E foram todos para Paris em busca da Dolce Vita de Fellini

Pedro do Coutto

O título inspirado no livro de Sérgio Augusto, editora Casa da Palavra, e também no filme de Frederico Fellini, é a síntese a que chego depois de ler as reportagens de Fábio Vasconcelos, O Globo, Cláudia Antunes, Folha de São Paulo, Alfredo Junqueira, O Estado de São Paulo, edições de sábado, sobre a viagem e estada em Paris do governador Sérgio Cabral e do empresário Fernando Cavendish. E também da múltipla comitiva do chefe do Executivo do Rio de Janeiro, formada por vários secretários e até por um conselheiro do Tribunal de Contas do Estado.

Um escândalo. No conteúdo e na forma. Falta de ética no primeiro caso. Falta de compostura no segundo. Basta examinar as fotos que acompanham as matérias, todas originárias do blog que o deputado Anthony Garotinho mantém na internet. Como o ex-governador as obteve constitui um mistério. Mas as imagens foram exibidas. Registro de um desabamento político administrativo.

Fernando Cavendish, dono da Delta, era a pessoa indicada para integrar o grupo, já que sua empresa possuia contatos com a administração pública estadual, entre eles a modernização do Maracanã, Estádio Mário Filho, a rodovia Transcarioca, o novo edifício do Tribunal de Justiça. Falei possuia, mas não tenho certeza se, depois da tempestade, ainda possui. Isso porque a empreiteira já foi substituída no Maracanã e na Transcarioca.

No título destaquei o livro do jornalista Sérgio Augusto, exatamente a frase que lá está. Citei a Dolce Vita de Fellini. Mas poderia citar também, se o espaço comportasse, O Último Tango em Paris, de Bertolucci. Pois a meu ver a Delta, com seu nome atual, depois das reportagens que saíram, está se despedindo das empreitadas com o poder público. As irregularidades são demais. O envolvimento com Carlos Ramos Cachoeira a cada dia se torna mais evidente.

Cavendish e Cachoeira erraram na dose. Foi um exagero em matéria de cooptação. Não contavam, em deslumbramento assim, que existe sempre um porém. A reação das outras empresas excluídas ou prejudicadas diretamente pelos mais que causados lances da dupla fatal. Omitiram que não existe ação sem reação. E subestimaram a capacidade de ataque de suas rivais ou de seus rivais.

O governo Sérgio Cabral deixou-se enredar no episódio. Falei em deslumbramento. Pois é. O governador deslumbrou com o fascínio do poder. A política, ciência e arte ao mesmo tempo, opera no espaço do possível. Quando este limite é ultrapassado, como acontece nas estradas, a crise é inevitável. Não adianta tentar freia-la. É sempre assim.

A extensão do quadro de envolvimento se ampliou ainda mais com a exibição pelo JN da Globo e da Band, noite de sábado, de filme focalizando um jantar na capital da França, reunindo Sérgio Cabral e Fernando Cavendish. A situação da rede de influência tecida por Cavendish, Carlos Cachoeira e Demóstenes Torres complicou-se.

Constata-se isso numa outra reportagem, esta de Alana Rizzo e Fábio Fabrini, O Estado de São Paulo, também de sábado reproduzindo gravação da Polícia Federal em que Demóstenes anuncia ofensiva contra o Procurador Geral da República, Roberto Gurgel. Por quê? Para que ele não investigasse os negócios de ambos. Impressionante. Foto de André Dusek.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *