Duzentas pessoas estão desaparecidas após rompimento de barragem em Brumadinho

Vítimas cobertas de lama são resgatadas por helicóptero do Corpo dos Bombeiros de Minas Gerais em Brumadinho Foto: Reprodução / TV Record

Cobertas de lama, as vítimas são resgatadas pelos bombeiros

Rafael Nascimento, Louise Queiroga e Hellen Guimarães

As equipes de resgate que atuam na área do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho já resgataram sete corpos, segundo informou o prefeito Avimar Melo, em entrevista à GloboNews, no início da noite. O número de vítimas, porém, deve ser muito maior. “A todo momento estão encontrando mais corpos. Eram pelo menos 300 pessoas no local, entre funcionários da Vale e de terceirizadas. Pelo menos 200 ainda estão desaparecidas” – disse o prefeito.

MUITAS VÍTIMAS – A estimativa coincide com a feita pelo presidente da Vale, Fabio Schvartsman, em entrevista coletiva no Rio. Ele disse que havia 300 funcionários no local no momento da tragédia. A maioria dos atingidos é formada por funcionários próprios e terceirizados. “Estou dilacerado. Minha intenção é ir diretamente para lá” – disse Schvartsman.

De acordo com o executivo, o acidente aconteceu no horário do almoço. O restaurante da companhia no local foi soterrado e o prédio administrativo também foi atingido. Segundo ele, 100 pessoas já foram localizadas.

O executivo citou a tragédia de Mariana, que aconteceu há três anos. “Dessa vez é uma tragédia humana; possivelmente o dano ambiental será menor”.

DESAPARECIDOS – O corpo de Bombeiros de Minas Gerais informou, na tarde desta sexta-feira, que 200 pessoas estão desaparecidas, em decorrência do rompimento da Barragem 1 da Mina Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG), na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o presidente da Vale, Fábio Schvartsman, que seguiu para Brumadinho, no momento do acidente havia muitos funcionários da empresa na barragem.

– A região é de acesso muito difícil e uma região muito afastada. Tinham muitos funcionários da Vale no momento. Infelizmente, deve ter muitas vítimas.

As barragens do Feijão e da Jangada, que integram o Complexo de Paraopeba, tinham ao menos 700 funcionários, segundo informou a Vale em um texto publicado em seu site em fevereiro do ano passado.

ATENDIMENTO – Segundo o Corpo de Bombeiros, o comando de operações foi montado no Centro Social do Córrego do Feijão, nas proximidades do campo de futebol e da igreja católica do município. O campo foi utilizado como área de avaliação e triagem de vítimas para atendimento médico. A operação conta com 51 bombeiros militares e seis aeronaves.

A lama de rejeitos atingiu o Rio Paraopeba , segundo o secretário do Meio Ambiente de Betim, Ednard Barbosa Almeida. As informações foram repassadas ao município por uma equipe da Guarda Municipal da cidade.

HAVIA RISCOS – Representantes de movimentos ambientalistas na região de Brumadinho (MG) afirmam que desde 2011 vinham relatando as autoridades a possibilidade de riscos de rompimento da barragem I da Mina do Feijão.

O Hospital João XXIII, em Belo Horizonte acionou o plano de emergência para atendimento de vítimas em situação de catástrofe após o rompimento da barragem. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, até a tarde desta sexta-feira, quatro vítimas deram entrada no João XXIII. Deles, duas mulheres foram levadas até a unidade de helicóptero, por volta das 15h. O estado de saúde delas, conforme a pasta, é considerado estável.

MAIS VÍTIMAS – Mais tarde, outras duas pessoas deram entrada no hospital — um homem e uma mulher. Eles chegaram de ambulância ao local.

O plano de emergência para catástrofe da unidade significa que praticamente toda a atividade de emergência do hospital ficará voltada para o atendimento às vítimas do rompimento. Com isso, a sala de trauma deverá ter seus leitos disponíveis para elas. Os pacientes estáveis que estiverem no local serão transferidos para outros espaços.

24 thoughts on “Duzentas pessoas estão desaparecidas após rompimento de barragem em Brumadinho

  1. Bolsonaro diz que licença ambiental atrapalha obras e que vai acabar com ‘capricho’ de fiscais

    Há notícias iniciais de que licenças facilitadoras e fiscais sem capricho andaram acontecendo por lá, a ver.

    O que se quer do governo federal, que é quem detém competência para as licenças minerárias e que faça quem lucra bilhões extraindo minérios pague, com impostos e royalties, a manutenção de um corpo técnico capaz, com instrumental suficiente para fiscalizar sua atuação.

    E com independência, para não acontecer como com a multa que deram ao “chefe” por pescar numa reserva e anularam depois.

    Porque um governante dá exemplos – o Temer diria: verba volant, exempla trahunt – e ao sinalizar que demoniza a fiscalização “no cangote dos empresários” Jair Bolsonaro abre caminho para que tragédias aconteçam.

    E aí, sim, a conta irá para os senhores.

    Merecidamente.

    https://goo.gl/kRuqUG

    • Alex, seu discurso se tornou monótono e inútil.

      Você é um péssimo revolucionário!

      Não serve nem pra trocar o fraldão do Raul Castro!

      Graças a esquerdistas como você, o PT foi derrubado por um bando de adolescentes do MBL que colocaram milhões de pessoas nas ruas enquanto vocês assistiam atônitos sem saber o que estava acontecendo.

      Você é um perdedor. Só isso.

      • Quem imagina a história dividida entre perdedores e vencedores não conhece a própria história que caminha sempre, apesar de todos os esforços dos conservadores, para dar razão aos progressistas e revolucionários.

        • Cardoso,

          O teu conceito sobre história é tão profundo quanto o nosso Mediador, Carlos Newton, conhece de motor de helicóptero!

          Não sei de onde escreves tantas asneiras, e não te envergonhas em postá-las!

          O desenvolvimento humano material e mental, jamais se deu através de progressistas e revolucionários!

          Os responsáveis pelo nosso progresso foram empreendedores, homens de visão, que pensavam em crescer, mas oferecendo trabalho e vida melhor para seus colaboradores.

          Foram os cientistas e suas pesquisas;
          engenheiros e suas obras;
          médicos e suas descobertas e cirurgias;
          advogados que aperfeiçoaram as leis;
          professores abnegados e dedicados ao ensino;
          enfermeiras, cuja função assemelha-se a qualquer santa existente neste e no outro mundo;
          escritores, que nos deixavam registros extraordinários em seus livros;
          jornalistas, que nos informavam e nos deixavam a par dos acontecimentos;
          motoristas, que nos conduziam para onde precisávamos estar;
          agricultores, que nos davam o alimento;
          até mesmo o animal mais útil, mais espetacular criado por Deus, e infinitamente melhor do que muitos homens, O CAVALO!

          Para com essa baboseira de progressistas, invariavelmente retrógrados e avessos ao desenvolvimento!
          Muito mais com os tais revolucionários, que elaboram as revoltas e ficam de fora das refregas, covardes, exatamente como o “guerrilheiro” do Brasil, o ladrão Zé Dirceu, o cagão!

          Te aquieta, toma juízo, te orienta.

    • Cardoso caso você não se lembre na tragedia de Mariana, a promotoria ia tomar as devidas providencias mas ai a anta e o pilantrel entram no meio da coisa e deu no que deu não deu em nada, inclusive as autorizações que a vale tem em minas é graças ao pilantrel , então essa conversa de que o bozo quer acabar com licenciamento , sendo que na gestão petista os tais licenciamentos eram dificuldade pra ganhar pixuleco,seja no minimo condescendente com os mortos nessa tragedia não seja cafajeste mamador para tirar proveito se de ao respeito para ser respeitado.

  2. Quando a exigência é APRENDER, o brasileiro se mostra incapaz: tanto na urna eleitoral quanto na urna fúnebre!
    A diferença é que, quem vota irresponsavelmente, pode ter outras chances de errar. Ao passo que, quem fecha a porta depois de roubado, a folha da porta poderia ser a tampa do caixão!

  3. Espero que desta vez a impunidade não prevaleça.

    Ninguém suporta mais essas novelas intermináveis: Bateau Mouche, Boate Kiss, Mariana…etc, etc., etc., e bote mais etc.!

    E o chefão da Vale, em vez de estar na cadeia, estava dando entrevistas como se fosse a vítima!

    Ninguém suporta mais!

    Basta!

  4. Senhores

    -Avisem ao Alex que a tragédia se deu sob as atuais e passadas “RÍGIDAS LEIS AMBIENTAIS PETISTAS” e não sob as que ainda virão, ok?

    -Canetada que vira lei não evita tragédia da mesma forma que o Estatuto do Desarmamento não evita que bandido ande armado nas ruas.

    -A desgraça nossa de todo dia chama-se IMPUNIDADE, cujos alicerces foram reforçados pelos últimos governos esquerdistas, principalmente pelos SIMPATIZANTES DE BANDIDO que pregam um monte de medidas alternativas (até mesmo a leitura de livros) e a prisão apenas depois do processo ter transitado em julgado, depois de passar vinte anos em alguma gaveta do s
    Supremo, LEMBRA-SE DOUTOR ALEX?

    • As rígidas leis petistas eram apenas dificuldades para ganhar pixulexos e o alex desrespeita os mineiros por querer ganhar pontos politicus contra o bozo, é um mané beira a ser um celerado

  5. ET:

    “Segundo informações do canal “Eram os Deuses Astronautas”, assim que soube que uma nova tragédia se abatia sobre o Brasil, a tartaruga MARINA SILVA pegou um disco voador e antecipou o seu regresso à Terra, que inicialmente estava marcado para o ano 2022, e acaba de desembarcar no Brasil, em abdução direta do Planeta Nibiru, para dar palpite sobre o rompimento da barragem em Brumadinho.
    As entrevistas com a candidata já estão em alguns jornais que não têm nada mais importante para publicar.”

  6. Vale do Rio Doce foi criada para industrializar o Brasil com seus próprios recursos. FHC privatizou-a, ela passou a vender ferro bruto para a China e o Brasil desindustrializou-se. Para o dono da Vale, fica um lucro bilionário. Para o Brasil, montanhas viram buracos e a lama de Mariana e Brumadinho espalha-se pelas cidades para todos lembrarem-se o que significa privatização: lucro de um homem, prejuízo de uma nação.

      • Vale do Rio Doce foi criada para industrializar o Brasil com seus próprios recursos. FHC privatizou-a, ela passou a vender ferro bruto para a China e o Brasil desindustrializou-se. Para o dono da Vale, fica um lucro bilionário. Para o Brasil, montanhas viram buracos e a lama de Mariana e Brumadinho espalha-se pelas cidades para todos lembrarem-se o que significa privatização: lucro de um homem, prejuízo de uma nação.

  7. O GLOBO ONLINE , 26/01/2019

    RIO – O presidente Jair Bolsonaro fez um discurso em defesa do ex-capitão da Polícia Militar Adriano Magalhães da Nóbrega , o Urso Polar, em 2005. Apontado pelo Ministério Público nesta terça-feira como chefe da milícia do Rio das Pedras e articulador do Escritório do Crime – maior grupo de matadores de aluguel do Rio, Adriano havia sido condenado por homicídio dias antes do pronunciamento de Bolsonaro no plenário da Câmara. O então parlamentar do PP afirmou ter comparecido ao julgamento do PM, segundo ele um ‘brilhante oficial’.

    Bolsonaro discursou sobre o caso no dia 27 de outubro de 2005, quatro dias depois da condenação de Adriano a 19 anos e seis meses de prisão pela morte do guardador de carros Leandro dos Santos Silva, de 24 anos, na favela de Parada de Lucas, Zona Norte do Rio. Na época do crime, familiares apontaram que a vítima tinha denunciado PMs que praticavam extorsões a moradores na comunidade.

    O discurso de Jair Bolsonaro ocorreu poucos meses depois de seu filho Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) conceder a Medalha Tiradentes, maior honraria do estado do Rio, a Adriano. O então tenente estava preso por conta da morte de Leandro e recebeu a homenagem no Batalhão Especial Prisional no dia 9 de setembro, segundo a revista “Veja”.

    No pronunciamento, Bolsonaro pede ajuda da então deputada federal Denise Frossard, ex-juiza criminal, para reverter a condenação de Adriano. O presidente criticou um coronel da PM, responsável por uma sindicância contra o miliciano, que depôs como testemunha de acusação, sem considerar, nas palavras de Bolsonaro, “o fato de ele ter sido um brilhante oficial”.

    “Um dos coronéis mais antigos do Rio de Janeiro compareceu fardado, ao lado da Promotoria, e disse o que quis e o que não quis contra o tenente, acusando-o de tudo que foi possível, esquecendo-se até do fato de ele sempre ter sido um brilhante oficial e, se não me engano, o primeiro da Academia da Polícia Militar”, afirmou, segundo os arquivos taquigráficos da Câmara dos Deputados.

    Em outro trecho de sua fala, Jair Bolsonaro define Adriano como “coitado” e “um jovem de vinte e poucos anos” e defendeu a absolvição do policial no caso.

    “Então, Sr. Presidente, não sei como podemos colaborar. O advogado vai recorrer da sentença, mas os outros coronéis mais modernos não podem depor, senão vão para a geladeira, vão ser perseguidos. E o tenente, coitado, um jovem de vinte e poucos anos, foi condenado. Mas não foi ele quem matou, Deputada Denise Frossard! Quem matou foi o sargento, que confessou e, mesmo assim, foi absolvido no tribunal do júri. A decisão, portanto, tem de ser revista”.

    No discurso, Bolsonaro criticou a então governadora do Rio, Rosinha Garotinho, e o ex-governador Anthony Garotinho, que ordenou a prisão de Adriano e de outros policiais envolvidos no caso. Segundo o presidente, o governo do estado queria agradar entidades de defesa dos direitos humanos.

    “É importante saber a quem interessa a condenação pura e simples de militares da Polícia do Rio de Janeiro, sejam eles culpados ou não. Interessa ao casal Garotinho, porque a Anistia Internacional cobra a punição de policiais em nosso País, insistentemente. É preciso ter um número xis ou certo percentual de policiais presos. O Rio é o Estado que mais prende percentualmente policiais militares e, ao mesmo tempo, o que mais se posiciona ao lado dos direitos humanos”, afirmou.

  8. Vejo que a empresa Vale e os órgãos fiscalizadores, bem como o Ministério Público, todos se apoiaram em relatórios, auditorias, laudos como desculpa para não darem manutenção e não providenciarem refôrços para essas barragens. Acham que papelada e textos seguram rompimentos, tragédias e evitam mortes. Total irresponsabilidade, que devia ser punida com pena de prisão, para todos envolvidos. Pronto – falei!

  9. Atual ministro do Meio Ambiente no governo de Jair Bolsonaro, Ricardo Salles foi indiciado e condenado por adulterar mapas e a minuta de decreto do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Várzea do Tietê, na Região Metropolitana de São Paulo, para beneficiar empresários, especialmente do setor de mineração, vinculados à Federação das Indústrias do Estado (Fiesp). https://www.diariodocentrodomundo.com.br/bolsonaro-vai-a-brumadinho-com-ministro-condenado-por-beneficiar-mineradoras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *