar insensíveis a cantos de sereias. O problema é que não vejo canais que possam conduzir essas insatisfações e aí… Veremos no que vai dar, mais que vai ter, isso vai. Vai não, já está tendo.

      • Ontem especialistas já disseram que a conta de luz, na região sudeste, pode aumentar até 70%. Esse aumento vai espraiar para todos os setores, sendo o principal o de alimentação. O custo da energia na composição de preços de padarias e supermercados é altíssima !

  2. É o sentimento da prudencia. Parece que já começou a roncar la pelos lados do planalto, a voz rouca do “congresso”, que esta nas mãos do PMDB.
    Apos a Dilma, não viria o dilúvio, mas o Michel Temer, e por vias das dúvidas, um tiroteio em épocas de crise não é aconselhável, dai a política de “engolir alguns sapos”, não seria de todo impraticável. Parece que
    a coisa esta mais séria do que imaginamos.

  3. Não tem de consertar nada, ô Temer. Queremos essa senhora e sua gang fora do poder. Se ela renunciar, assuma e dance de acordo com a música que nós, povo, queremos. Caso contrário, fora também.

  4. O melhor para o Brasil e pessoalmente para Dilma é a sua renúncia. Já é hora dela desconfiar que trilhou caminhos errados desde sua juventude ao optar pela falácia esquerdista totalitária da “salvação” da humanidade.
    Ainda dá tempo dela mudar de vida com a renúncia e com a dignidade de reconhecer o equívoco ideológico que a levou aos erros que cometeu durante todo esse tempo.
    Enfim, o fatos estão aí a lhe estapear a cara e não tem como ela não senti-los.
    É bom se lembrar do tenebroso fim de carreira de Celso Pitta, poste plantado por seu antecessor, que não teve nenhuma piedade quando o viu na sarjeta.
    -Pense nisto, Dilma.

  5. Que situação a parcela inconsequente, sem inteligência e sempre dependente de “bolsas” colocou o país! Ver Dillma, Temer, Eduardo e Renan na condução da nação dá vontade de vomitar.
    Por onde andará o tal do “bom senso”?

  6. O PMDB, contribuindo para a continuidade dessa senhora, vai prestar mais um desserviço à Nação.
    No mensalão ajudou a blindar o apedeuta.
    Ver o partido do Dr. Ulysses comandado por uma caterva como agora, é trágico!
    Gente que absolutamente desconhece ou está desinteressada em melhorar e fazer respeitada uma Nação de mais de 200 milhões!

    • Vitor
      O PMDB, nos últimos 20 anos, só fez estar em governos. Os cargos são mais importantes do que as ideologias, as candidaturas próprias e tudo mais.
      Infelizmente, com raras e honrosas exceções, o “maior partido” de todos os tempos, tem em seus quadros com mandatos, grandes negociantes e péssimos brasileiros.
      Afinal, quem elegeu Renan e Eduardo? Quem decidiu apoiar FHC, Lulla e Dillma?
      As decisões são tomadas pelas maiorias. Assim, a maioria do PMDB é isto ai: negociadores, incompetentes, administrativamente mas não politicamente.
      Lembra o que aconteceu com a candidatura de Ulisses? Eles vendem tudo para ganhar. Eles traem seus colegas. O que farão com os outros?
      Abraço;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *