É bom valorizar a vida e lembrar que não estamos sozinhos

Francisco Bendl

Certamente ainda com o pensamento voltado ao hospital que me acolheu por uns dias, e as pessoas que tão bem me cuidaram e trataram, me lembrei de frases que eu as ouvi há tempos, e tentei dar-lhes uma ordem para que fossem lidas como um recado, um desejo de que valorizemos mais a vida, a nós mesmos, o próximo, e saibamos enfrentar as dificuldades com mais esperança por sabermos que não estamos sozinhos, que temos familiares, parentes, amigos, e que se preocupam conosco, e nos desejam uma existência feliz.

Hoje, domingo, um dia maravilhosamente belo, frio, 2 graus Celsius, quando me levantei imaginei que este seria mais um dia em minha vida.

Eu estava enganado. Não é só mais um dia, mas o único que terei. Hoje é um presente! É o único presente que tenho neste exato momento, e a única reação apropriada e que devo ter é a gratidão.

Se eu não fizer mais nada, somente cultivar esta reação para o grandioso presente que é este dia incomparável. Se eu aprender a reagir como se fosse o primeiro dia de minha vida e ao mesmo tempo o último, então terei aproveitado este dia muito bem.

E, rememorando o meu despertar, comecei por abrir os olhos … e me surpreendi que tenho olhos para abrir! E me deslumbrei com a fantástica variedade de cores e movimentos que são constantemente oferecidos para meu encantamento.

Ergui a cabeça, olhei para o céu através da janela (nós tão raramente olhamos para o céu…!), e muitas vezes não percebo que ele muda de momento para momento, com nuvens indo e vindo …

Penso apenas no clima, e até mesmo do clima não considero todas as nuances que possui. Só me vem à mente “tempo bom” e “tempo ruim”.

Neste dia, aliás, agora, o tempo está inigualável, talvez um tipo que nunca mais, nesta forma exata, o verei novamente. A formação das nuvens nunca mais será a mesma que neste instante.

Abri bem os meus olhos, e disse para mim mesmo: Olha para o rosto das pessoas por quem passarás durante o dia de hoje, olha bem! Cada uma delas tem uma história incrível por trás da sua face, uma história que nunca poderias compreender totalmente.

Não apenas a história delas mesmas, não, mas de seus antepassados também. Nós mesmos temos um passado tão distante! … e neste momento presente, neste dia, todos por quem passas, toda essa vida de tantas gerações e tantas etnias por todo o mundo, flui densa e se encontra aqui como uma água que dá vida, bastando apenas que abras teu coração para bebê-la!

Não fecha o teu coração, continuei me pedindo. Deixa-o aberto para os maravilhosos presentes que a civilização nos dá. Ligas um botão e tem luz elétrica; giras uma torneira e tem água quente e fria … e água potável; através de uma caixinha de metal falas com o mundo!

Ora, trata-se de um presente que milhões e milhões de pessoas neste Planeta nunca vão experimentar, que jamais vão ganhar! Portanto, estas são apenas algumas dentre um número incalculável de dádivas para as quais deves manter o teu coração aberto.

Assim, desejo que sejas grato por essas bênçãos, e que as deixes correr através de ti.Que todos aqueles que encontrarás neste dia sejam abençoados por ti, pelos teus olhos, pelo teu sorriso, pelo teu toque, pelas tua palavras.

Somente pela tua presença, já bastaria! E que a gratidão transborde em bênçãos em todo o teu redor.E, então, será realmente um bom dia!

Aos meus queridos colegas, articulistas e mediador desta página inigualável, um bom dia!

25 thoughts on “É bom valorizar a vida e lembrar que não estamos sozinhos

  1. Uma bela prosa consigo mesmo. Uma prosa transformada em oração.

    Conversei com uma amigo muito sábio e ele me disse que as coisas são simples, é o próprio ser humano que complica.

    Que pena, o ser humano quando usa seus recursos intelectuais para construir se torna, verdadeiramente, à imagem e semelhança de Deus. Mas, o inverso é tenebroso.

    Parabéns, Bendl, pela ótima reflexão.

    • Rocha, meu caro professor,
      Obrigado pela deferência.
      Não esqueças: sou aprendiz, um simples discípulo diante de tantos mestres que me cercam.
      Um abração, meu amigo.

  2. Bendl, mais que um poema, mais do que uma ode a Deus, mais do que uma sinfonia…seu texto é uma Oração. Os percalços e as vicissitudes da vida a todos apanham, sem exceção. Feliz aquele que as tendo já sofrido, posta-se em reverência de gratidão.
    Jorge Béja

    • Caríssimo Dr.Béja,
      Obrigado.
      O senhor como sempre muito gentil e bondoso.
      Mas, a verdade é que devo mesmo agradecer cada dia que sou testemunha do seu alvorecer, e nesta condição divina de presenciar o nascimento de novas esperanças e dias melhores, reverenciar a chance de eu estar incluso.
      Um forte abraço, meu caro amigo.

      • Carmen, minha querida,
        Não sou doutor em nada, apenas curioso, e medíocre.
        Agradeço sempre as tuas palavras meigas e doces, elogiosas e animadoras, que te constituem uma das mais importantes pessoas do blog, não só pela forma como te diriges aos comentaristas, mas também pelo jeito como interpretas os comentários e apresentas as tuas ideias.
        Mais um abraço, e outro beijo paternais.

  3. Antes tarde do que nunca. A meditação,reflexão,o gradecer ao “Arquiteto”p/ dia; a gradecer nossos antepassados..etc. Meu conterrâneo Bendl. Está expressando seu puro sentimento,”gratidão”.
    Deus,Jesus,Buda,7 Orixás,todos os Avatares do Universo,Abençoe e proteja o ser Humano chamado FRANCISCO BENDL…..

  4. I see trees of green, red roses, too,
    I see them bloom, for me and you
    And I think to myself
    What a wonderful world.

    I see skies of blue, and clouds of white,
    The bright blessed day, the dark sacred night
    And I think to myself
    What a wonderful world.

    The colors of the rainbow, so pretty in the sky,
    Are also on the faces of people going by.
    I see friends shaking hands, sayin’, “How do you do?”
    They’re really sayin’, “I love you.”

    I hear babies cryin’. I watch them grow.
    They’ll learn much more than I’ll ever know
    And I think to myself
    What a wonderful world

    Yes, I think to myself
    What a wonderful world (Armstrong)

    É por aí e mais essa canção. Bom domingo, Garoto !

  5. Verdade, Carlos Vicente, e bem lembrado:
    Mundo Maravilhosos vivemos, e não temos o direito de alterá-lo do jeito que estamos teimando em querer fazê-lo do nosso modo.
    Afinal das contas, o Planeta está neste espaço bem antes da nossa chegada, portanto, ele tem primazia sobre nossas vontades e, principalmente, quando queremos impor sobre os demais seres humanos, as nossas ideias, pensamentos e convicções, atendendo aos apelos de nossos egocentrismo, vaidade e orgulho.
    Tu tá craque no vernáculo anglo-saxão, eim?!
    Outro abraço.

    • Bem, não é “craqueza”, é para não parecer esnobe, usando outros idiomas. Quando o tema é de algum político desmentindo algo que dissera antes, tenho vontade de escrever “Entretanto se move” (Galileu Galilei), mas no idioma em que foi consagrada a frase.

      “A sorte (o dado) está lançada (o)”, de Julio Cesar, não pareceria profecia de treinador de futebol ?

      Desse “Mundo maravilhoso”, que Armstrong cita, vejo uma incoerência dos nossos “analistas”. Dizem assim “O país X precisa crescer tantos por cento” ao invés de “O país X precisa combater o crescimento populacional em tantos por cento”.

      Tomemos um exemplo simples:
      Suponhamos um país de 100 casais. Admitamos que todos tenham um casal de filhos e que morram vinte e cinco anos após o nascimento do último filho. Ora, momentaneamente, a população deste país será 100 casais (pais) + 100 casais (filhos) = 200 casais. Vinte e cinco anos depois, a população volta a ser de cem casais. com a morte dos geradores. Não poderia haver uma consciência coletiva (Durkheim) assim ?

      Abraços, Garoto !

  6. Permita-me, caro amigo… Vou utilizar o seu primoroso texto no Face, ok? Um grande abraço! Que a presença divina o ilumine… Sempre!
    Sou seu admirador!

    • Souzza,
      Eu é quem os admira, razão pela qual insisto em participar do blog de qualquer forma.
      Muito obrigado, meu caro, pelas palavras amáveis.
      Um abraço do meu tamanho, guri.

  7. Parabéns, Sr. Bendl! Desejo sua saúde recuperada. Se soubesse escrever, como Carmen, escreveria palavra dessas sua. Essas nuances discretas dão tempero à vida.

  8. Francisco Menezes, meu xará,
    Obrigado pela gentileza.
    A ideia foi mesmo de nos fazer pensar sobre detalhes que não damos importância que, no entanto, dão cores à vida, dão-lhe sentido, e nos dão razões para seguir adiante.
    Um abraço, meu caro.

    • Meu irmão nordestino César,
      Nossos corações precisam volta e meia ser mesmo sacudidos, tornarem-se mais humanos e menos racionais, pois não somos o que querem que sejamos para que estes consigam seus intentos.
      Nossos sentidos precisam ser valorizados ao extremo, e não apenas previsões ou planejamentos futuros se não sabemos se estaremos vivos dia seguinte.
      Não quero dizer que devemos ser hedonistas, não, mas temos de atender com mais ternura as emoções que a vida nos dá diariamente, e não virar-lhes as costas como se o mais importante é seguir em frente, deixando de lado o sublime, a poesia, a encantamento, a graça, a simplicidade.
      Certamente o hospital me fez ver a vida de maneira mais ampla, como se fizéssemos parte de uma corrente e que queremos a todo instante romper esses elos em nome de uma falsa independência ou orgulho de se imaginar capaz, de obter sozinho a tão procurada e cada vez mais rara felicidade.
      Ledo engano.
      A vida não é estanque, ela não se esgota em nós mesmos, mas continua mormente o que deixamos como legado, se positivo ou negativo, e contribuirá decisivamente à existência de nossos descendentes, familiares, parentes e até amigos.
      César, meu caro, aprendi, no quartel, um lema que tem sido meu guia até este momento:
      O mandar se executa mas, o exemplo, arrasta!
      Cabe-nos como dever deixar bons exemplos e, se possível, que outras pessoas possam segui-los.
      Outro grande abraço fraterno e caloroso.

  9. Além de tudo um poeta.Que palavras belas! interessante, algumas pessoas se tornam amargas nas adversidades, mas você vê beleza. Aprendi, aprendemos. Abraços.

    • Pedro Rios,
      Aprendemos sempre, a cada momento.
      Exatamente o que vocês fazem comigo neste blog incomparável, que me ensinam a ser a cada dia que passa um pouco menos ruim, que eu seja mais tolerável, mais compreendido e aceito entre pessoas tão bem preparadas, cultas e inteligentes.
      Mas, confesso:
      Não é fácil, pois a exigência para que aceitemos a mudança para melhor, o dispositivo que aciona esta admissão que precisa alterar a forma de se viver chama-se humildade, hoje confundida com humilhação e inferioridade.
      Não somos nada se ninguém nos quiser ao lado, se não formos aceitos, e se repudiamos quem nos quer.
      Homem algum é uma ilha, já dizia John Donne, que inspirou Hemingway em Por Quem os Sinos Dobram, portanto, se eles dobram por nós, dobremo-nos ao amor, ao afeto, ao carinho,à solidariedade, ao AGRADECIMENTO!
      Outro abraço, Rios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *