Doleiro Youssef corrompia sete deputados da base aliada

Deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) era “mensalista”

Deu no Jornal Nacional

O advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, um dos investigados na Operação Lava-Jato, falou ao “Jornal Nacional” do sábado sobre a ligação de políticos com o doleiro Alberto Youssef, seu sócio, preso em Curitiba. Carlos Alberto disse que sete deputados federais, ligados à bancada do governo frequentavam o escritório do doleiro Youssef e da GFD.

O único nome citado foi o de Luiz Argôlo (SD-BA). Carlos Alberto disse que não mencionaria os demais nomes por questão de sigilo.

– Ele tinha periodicidade mensal na GFD – disse ao se referir a Argôlo.

Preso desde março, Carlos Alberto foi solto na segunda-feira. Ele é acusado de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Ele disse que foi chamado pelo doleiro para abrir a empresa GFD investimentos, investigada pela PF por receber dinheiro de origem duvidosa de construtoras que tinham contrato pela Petrobrás.

Ele disse que foi apresentado ao doleiro pelo ex-deputado federal do Paraná José Janene, que foi líder do PP e morreu em 2010. Janene foi um dos reús do mensalão.

Segundo o advogado, Youssef era responsável pelo caixa 2 do Janene e que “após a morte, ele continuou a cuidar do caixa 2 do partido”.

O advogado declarou ainda que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa teve vários encontros com o doleiro.

– Eles se reuniam. Eu vi, duas, quatro vezes. Só via passando, sabia que era o ex-diretor da Petrobras, mas não sabia qual o objetivo dessas reuniões – disse à TV.

 

3 thoughts on “Doleiro Youssef corrompia sete deputados da base aliada

  1. Corrupção! Já escreveram e falaram muito sobre o tema. E nós, aqui na Tribuna, também. Encaminhamentos? Pequenos, poucos e de resultados duvidosos. O fato de hoje, amortece ou leva ao esquecimento o anterior. São tantos que é difícil acompanhá-los, mesmo para aqueles que se preocupam.

    A corrupção, no nosso país, tomou proporções inimagináveis e está descontrolada, solta no ar. Onde se olha, lá esta ela: setor público, privado e sociedade. Viva, pujante, muito bem alimentada, dirigida e utilizada: só tende a crescer.

    Autores, atores, assistentes: todos convivem e se suportam, se sustentam, se ajudam. Tudo é feito pelo bem comum: o deles – dos corruptos.

    Como romper com este vicioso e viciado círculo de bandalheiras e canalhices, organizado no seio das instituições públicas, como jamais se viu em nosso país?

    É o novo crime organizado, agora pelo e no estado brasileiro? Terão se espelhado, se formado com os “mestres” que comandam, no submundo, o crime organizado fora do sistema?

    Por onde andamos, ali está um ramo, um galho, uma nova semente sendo plantada e regada. E o fruto esperado tem o mesmo sabor dos demais: lucro e ganho. Não com trabalho, mas com o desvios de recursos públicos, na sua imensa maioria.

    Nos últimos anos, muitas árvores foram plantadas e suas raízes esgueiram-se a procura de alimento que as tornem maiores e mais fortes.

    Faça como tenho feito: olhe e analise as faces, os olhos, os sorrisos e as palavras, da maioria de nossos representantes, nos três poderes. O que vemos? O ódio ao opositor, a ganância pelo poder, a falsidade nas palavras e nas reais intenções.

    Assim, as verdadeiras “vinhas da corrupção” foram sendo plantadas e agora seus frutos estão a alimentar um grupo de malfeitores.

    E nós, somos os doadores, aqueles que sustentam a grande máquina produtora da riqueza que oferecerá a eles, os bons frutos.

    Para nós, sobrarão as migalhas. A sociedade que trabalha e paga tudo, receberá ensino, saúde, segurança e demais serviços, de má qualidade; os bolsas esmolas.
    Permitimos, com boa fé e esperança, que tudo isto se “espraiasse”.

    Pois é chegada a hora de dar um basta e recomeçar tudo, novamente. E para tanto, é preciso retomar o amor aos filhos, à Pátria e a si próprio, com serenidade e legalidade. Somos os cidadãos de verdade!

    Basta de corrupção e de corruptos. É preciso caçá-los, urgente e impiedosamente, com o longo, forte e firme braço das leis e das instâncias que nossa Constituição garante. E não merecem menos do que julgamentos públicos. Públicos sim. Os recursos não são públicos?

    Ou isto, ou em breve, não restará nada. Não são simples pessoas, cidadãos como se apelidaram: são predadores.

    E nosso primeiro passo é em 05 de outubro.

    É preciso, urgentemente, que cobramos dos candidatos de oposição, MARINA e AÉCIO, o compromisso formal e publico de que, nos primeiros dias do mandato, constituir-se-á mecanismo integrado por pessoas de reconhecida capacidade e idoneidade, que assumirão, em nome do povo brasileiro, a missão de abrir a grande CAIXA DO SUMIÇO DOS BILHÕS DE REAIS/DÓLARES, que EVAPORARAM DOS COFRES PÚBLICOS, ao longo das duas últimas décadas.

    Por um instante, paro e me pergunto: teremos ainda, em nosso país, pessoas em quantidade, com a vontade e determinação para assim agir?

    Irmãos brasileiros, é fundamental, para o resgate da ALMA NACIONAL, que tudo seja esclarecido, nos mínimos detalhes. Desconsideremos nomes e cargos dos envolvidos/comprometidos com os erros. Afinal, a lei não identifica as pessoas mas os atos.

    E se comprovados os “malfeitos”, aplique-se penas severas, punindo-se, exemplarmente, aqueles que se locupletaram não apenas de recursos monetários ou outros bens, mas das vidas e do sangue de milhões de brasileiros.

    Por certo, os recursos surrupiados dos cofres público – patrimônio do povo brasileiro, não resolveriam nossos problemas. Mas, pelo menos, alguns deles já teriam sido amenizados.

    A negativa ou a fuga de assumir tais compromissos, pelos candidatos Marina e Aécio, representarão a vontade e deliberação pela continuidade do status quo” vigente.

    Com a palavra os candidatos e os eleitores.

  2. Essa é o tipo de imagem que me dá nojo: policiais conduzindo um quem quer que seja! Policiais são bandidos da pior espécie. Classe de canalhas vagabundos! Só uma chuva de plutônio sobre esses quadrilheiros chapas-branca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *