Dinheiro da venda do pré-sal se esvai todo no estranho negócio do gasoduto

Resultado de imagem para PRE-SAL charges

Charge do Benett, reproduzida da Folha

Carlos Newton

Em comunicado aos investidores, a Petrobras informa que o dinheiro que a empresa obteve a partir da venda do Campo do Pré-sal de Carcará (comprado pela estatal norueguesa Statoil) será totalmente utilizado para o pagamento de dívidas contraídas junto ao BNDES.  Algumas coisas chamam atenção neste informe da estatal: foi divulgado que o Campo de Carcará foi vendido por 2,5 bilhões de dólares (metade agora, a outra parcela a perder de vista). O mais lógico seria usar os dólares para liquidar dívidas contraídas em dólar aos bancos e fundos estrangeiros, que acabaram de ser renovadas com a faca no pescoço, passando de 5% ao ano para 8,6% ao ano de bônus (pagamento acima dos juros do tesouro norte-americano).

Ao invés disso, optou por liquidar dívidas dentro do país, possivelmente com juros subsidiado pelo BNDES (portanto muito abaixo de 8,6% de bônus sobre o dólar). Nesta estratégia curiosa, permanece mais refém dos bancos estrangeiros, justamente neste momento em que eles pedem ativos e/ou processos de privatização como garantia.

Outro fato curioso é a citação à subsidiaria originária da dívida: a Transportadora de Gás Associada S.A. Aquela mesma, que vai vender a malha de gasodutos do sudeste.

VENDA DO GASODUTO – Assim está se desvendando um mistério de 7 bilhões de dólares: ao vender a NTS (Nova Transportadora do Sudeste), que contempla o transporte de 80% da produção e consumo de gás do Brasil, a Petrobras informou que receberia 4 bilhões de dólares, sem informar se a dívida, que no último balanço somava 7 bilhões de dólares, ficaria com a compradora (a canadense Brookfield) ou com a vendedora (Petrobras).

O pagamento da dívida da Transportadora de Gás Associada S.A. é um indício de que a dívida ficará com a viúva, que terá que sanear (pagar ou transferir internamente) as dívidas e passar o gasoduto limpinho, pronto para a Brookfield lucrar. É o capitalismo à brasileira, sem risco.

ERROS E ACERTOS – Quando a Petrobras arriscou e errou, fica com o erro, que é majorado, garantindo uma gorda baixa contábil. Quando acerta, vende para outros em condições excepcionais. Realmente, o petróleo é muito lucrativo, senão não teria como a empresa ainda existir neste clima de confraternização corporativa entre pseudo-empreendedores.

Tudo indica que, dados os volumes e os preços assumidos de transporte, a Brookfield conseguirá retornar seu investimento em um tempo estimado entre 1 e 5 anos (desde que não tenham dívidas a serem pagas, como tudo indica que será o caso). Todo esse desapego da Petrobras ocorre sob a justificativa de liquidar dívidas, cujo custo de serviço obviamente é menor que o custo de transporte que será cobrado pela Brookfield.

Além do mais, pelo visto, a “quebrada” Petrobras é a única devedora do BNDES a pagar antes do prazo…

4 thoughts on “Dinheiro da venda do pré-sal se esvai todo no estranho negócio do gasoduto

  1. -O sujeito vendo o barraco para pagar parte do que deve ao agiota e no próximo final da semana está sem ter onde morar e devendo o mesmo valor!!!
    -Um novo tipo de ESCRAVIDÃO POR DÍVIDA …

  2. Acabou de sair…

    Leia abaixo a transcrição de uma conversa entre Calero e o presidente da República, Michel Temer:

    Marcelo Calero: Oi, presidente.
    Michel Temer: Oba. Oi, Marcelo, tudo bem, Calero?
    Marcelo Calero: Como vai o senhor, tudo bem?
    Michel Temer: Bem, graças a Deus.
    Marcelo Calero: Maravilha.
    Michel Temer: Então…
    Marcelo Calero: Eu fiz uma reflexão muito grande de ontem pra hoje e agradeço…
    Michel Temer: Pois não…
    Marcelo Calero: … muito por o… por senhor ter insistido, mas eu realmente…
    Michel Temer: …Hum…
    Marcelo Calero: …quero pedir minha demissão e quero que o senhor aceite, por gentileza, porque eu não me vejo mais com… com condições e espaço de estar no governo.
    Michel Temer: Interessante.
    Marcelo Calero: É… então, assim…
    Michel Temer: Tudo bem. Se você não… se é sua decisão, viu, o Calero, tem que respeitar. Ontem acho que até fui um pouco incoveniente, né? Insistindo muito pra você… pra você permanecer é.. confesso que não vejo razão pra isso mas você terá as suas razões.
    Marcelo Calero: Sem dúvida.

    No diálogo abaixo, o secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, discute com Calero a situação do imóvel do então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, que já deixou o cargo.

    Gustavo Rocha: É, eu… eu tô te ligando que… é… eu tô dando entrada com pedido protocolar. [Vou] protocolar o recurso lá no Iphan.
    Marcelo Calero: Tá.
    Gustavo Rocha: Vou protocolar uma cópia aí.
    Marcelo Calero: Tá. Mas eu… eu… eu até falei com o presidente, Gustavo, eu não quero me meter nessa história não.
    Gustavo Rocha: É, e o que ele me falou pra… pra falar era, “veja se ele encaminha, e num precisa fazer nada, encaminha pra AGU”. Falou isso comigo ontem, né? Aí eu falei “não, eu falo isso com ele”.
    Gustavo Rocha: Bom… tá, eu vou… eu vou fazer uma reflexão aqui, Gustavo. Agora, mudando de assunto, Ancine, é… eu pedi uma correção pro texto que me chegou hoje de manhã e… eu tô dependendo da velocidade aqui do nosso jurídico…

  3. Isso me faz lembrar da venda da Vale do Rio Doce, vendida, se não me falha a memória por 3,2 bilhões e logo no primeiro ano deu um lucro próximo ao preço da venda, Alias, o valor da venda, talvez nem chegue perto de 1/100 do patrimônio da Vale. Um verdadeiro crime contra a nação. Agora, estão fazendo o mesmo com gasoduto, que atende a 80% da necessidade do país, que é estratégico, aqui ou em qualquer país.. , .

  4. mais roubalheira avista
    né isso que esses bandidos sempre fazem e a mídia venal/entreguista fica sempre aplaudindo pois para mídia só quem não pode roubar é o pt o resto tudo pode.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *