Diretor do BNDES atuava com João Vaccari na captação de propinas do PT

Azevedo e Lacerda,  em fotomontagem do site politicananet.com

Renato Onofre
O Globo

A Polícia Federal investiga se um ex-diretor do BNDES, ligado ao PT, teria cobrado propina da Andrade Gutierrez para o partido. Em troca de mensagens encontradas no celular do ex-presidente da construtora, Otávio Azevedo, Guilherme Lacerda trata de supostos repasses não feitos a João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, em setembro de 2012. É a primeira vez que um ex-diretor do banco aparece como um eventual agente na cobrança de propina.

No dia 22 de setembro de 2012, Lacerda manda uma mensagem para o executivo: “Otávio, o joao Vac (João Vaccari) me informa hoje que ainda não recebeu para encaminhar. Foi uma surpresa e já criei expectativas em vários lugares. Pf (Por favor) veja isso com urgência“.

No mesmo dia, Otávio Azevedo responde: “Guilherme, estou saindo de Londres e chego amanha. Fique tranquilo e mantenha suas promessas. Esta programação foi feita em conjunto com o JVC (Vaccari). Será feito na próxima semana. Abs”

NOMEADO POR DILMA – Lacerda foi nomeado diretor do banco pela presidente afastada Dilma Rousseff em 6 de fevereiro de 2012. Quatro dias depois de assumir, no dia 10 de fevereiro, ele manda uma mensagem pedindo para falar com urgência com o executivo da Andrade Gutierrez:

“Otávio, já to enfrentando ps (problema). Pepinos lá da diretoria. Assumi e vc n (nem) tchan, heim? Mas brincadeiras a parte preciso ouvi-lo sobre (a) pendência (do) estádio internacional. Retorne me qdo (quando) puder g lacerda” Quatro dias depois, Lacerda cobra: “Preciso realmente falar com você!”

Guilherme Lacerda já foi ex-presidente da Funcef, o fundo de pensão da Caixa, e era ligado aos ex-ministros Luiz Gushiken e José Dirceu. Em 2010, tentou se eleger deputado federal no Espírito Santo, mas não conseguiu a vaga.

Lacerda assumiu a área de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social do banco, na vaga deixada por Elvio Lima Gaspar.

PRÓXIMO A LULA – Ele também integrou o grupo de economistas que preparou o Plano de Governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nas campanhas eleitorais de 1989 e 1994, e, em 2002, foi o coordenador-geral da campanha de Lula, no Espírito Santo.

As mensagens entre Lacerda e Otávio reforçam as investigações sobre o pagamento de propina em contratos de empréstimos do BNDES. O próprio Azevedo disse em delação que pagou 1% de propina sobre valores financiados pelo BNDES em obra da empreiteira Andrade Gutierrez na Venezuela.

Em nota, o BNDES disse que nenhum diretor do banco pode aprovar financiamentos isoladamente e que os processos passam pelo crivo de, ao menos, 50 pessoas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Quando o BNDES for realmente investigado, vai ser um festival. A Diretoria de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social era da cota de José Dirceu, que indicou Elvio Lima Gaspar e Guilherme Lacerda. A gestão mais tenebrosa foi de Luciano Coutinho, que os funcionários chamavam de “Cocheiro de Vampiro”, por seu jeito soturno, sem jamais sorrir. (C.N.)

10 thoughts on “Diretor do BNDES atuava com João Vaccari na captação de propinas do PT

  1. Por ocasião de sua criação, o BNDE – instituído para fomentar os setores básicos da economia – era apenas o Banco Nacional d Desenvolvimento Econômico. Seus funcionários eram concursados e portadores de exemplar conduta.

    Com a passar do tempo virou BNDES e com a tomada do poder pelos petralhas esse “S” agregado foi entendido como sinal verde para SACANAGENS.

    É o que se entende pelo que vem sendo publicado pela mídia independente.

  2. Já passou da hora da atual direção do BNDES tomar vergonha na cara e cumprir o seu DEVER LEGAL de tornar esses contratos públicos, ou o Meirelles não deixa ?

    • Aplaudi quando o BNDES liberou ( em parte ) os dados das obras financiadas no exterior, porém isso, em matéria de valores, é apenas uma pequena parte do que foi roubado. E os Eikes Batistas da vida ???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *