Dúvida cruel: o meganavio da Vale (que não é da Vale) também vai afundar como o Titanic?

Carlos Newton

A imprensa informou mal o caso do “meganavio da Vale”. O cargueiro Vale Beijing leva o nome da mineradora, mas está apenas afretado, pois na realidade pertence à empresa STX Pan Ocean. No entanto, o noticiário sobre a embarcação, que rachou durante carregamento de minério de ferro da Vale em São Luís, em dezembro, sempre sai falando no “navio da Vale”.

Somente agora é que a STX Pan Ocean começa a ser ouvida como proprietária do meganavio. “Espera-se que seja determinada a causa exata do incidente apenas quando o navio estiver em dique seco. No entanto, acreditamos que este incidente é um problema isolado e não deve trazer consequências para as outras embarcações construídas em outros locais e sob diferentes projetos”, declara a companhia.

A companhia afirmou que um grande plano de ação está sendo realizado para reparo do navio, que poderá seguir viagem assim que os trabalhos forem encerrados, acrescentou a empresa sem dar detalhes sobre o local em que o navio está ancorado agora.

A embarcação, com capacidade para 400 mil toneladas, integra um plano da Vale para reduzir custos com fretes no atendimento de seus principais clientes na Ásia.

Segundo comunicado da STX, autoridades e representantes do proprietário da embarcação e estaleiro estiveram a bordo e constataram que ainda não ocorreu nenhum impacto ao meio ambiente provocado pelo navio ou sua carga.

“Todas as situações envolvendo o navio estão sob controle e vêm sendo atendidas todas as demandas das partes envolvidas, incluindo a Capitania dos Portos, Ibama e Vale”, disse a empresa.

A STX enfatizou estar confiante “na robustez” das embarcações deste tamanho e da mesma classe, mas acrescentou que os outros navios da série de oito que a companhia afretará para a Vale também estão sob análise. Ou seja, pode ser que o projeto inteiro afunde, antes mesmo de todos os navios serem construídos. Aliás, é o que o bom senso indica.

As grandes dúvidas são as seguintes: 1. Em que país fica esse gigantesco dique seco que consertará a avaria? 2. Quando o Vale Beijing será rebocado até lá? 3. Será que vai resistir ou afundará pelo caminho?

Traduzindo tudo isso: em breve saberemos se o Titanic da Vale, ou melhor, da STX Pan Ocean, vai a pique ou não. A popa do navio já afundou quatro metros…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *