Dilma e Cunha costuram o acordo mais indecoroso da História

Fernanda Krakovics, Simone Iglesias e Júnia Gama
O Globo

Em conversa na última segunda-feira à noite, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pediu ao ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, que o governo interfira nas investigações contra ele, sua mulher e sua filha na Operação Lava-Jato; que substitua o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pelo vice-presidente Michel Temer; e que atrapalhe o andamento de processo contra ele no Conselho de Ética da Câmara. Essas foram as condições colocadas por Cunha – acuado por investigação do Ministério Público suíço sobre contas em seu nome – para não iniciar um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, segundo relato de Wagner a aliados. O ministro da Casa Civil e Cunha negam haver essa negociação.

O governo alega não ter como entregar o que Cunha pede, principalmente o controle das investigações do esquema de corrupção na Petrobras. Dilma também resiste em trocar Cardozo, o que já foi pedido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que acusa o ministro de ter perdido o controle da Polícia Federal. Porém, segundo deputados que estiveram terça-feira em reuniões no Palácio do Planalto, há a expectativa de que Wagner dê uma resposta a Cunha sobre suas demandas nos próximos dias. O apoio no Conselho de Ética é a parte mais fácil de ser atendida.

BLINDANDO A FAMÍLIA

Cunha estaria especialmente preocupado em blindar sua mulher e sua filha. Documentos enviados pela Suíça, em poder da Procuradoria-Geral da República, revelaram que as contas do presidente da Câmara no exterior foram abastecidas com dinheiro desviado da Petrobras e financiaram gastos pessoais de sua família.

Nas conversas que teve com ministros de Dilma, Cunha pediu o arquivamento da denúncia que responde por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava-Jato ou, ao menos, que o governo tente paralisar o andamento do processo no Supremo Tribunal Federal (STF).

– Vocês me colocaram nisso, agora me tirem – disse Cunha a interlocutores de Dilma, que relataram parte de uma conversa ao Globo.

NA BASE AÉREA

A conversa entre Cunha e Wagner, na última segunda-feira, aconteceu na Base Aérea de Brasília. Originalmente estava marcada para a residência oficial da Câmara, mas o peemedebista telefonou para o ministro avisando que havia jornalistas em sua porta. Na semana anterior, Cunha se reuniu com o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, e com Giles Azevedo, assessor especial de Dilma. Nesta quarta-feira, Cunha reafirmou estar aberto ao diálogo com qualquer agente político – do governo e da oposição – e disse que não se sente pressionado no cargo.

 

– Não tem trégua porque não tem guerra. Não precisa ter trégua nem guerra. Tenho que cumprir minha função que é dar curso (às votações). Não fiz nada diferente do que disse que não iria fazer. Sempre disse que impeachment não é recurso eleitoral, que fato anterior não contamina mandato presente – disse Cunha nesta quarta-feira.

Neste momento, o governo e Cunha querem tempo. O Planalto, para tentar reconstruir sua base aliada e garantir os votos necessários, se o processo de impeachment for aberto. E o presidente da Câmara porque, a partir do momento em que tomar uma decisão sobre esse assunto, deverá ser abandonado pela oposição. Em última instância, o governo aposta na abertura de um debate jurídico, a partir das liminares concedidas pelo STF anteontem, para obstruir o andamento do processo de impeachment.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGÉ o acordo mais indecente, indecoroso e indigno da História Republicana deste mais. Quem ainda tem estômago para defender Dilma ou Cunha deve ser da mesma laia desses dois heróis de pés de barro. (C.N.)

15 thoughts on “Dilma e Cunha costuram o acordo mais indecoroso da História

  1. Não estou surpreso com o fato. QUAL DOS DOIS É CONFIÁVEL ?

    ”sorria a nossa pátria mãe tão distraída, sem perceber que era (ou é)
    corrompida em tenebrosas transações”

    E olha bem quem escreveu isto : Exatamente : Chico Buarque.
    E, mais não digo, e nem me foi perguntado. Precisa ?

  2. …Agora, ” costuram” um “acordo” maléfico, vil, abjeto, apodrecido, em nome da ” governabilidade”_incluindo transformar o Parecer do TCU em papel higiênico . Ora, é isso o significado de uma Instituição funcionando normalmente? Sim, nenhuma dúvida, em se tratando de Brasil, essa chacota internacional, esse deleite para os cínicos de todo o planeta. O eminente professor da Unicamp, Roberto Romano, acaba de dar uma entrevista contundente, afirmando que o que se está assistindo é uma ” Ética de Máfia”. Claro, completo eu, tudo ” democraticamente”_ não é lindo?

    Saudações,

    Carlos Cazé.

    • Sr. Paulo,, viu quem são os bandidos????
      eh1eh!eh!eh
      Estou lhe falando há séculos que o Páis não tem mais jeito, e o pior, ainda vai ficar pior mais do que ruim, , é só aguardar.
      Está cheirando uma bela pizza no sabor de marmelada com leve toques do caviar efeaghaciano…….
      eh!eh!eh!eh

  3. Morreu na madrugada de hoje (15), no Hospital Santa Helena, o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra. Ele foi comandante do Destacamento de Operações Internas (DOI-Codi) de São Paulo no período de 1970 a 1974, durante a ditadura militar.

  4. Enquanto isso a crise econômica, sem precedentes, se acentua a cada dia. Economistas, jornalistas, pessoas nas filas dos supermercados, nos trens sucateados, nos complexos dos chapadões, anunciam cotidianamente a desgraça financeira e social aonde os canalhas enfiaram o país. E a corja política fica discutindo quem blinda quem.
    Aguardem a nossa triste e subdesenvolvida Sarajevo pós carnaval. Até lá, se tudo continuar estagnado e imobilizado com a regência do capo dom lula, o desemprego, carestia, inadimplência, inflação e o diabo a quatro farão o serviço. Eles prometeram que fariam o diabo para ganhar a eleição… vão encontrá-lo em 2016.

  5. Caro CN … Boa tarde!

    É difícil crer num acordão:
    1 – há quem não cumpre acordos;
    2 – há quem se elegeu exatamente porque muitos se cansaram dos acordos não cumpridos;
    3 – há quem investiga quem se elegeu com votos cansados;
    4 – kkk

  6. “É o acordo mais indecente, indecoroso e indigno da História Republicana deste mais. Quem ainda tem estômago para defender Dilma ou Cunha deve ser da mesma laia desses dois heróis de pés de barro. (C.N.)”

    Tú libera meu impizitinho e eu libero as contas na Suiça..””””

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *