Dilma entre dois flancos

Tereza Cruvinel Correio Braziliense

Na economia, a repercussão frustrante de um crescimento inferior ao esperado no primeiro trimestre. Mais uma vez, o ministro da Fazenda teve que rebaixar suas previsões para o ano, seguindo o que já fizera o mercado. Na política, finalmente começaram todos a colocar um dedo numa ferida que vem sendo tratada com subterfúgios: a crise de compromisso da base parlamentar.

Paradoxalmente, a presidente que enfrenta esses problemas mantém o mais índice de popularidade da era democrática, segundo as últimas pesquisas a respeito.

Deixemos a economia para os especialistas — que, por conta do “pibinho” e apesar da inflação de alimentos, apostavam ontem em alta mínima dos juros — e fiquemos na política. Por algum tempo, o Planalto fingiu desconhecer os problemas em sua base de sustentação parlamentar. Por alguns dias, foi mais cômodo apontar o líder do PMDB, Eduardo Cunha, como bruxo da vez. Se criou problemas, foi graças ao problema maior existente. As cúpulas do PT e do PMDB usaram os analgésicos que puderam, esperando uma resposta do governo. Como ela não veio, e a febre continuou subindo, nas últimas horas começaram todos a colocar o dedo na ferida: ou Dilma muda de atitude em relação à coalizão, ou terá problemas pela frente. Já está tendo.

O problema aflorou no jantar da semana passada, entre os senadores petistas e o presidente do PT, Rui Falcão, foi objeto de uma reunião, anteontem, entre líderes governistas e ministros palacianos, e ontem foi escancarado por declarações do líder petista na Câmara, José Guimarães, e pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, direitíssimo ao ponto. “Não adianta tapar o sol com a peneira. Algo não vai bem na base governista.”

VOTAÇÕES

Se, na semana passada, dos 423 deputados que teoricamente integram a base, pelo menos 257 (metade da casa mais um) tivessem comparecido à sessão noturna, teriam sido aprovadas em tempo hábil as medidas provisórias 601 e 605. Mas só havia 210 deputados em plenário, parte deles, da oposição, que aproveitou para obstruir. Às 22h, Alves encerrou a sessão. Os governistas não iriam chegar para votar. Deixaram para pegar o avião para Brasília no dia seguinte. O nome disso é descompromisso.

As MPs foram votadas no dia seguinte pela manhã, mas deixando menos de sete dias de prazo para a apreciação do Senado. E como Renan Calheiros havia se comprometido com seus pares, ao votar a MP dos Portos faltando quatros horas para a perda de validade, que não colocaria novas propostas em votação com prazo de tramitação inferior a sete dias, teve que honrar a palavra, impondo um grande prejuízo ao governo. Uma das medidas trata da redução da tarifa de energia. Outra da desoneração de encargos trabalhistas para alguns setores empresariais. Vai-se dar um jeito de salvar as matérias enfiando-as como emendas em outras MPs. É analgésico, mas não é remédio.

Que problemas são esses na base? São difusos, mas podem ser resumidos com a palavra insatisfação. A interlocutora oficial, a ministra Ideli Salvatti, nunca foi devidamente empoderada por Dilma para negociar com o Congresso. Quem ocupa o postos precisa ter autonomia para firmar acordos, e tais acordos precisam ser honrados. Os deputados sentem-se como meros apertadores de botão e os líderes como mandaletes do Planalto.

Há demandas não atendidas, seja na liberação de emendas ou no preenchimento de cargos, mas, quando o ânimo subjetivo é bom, problemas desse tipo vão sendo resolvidos sem gerar crise. Eles decorrem, em grande parte, da personalidade altaneira da presidente, de sua falta de familiaridade com o funcionamento do Congresso e seu centralismo, que pode ser benéfico à gestão (num país onde a burocracia impõe o passo de cágado), mas é nocivo à política. Foram agravadas pelas disputas eleitorais antecipadas nos estados, entre o PT e PMDB. Nessas circunstâncias adversas, na política e na economia, a candidatura de Dilma à reeleição passa a depender, cada vez mais, de sua própria popularidade.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *