É preciso saber: Crivella respeitará os santos? Freixo vai proteger os “black blocs”?

Resultado de imagem para crivella e freixo charges

Crivella e Freixo têm de se posicionar bem claramente

Jorge Béja

Assim que o TRE-RJ divulgou a finalização do resultado do pleito para prefeito da cidade do Rio, indicando os dois Marcelos (Crivella e Freixo) para a disputa no segundo turno, um monte de pensamentos me veio à cabeça. A derrota do candidato de Eduardo Paes não foi surpresa. Pedro Paulo, secretário da Casa Civil e secretário de Governo de Paes, foi má escolha. A soma da votação em Osório e Índio da Costa, que também foram secretários municipais da gestão Paes, superaram os votos dados a Pedro Paulo e levariam outro candidato de Paes ao segundo turno. Além disso, teve aquele problema da agressão à ex-mulher, além da própria administração de Eduardo Paes.

Que ele fez obras, fez. Obras necessárias e que mudaram, para melhor, o centro da cidade, a vasta área portuária e a mobilização urbana, preferencialmente para os ricos da Zona Sul e Barra/Recreio, e outras coisas mais. Segundo Paes, ele deixa a prefeitura sem dívida e com saldo positivo, em quase todos os sentidos. Menos, o humanitário.

Paes é arrogante. Se acha o melhor. Acha que sabe tudo e tudo sabe e resolve. Paes, que não conheço pessoalmente, me parece uma pessoa infantil e mal assessorada. Um menino mimado que ainda faz “xixi” na cama.

BALA PERDIDA – O primeiro gesto, amargo, desumano e cruel de Paes ocorreu no Natal de 2010. A pequena Adrielly, atingida na cabeça por uma chamada “bala perdida” na noite de 24 para 25 de dezembro daquele ano, precisava ser urgentemente operada no Hospital Municipal Salgado Filho no Méier, para onde foi levada e não conseguiu. O doutor Adão Orlando Gonçalves, médico-cirurgião, tinha faltado ao plantão. Por isso Adrielly foi removida para o Hospital Municipal Souza Aguiar.

Os pais de Adrielly permaneceram, sob chuva e sol, onze dias seguidos sentados na mureta da parte externa do Souza Aguiar, gemendo e chorando. Nem sei como se alimentavam, se é que algum prato de comida chegava até eles. Todas os dias as televisões mostravam o sofrimento daquele casal, muito pobre e cheio de amor pela filha.

A cada dia os dois definhavam. E nenhuma autoridade foi consolá-los: arcebispo, governador, prefeito, secretários… e ninguém dessa gente toda, que chamamos de Vossa Eminência e Vossa Excelência, foi até eles. Ou mandaram buscá-los para chorar com eles, abraçá-los, consolá-los, ampará-los, acariciá-los e protegê-los.

“MEA CULPA” – E o Paes? O prefeito ficou na mansão confortabilíssima da Gávea Pequena, dentro da floresta da Tijuca, comendo do bom e do melhor à custa do povo. Por mim repreendido na época e depois que Adrielly morreu, Paes me enviou um longo texto de 40 linhas fazendo o “mea culpa”. E terminou assim: “Aprendi, vou me corrigir e isso não se repetirá. Obrigado.”

De lá pra cá Paes teve o caso dos “cangurus” na Olimpiada. Depois, aquela frase dita a uma mulher pobre que dele recebia as chaves de um modesto apartamento do projeto “Morar Carioca”: “Agora você vai poder trepar muito neste quarto“.  Paes também se referiu à cidade de Maricá como “uma merda de lugar” (isso num diálogo telefônico com Lula, que se fosse ouvido por Dercy Gonçalves a saudosa atriz ficaria corada de vergonha)… Enfim, Paes foi um bom administrador, mas sem o menor tato no trato com o povo. E de vocabulário chulo e boca suja.

O SUCESSOR – Mas agora o eleitor do Rio terá que optar entre Crivella e Freixo. Sou eleitor. Mas não voto, por convicção e agora dispensado pela idade (70 anos). Mas fico imaginando um monte de situações se vencer o Crivella. Ele foi, é e sempre será bispo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). E além disso, é sobrinho do outro bispo, o tio Edir Macedo. Crivella é a IURD e a IURD é Crivella. São inseparáveis. São gêmeos univitelinos. Um só óvulo gerou os dois.

Crivella pode até dizer que é bispo “licenciado”, mas ninguém acredita. E “licenciar-se” não significada nada. E com Crivella prefeito tudo pode acontecer. Naquele 12.10.1995, um outro bispo da IURD (Sérgio Von Helder) apareceu na TV Record chutando a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Ao ver a imagem à noite na televisão, fiquei revoltado. No dia seguinte, às 10 da manhã, bati na porta do juiz Célio Geraldo de Magalhães Ribeiro, que morava na Rua Pereira da Silva, no bairro Laranjeiras, levando na pasta um pedido de prisão do bispo.

NO CÓDIGO PENAL – O doutor Célio, católico e ex-aluno do Colégio Caraça, leu minha petição, atentamente. Depois ficou alguns minutos em silêncio, olhando para o chão (estava meditando, raciocinando). Em seguida se levantou, foi até a estante, pegou o Código Penal e disse:

Dr. Béja, eu vi a cena e a reprovei. Este senhor cometeu o crime contra o sentimento religioso previsto no artigo 208 do Código Penal“. E o juiz passou a ler o artigo em voz alta: “Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”.

Tudo isso é crime, Dr. Béja, como o senhor acertadamente escreveu na petição”, disse o juiz, que prosseguiu: “Este senhor cometeu o crime previsto na terceira figura deste artigo “vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso“.

Em seguida, sentou-se, apanhou a caneta e de próprio punho despachou na mesma petição e determinou ao secretário de segurança do RJ a imediata abertura de inquérito policial contra o bispo Sérgio Von Helder. Justificou que não decretaria a prisão dele por achar a medida drástica e fora do flagrante e me mandou entregar a petição ao delegado de plantão na sede da Secretaria de Segurança, que naquela época funcionava perto da TV Educativa, centro do Rio. Fui e entreguei. E lá se vão quase 21 anos.

PODE SER EXAGERO – Fico imaginando um monte de coisas, se Crivella vencer. Sim, porque ele passará a ser o prefeito da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Pode até ser exagero da minha parte. Mas me preocupa que, uma vez prefeito, Crivella desconstitua, por decreto, o Cristo Redentor como imagem-símbolo da Cidade do Rio de Janeiro. Ou que mande cobrir a imagem, da cabeça ao pés. Ou até mesmo que ordene que ela seja derrubada, como aconteceu com a estátua de Saddam Hussein.

Crivella é IURD. E a IURD não aceita imagens de santos. As chutam, como fez Von Helder. As desprezam. As vilipendiam. Creio que a imagem do nosso Cristo Redentor correrá risco, se Crivella vier a ser prefeito, a não ser que ele diga publicamente que será um prefeito ecumênico. Que respeitará católicos, espíritas, kardecistas, muçulmanos, umbandistas, budistas, ateus, judeus, o candomblé e suas ramificaçoes… Enfim, todas os credos, todas as religiões, todos os símbolos religiosos e seus fiéis e seguidores.

E O PADROEIRO? – Outra coisa que me preocupa é o 20 de Janeiro. É o dia de São Sebastião, padroeiro da cidade. É feriado. E a lei que instituiu feriado no município do Rio no 20 de Janeiro tem lá uma determinação que duvido muito que Crivela, se eleito, venha cumprir. Vamos conferir o artigo 8º da Lei Municipal nº 5146, de 7.1.2010:

“Artigo 8º – Constituem feriados no Município do Rio de Janeiro:

I – 20 de Janeiro, o dia de São Sebastião, padroeiro da Cidade do Rio de Janeiro, quando o Poder Executivo dará todo apoio às festividades religiosas em louvor ao Padroeiro da Cidade, das quais participarão, obrigatoriamente, o Prefeito e o Presidente da Câmara. Será insusceptível de transferência de data qualquer que seja o dia da semana em que ocorra”.

Tenho sérias dúvidas, se Crivella for eleito prefeito, a prefeitura dará todo  apoio (financeiro e logístico, é claro) às festividades religiosas em louvor de um santo católico, São Sebastião. Tenho sérias dúvidas se Crivela estará presente (obrigatoriamente presente), como determina a lei, nas festividades deste dia, todas elas a cargo da Arquidiocese do Rio.

CRIVELA É IURD – E a IURD vilipendia as imagens dos santos católicos. Se for eleito, talvez mande um representante, para não ficar mal com os adeptos da IURD nem com seu tio bispo Macedo. Esses dois Marcelos, que vão participar do segundo turno para saber quem será o prefeito do Rio, precisam dizer publicamente ao eleitor o que farão. Especialmente Crivella.

Precisamos saber que fará um governo ecumênico, que a prefeitura renderá todas as homenagens aos santos da Igreja Católica nas festividades de seus dias e não haverá a menor discriminação com religião alguma. Que o prefeito, se convidado, estará presente aos cultos e festividades religiosas, independentemente do credo.

FREIXO É BLACK BLOC? – E o outro Marcelo, o Freixo, precisa dizer à população que não tem qualquer ligação, direta ou indireta, com os chamados “black blocs”, que disseminados pelo mundo, vão para as pacíficas manifestações de rua e as transformam em quebra-quebra e até mortes, como aconteceu com o cinegrafista da Band. E que também explique sua relação com a personagem “Sininho”, que já esteve presa em Bangu e foi solta, acusada de liderar ações violentas nas manifestações populares.

Tudo isso está na internet, está na história recente da Cidade do Rio DE Janeiro e consta em processo na 27a. Vara Criminal, cujo titular é o juiz Fábio Itabaiana de Oliveira Nicolau. Não se está aqui prejulgando ou lançando qualquer suspeita contra esta moça. Diz a Constituição que ninguém será considerado culpado a não ser após sentença condenatória contra a qual não caiba mais recurso. Que assim seja.

78 thoughts on “É preciso saber: Crivella respeitará os santos? Freixo vai proteger os “black blocs”?

  1. Depois dessa leitura literalmente nossos juristas são frangos e a leis deve ser apagadas pois Crievela vai transformar o Rio de Janeiro em uma ditadura religiosa. Menos, menos como é dito aqui Ainda temos uma constituição e que falta é juristas que esta fazendo falta no Rio é Brasil. Crível a é muito mais político que religioso afinal político adora baal de dia e Deus a noite.

      • Cri7vellas é parte indissociável do plano de poder da lavanderia universal.

        Fresco é tão fraco que é capaz de perder o segundo turno para essa máfia.

        Fresco deveria ter começado por uma boquunha de fumo nos cidadãos menor. O momento é inoportuno à esquerda e a lavanderia tem tentáculos, inclusive comunicativos, e sempre sai ilesa, como entorpecente teocracia.

  2. Caro Dr. Béja,
    Comungo do seu entendimento, pergunto-lhe aonde é que eu o assino?
    De fato, a derrota do candidato Pedro Paulo do PMDB é CULPA EXCLUSIVA do alcaide carioca.
    O candidato do PRB à prefeitura do Rio de Janeiro, senador Marcelo Crivella, membro da IURD irá disputar o segundo turno com o candidato do PSOL, Marcelo Freixo.
    Com todas as urnas apuradas, Marcelo Crivella obteve 842.201 votos, ou seja, 27,78% dos votos válidos, enquanto o seu oponente Marcelo Freixo ficou com 18,26% dos votos válidos, ou seja, 553.424 votos.
    Já o candidato do prefeito Eduardo Paes (PMDB), Pedro Paulo (PMDB), terminou em terceiro lugar, com 16,12% dos votos válidos, ou seja, 488.775 votos.
    O candidato Flávio Bolsonaro (PSC), com 424.307 votos ficou com 16,12% dos votos válidos, e o candidato do PSD, Índio da Costa, com 8,99% dos votos válidos, obteve 272.500 votos.
    Eles foram seguidos por Carlos Osório (PSDB), com 261.386 votos, ou seja, 8,62% dos votos válidos.
    Com efeito, como muito bem observado pelo nobre colega, se não fosse a arrogância de Eduardo Paes, pois se dispusesse a trocar o seu candidato Pedro Paulo por Carlos Osório ou Índio da Costa (8,99% + 8,62% = 17,61% dos votos válidos), certamente um desses dois candidatos estaria disputando o 2º turno com o candidato da IURD ao invés do candidato do PSOL.
    Para espairecer, pois se trata de uma anedota, de uma brincadeira daqueles que militam nas redes sociais, termino com a frase do dia que está VIRALIZANDO nas REDES SOCIAIS: “Eu sabia que a quantidade de evangélicos era grande, mas a de maconheiros me surpreendeu”.

  3. Caro Dr. Beja,
    Tudo bem. Estamos em um dilema – que é aquele problema que apresenta dois caminhos para a sua solução mas nenhum dos dois é bom.
    Assim, pragmaticamente, penso: o que será mais fácil descartar daqui a dois anos? Crivella ou Freixo?
    Na minha opinião será mais fácil nos livrarmos da IURD. E o Sr., o que acha?

  4. É isto que acontece quando em política não se tem mais líderes autênticos. A situação, em geral, é a de dificuldade de votar até no menos pior. E o que sempre se oferece, na bandeja das opções – ou das ilusões -, são medíocres “tocadores de bumbo”, sem a mínima expressão de capacidade administrativa, mas capazes de turbinar excentricidades que enganam a clientela. E o povo acaba pagando um um preço alto por votar em pretensos salvadores da pátria. No caso do Rio, se um conseguir se desvincular de seus laços religiosos, não é, então, um autêntico religioso; e o outro, historicamente se tornou um prato-feito para as minorias retumbantes amparadas pelos mascarados predadores do bem público.

  5. Dr. Béja,

    O sr. não mencionou em seu texto sua troca de e-mails com o prefeito Paes por conta dos bandejões que a prefeitura assumiu, teoricamente, por sentimento humanitário.

    Não sou eleitor do Paes e, muito menos, do PMDB.

    Mas não poderia deixar de mencionar tal fato, que o sr. pode ter esquecido.

    Abraços

  6. Um artigo muito bonito escrito por quem odeia o Crivela. Então, diga logo que apoia o bandido do PT ou PSOL ou coisa que valha. O Dr Beja coloca o seu assunto religioso acima do estado laico que é o Brasil e continuamos muito mal de juristas.

  7. Artiquinhp de 5.ª categoria, feito por que conhece muito de lei e música, mas nada sobre história…
    Os Blacks Blocks não são um partido político nem nada, são apenas uma estratégia de luta surgida inicialmente no março de 68 na França que tomou maiores proporções a partir do seio de uma vertente alternativa da esquerda europeia na década de 80…
    ficou pouco conhecida na Europa até a década do fim do século 20….
    Lamentável a ‘ sociedade carioca ‘ que em nenhum momento sequer citou o coronel estuprador de criança de 2 anos…

    Se quiserem me processar estou ao dispor.

    • Eu, Virgílio, estou cheia de dúvidas.

      A classe artística vota com o Freixo.
      Ainda não li as propostas no site dele.
      Por outro lado, a vice do Pedro Paulo, Cidinha Campos, fez muitas acusações ao Freixo na internet, citando nomes.

      Sei que a Cidinha queria eleger o Pedro Paulo e se eleger, botar o Freixo pra escanteio.

      Mas ela não fala só de Blacks Blocks, mas de milícias etc.

      Não vou dar opinião no que não entendo.
      Preciso ler mais, assuntar mais sobre o Freixo.

      Quanto ao Crivella, não sei. Acho que a Igreja Católica abriu a guarda, com Dom Orani deixando-se fotografar ao lado de Crivella.

      Evangélico e protestante é a mesma coisa? Se for, são os EUA nos invadindo pela religião.

      Brincadeira. Tenho amigo evangélico e do qual gosto muito. Não pensamos da mesma maneira. Paciência.

      O problema do Crivella não é ele ser evangélico. É o status dele diante da igreja que defende. Muito alto. Garotinho também era evangélico e ficou lá com sua Rádio Melodia, comportado.

      Crivella é engenheiro, inteligente, não vai sujar a barra. Pode aspirar à presidência.
      Devagar se vai ao longe, não é o que diz o ditado?

  8. Cabe lembrar que os black blocs presos porque tentaram incendiar a Câmara dos Vereadores, os que assassinaram o cinegrafista da Band e a “ativista” – de quê?, Sininho todos tiveram a defesa de um advogado lotado no gabinete do deputado estadual M. Freixo.

  9. Sei lá, usar um acontecimento de 20 anos atrás (pelo menos) para atacar o Crivela…
    Os caras tomaram bordoadas atrás de bordoadas por causa daquilo. Aprenderam. Apesar de que se fosse hoje a esquerda iria bater palmas.
    Hoje, o inimigo não são os católicos, é a esquerda. É a turma que quer acabar com a religião, com a família tradicional, que quer ensinar ideologia de gênero para crianças de 5 anos.
    Sem ser adevogado, imagino que um prefeito não tem nenhum poder sobre Igrejas.
    O pisol, através de seus black blocks e de sua agenda podem fazer muito mais mal à Igreja Católica e a todas as outras Igrejas.
    Se o Crivela é problema, não é por não gostar dos santos da Igreja Católica.

  10. Tamberlini não é um que disse há uns dias atrás que não participaria mais deste blog?

    Defenda suas ideias, se as tem, mas não insulte quem pensa diferente. Respeite todos.

    Nem concordo sempre com o Dr. Béja, sou ateu, pagão, mas respeito – talvez por isso mesmo – todas as religiões. Eu disse religiões. Não posso respeitar esses pastores eletrônicos, que dizem barbaridades diariamente (horariamente, seria mais bem colocado se a palavra existisse).

    Vendem a fé. Vendem Cristo. Prometem mentiras. Contratam pessoas que funcionam como (maus) atores, geralmente repetindo as mesmas estórias.

    Todos que chegam para prestar depoimentos estavam “no fundo do poço”, seja quanto ao aspecto material, sentimental, em relação à saúde (há programas televisivos específicos para cada “especialidade”), e se salvaram, em curtíssimo prazo, graças à “fé”. A fé é metáfora que substitui o dinheiro que os incautos, coitados, dão para esses indivíduos que se autodenominam pastores.

    Espanta-me profundamente o MP não tomar nenhuma atitude, diante da escancaração. Nem é necessário recorrer ao YouTube e procurar vídeos desses “magos”. Basta ligar a TV. Lá estão esses bandidos, diuturnamente. Por que não são processados? Falta pulso.

    Mas voltando ao que disse o Dr. Béja, é mesmo: já pensaram se esse bispo-prefeito se invoca contra a imagem do Cristo no Corcovado, um símbolo conhecido internacionalmente, mais que a marca do Rio, mas o do Brasil, e manda derrubá-lo? Faria isso? Seria capaz? E os feriados religiosos? Independentemente de o estado ser laico (e eu ateu), o povo, em sua maioria é cristão, nossos colonizadores o eram, a tradição é essa.

    O mal de quebrar tradições é nos deixar sem laços, sem referências. Antes os santos católicos, romanos, do que venerar os ídolos do funk, os MC’s, sertanojos. Um pouco de santidade é necessário para quebrar a dureza da vida, da violência incontida e incontível do dia-a-dia.

    Não há dúvidas de que essas denominações “religiosas” são perigosíssimas. São fundamentalistas. Praticam lavagem cerebral, com dois fins: arrecadar fundos e chegar ao poder.

    O primeiro fim já atingiram há muito tempo: estão riquíssimos.

    Ao poder, principalmente aos legislativos de estados e municípios, já chegaram, também, pela força do voto dos que neles creem. Mas não ocuparam nenhum cargo importante do Poder Executivo. Talvez de prefeitos em algumas dessas aldeias que o Brasil chama de municípios. Mas nunca atingiram a possibilidade de ocupar a prefeitura de uma capital.

    Estão próximos. O risco é grande. Pensem antes de votar.

  11. Boa noite, achei a escrita tendenciosa em relação ao Crivella, nunca votaria no Crivella, mas tendo que escolher entre o Crivella e Freixo, iria no Crivella. A escrita veio velada de uma falácia pobre e preconceituosa ao candidato, acredito que seja somente delírios como foi dito pelo autor. Afinal tivemos o Cabral que surripiou o Rio de Janeiro, e o Eduardo Paes também na mesma linha, quando andava abraçado com lula, pois o mesmo disse que era um soldado do lula. A gestão do PMDB no Rio hoje vemos o servidor sem salário, pasme a cidade da copa do mundo, olimpíadas hoje não paga salário. O Eduardo esta enrolado na lava jato, pois as contas do panamá esta abafado, mas vai chegar a hora. E compras de matérias superfaturados, e fora que as contas do município não estão azul, pois o atual prefeito pegou empréstimos para começar a ser pago no próximo mandato, ou seja quem assumir já vai ter que arrumar solução para ter orçamento em casa. E o seu secretário da saúde que comprou uma cobertura na Lagoa. Lembra do massacre de Realengo, o que foi feito, nada pois caiu no esquecimento e as crianças foram esquecidas. Mas o que foi descrito que os pecados do atual prefeito foram de ordem moral e só. E voltando ao Crivela vou esperar que foi somente um deliro, pois, supor real que o mesmo caso venha ganhar realizar metade dos atos delirantes. O Senador Crivella foi eleito para o cargo com mais de 3 milhões de votos, e também eleito o terceiro melhor Senador, e foi ministro no governo Dilma, mas como disse nunca votei, mas tenho a consciência que delirar a cerca de um achismo sobre o candidato é golpe baixo. Tenho as minhas convicções, mas procuro ao máximo respeitar os semelhantes. Sobre o Freixo as suas palavras demostram a sua linha de atuação, é um Maria do Rosário masculino. Caso o Bispo venha ganhar e realizar um fato do delírio do auto, literalmente as autoridades do Estado do Rio de Janeiro não passam de frangos.

    • Caro Aquino, a quem muito respeito. Anular o voto é anular a si próprio.

      Sempre há espaço para encontrar o menos ruim (que chamam, burramente, de “menos pior”).

      Freixo não é o meu sonho dourado. Meu sonho nessas eleições eu já realizei: era derrotar o PMDB, especialmente a parelha Paes/PP. Por isso, embora tivesse encontrado candidatos que me agradassem mais que o Freixo, acabei por votar nele, a título de voto útil, para evitar a dispersão de votos que favorecesse o PP, já que o Crivella corria solto.

      Agora a briga é contra a IURD, esse câncer.

      Só votaria mesmo em Crivella para espantar o PP, caso necessário.

      Para ter uma ideia da minha aversão a essa parelha, que acrescida de Cabral, Pezão, Dornelles, Sérgio Cortês (lembra), mais a turma do guardanapo, em nada difere da roubalheira dos petralhas – são todos cúmplices, aliás – eu trocaria de ladrão, votando no “bispo”, só para ver longe esses embusteiros.

      Não jogue fora o seu voto, caro Aquino.

  12. Dependendo do “eleito”:

    Ato nº 1: “A ex- Avenida Suburbana passará a se chamar Avenida Suburbana; dois estados abaixo do Rio de Janeiro serão chamados Paulo e Catarina”.

    Ato nº 1: ” Aê, rapaziada, liberou geral, tá ligado” ?

  13. O que sei da prefeitura do Rio é através dos jornais, desconheço a realidade política, portanto, da Cidade Maravilhosa.

    Mas eu não gostaria de decidir, na condição de cidadão brasileiro e eleitor, entre dois candidatos aparentemente tão distantes um do outro em termos políticos e religiosos, entre a crença em Deus quase que fanática se não contestada à luz da própria fé, e a anarquia política, manifestações populares que se assemelham a badernas, caos urbano, destruição do patrimônio público e privado, insegurança pela violência empregada por um partido de “esquerda” que se caracteriza pela sua radicalização!

    Se foram votos de protesto, entenda-se, mas o carioca deveria ter pensado mais adiante, ao se deixar com duas alternativas a prefeito que mais causam dúvidas que certezas.

    O dissimulado Cristianismo da Universal, cujos pastores e bispos se vestem de rabinos, o templo denominada de Salomão, as pregações constantes baseadas no Velho Testamento, conferem à neopentecostal uma aura de Judaísmo mais ameno, mais leve, sem as exigências do Toráh e das tradições judaicas, uma espécie mais apropriada para iniciantes com relação à religião monoteísta mais antiga.

    Assim, a IURD, que NÃO pratica o Cristianismo, mas o usa despudoradamente para arrecadar milhões de reais de seus fiéis que acreditam estar cultuando e professando os ensinamentos de Cristo, porém enaltecendo uma religião muito distante daquela que tem no perdão e amor ao próximo a sua base filosófica, certamente pode ser contestada quanto às formas que desenvolverá a sua administração com referência à pluralidade de crenças existente no Rio, e se a sua religiosidade extremada não será usada como característica de um governo que deve se manter absolutamente neutro nessas questões de fé.

    Da mesma forma, questiona-se sobre o comportamento que o Psol adotará se vencer a eleição, pois radicais em seus posicionamentos políticos e avessos a maneiras mais brandas, educadas e respeitosas de reivindicações, se o Rio não será palco constante de arruaças, badernas, e com total liberalidade do Paço Municipal, que apenas se dedicará a atender seus fanáticos seguidores, que se debruçar sobre os problemas da sociedade em geral, que engloba ricos e pobres, trabalhadores e desempregados, gente de todas as tendências!

    Inegavelmente o Rio de Janeiro se encontra entre a cruz e a espada!

      • Fred,

        O Psol não sabe o que é comunismo, mas baderna, arruaça, quebra-quebra!

        Depois, a gurizada gosta de dinheiro, de lancherias, de se vestir bem, de usar laptops, usar as redes sociais, conforto e liberdade absolutamente inexistentes no comunismo, pelo menos aquele que foi implantado em certos países e que resultou em total fracasso!

        Agora, possuem fortes tendências totalitárias, de quererem uma ditadura do proletariado, porém comandados por espertalhões e ricos, naturalmente.

        Um abraço.
        Saúde e Paz!

        • Mas não é só o Psol que “não sabe” o que é comunismo !
          Já vi aqui mesmo nesta tribuna veneráveis que negam que a USSR foi comunista. Falam em “comunismo democrático” com liberdade de imprensa e tudo !!!

          • Fred,

            Em Cuba também tem imprensa, porém apenas publica as notícias liberadas pelo partido.

            Na extinta União Soviética era a mesma situação, com a mídia controlada severamente pelo regime.

            Aliás, qualquer ditadura tem aversão pela liberdade de expressão, pela imprensa, que tem com objetivo informar, mas também esclarecer ao povo o comportamento de seus mandatários, uma espécie de eminência parda, com a intenção de também ajudar na fiscalização do poder reinante, quando esta mídia se notabilizar pela isenção, claro.

            No Brasil, uma boa parte da imprensa é petista ou foi comprada pelo dinheiro roubado do PT ou falsamente socialista, desde que as garantias individuais sejam preservadas e a liberdade de imprensa, lógico, condições que jamais o comunismo ou o socialismo iriam aceitar!

            Mais uma esquerda “festiva” que real, verdadeira.

            Outro abraço.

  14. Jorge Béja já foi mais feliz e menos banal em outros artigos.

    Preocupações com santos e feriados religiosos são as últimas coisas que importam – se é que importam – na administração de uma cidade.

    Beira o ridículo a angústia quanto ao “apoio financeiro e logístico às festividades religiosas em louvor de um santo católico”, quando há tanta coisa para se repensar – inclusive na gastança. Aliás, como não consta que a Igreja Católica esteja em dificuldades financeiras, eu sugiro até que o tal “apoio financeiro” da prefeitura à festa seja suspenso, já que até segunda ordem o estado é laico.

    Se Béja é Freixo, como dá a entender, deveria explicar melhor a ligação do candidato com os black blocs e não sugerir que ele simplesmente desminta o que é, efetivamente, uma verdade factual. Ou será que além dos inúmeros podres de Freixo, Béja quer incentivá-lo também a mentir?

    Eu sei que a escolha dos cariocas é pobre. Mas é óbvia e, como disse Stephen Kanitz, “calma, a Universal só quer 10%. O PSOL quer 70%”.

  15. Caro Antonio Rocha …Sds.

    Conforme http://tribunadainternet.com.br/o-brasil-precisa-de-um-governante-que-apenas-saiba-o-que-e-certo-ou-errado/#comment-384411 … recomendo a leitura de http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/bbc/2016/10/04/como-a-lampada-eletrica-provocou-uma-revolucao-cientifica-e-se-tornou-um-pesadelo-para-albert-einstein.htm#comentarios

    Lá estão bem explicados alguns poréns da Ciência, a que pretende entender o Criador por meio de seu trabalho … enquanto a Religião, pela sua palavra.

    Façamos algumas observações ao link. Abrs.

  16. Crivella já se mostrou super transparente a respeito desse tema e durante sua campanha fez questão de mostrar sua tolerância com todas as religiões, mesmo a mídia tornando todas as suas ações em ataques e críticas. Não acho que exista a possibilidade desses extremos citados na matéria… Crivella, caso seja eleito, governará para a cidade como um todo, isso já ficou claro.

    • Basta que se veja de onde vem Crivella e essa “igreja”. Recomendo aos que não conhecem os métodos que liguem suas TV’s. Nem precisa recorrer ao YouTube. Seja na Record, seja na RedeTV!, seja na CNT, há diversos horários onde se podem ver os crimes diuturnamente cometidos contra os incautos e a maciça propaganda dessa entidade que deveria ser fechada a partir de denúncias oferecidas pelo Ministério Público – fosse o Brasil um pais sério.

      Quem tem esse berço não pode ser chefe de um poder, ainda que municipal, mas, principalmente, da segunda maior cidade do Brasil.

      Quanto ao Freixo, por pior que a pessoa o tenha, nunca se assemelhará a esses “bispos” criminosos.

  17. Estamos discutindo sobre o ovo e galinha. Feriado santo, católicos, neopentocostais, bispo, padres, maconheiros, viadagens. E nesse momento o Estado do Rio não está pagando o servidor. Isso sim que poderia ser uma abordagens temáticas, infelizmente o PMDB quebrou o Estado e 2017 tudo indica que será o Municipio. Mas o que está aqui na central da. Conversa é feriado santo. Quem tem fome quer saber de feriado santo, estátuas e nomes se ruas. Enfim segurar o pensamento para não ser intolerante sobre a hipocrisia, o Cabral sumiu, Pesão de licença. Temos um ancião qur não abre a boca no governo do Rio. E breve um novo prefeito, é o que temos no presente. Cabral e Paes estao com suas contas agregadas de propinas. E o servidor da casta menor sem salário, uma pena mas a Delta só trouxe benefícios para um grupo de amigos. Se os preceitos tem essa força toda. Melhor fechar as instituições do Rio, pois está cheios de filósofos de bananas.

    • Quem está discutindo sobre feriados santos já passou, Alex.

      A discussão agora é outra: Freixo, Crivella, nulo, branco ou abstenção?

      Os últimos três, tanto faz, são os Pilatos, os avestruzes. Entre quem vota e tem consciência, penso eu que deve ter em mente que o MAL MAIOR, aqueles pústulas do PMDB, já passaram.

      Agora, independentemente das qualidades ou defeitos dos candidatos, a pergunta é: “Você tem coragem de entregar a direção do Rio de Janeiro à Igreja Universal do Reino de Deus, mesmo sabendo do que são capazes? Ou não sabe do que são capazes, inocente?!”

      • Não é questão que passou é que com santo ou sem santo e ateu. E que sobrou. E quando vejo as ilações que a universal vai comandar é hipocrisia isso. Afinal temos um judiciário, legislativo. Ou é um bando de banana. Seguindo a temática só tem banana mesmo.

  18. Esse segundo turno é uma verdadeira sinuca de bico, de um lado o Crivella e do outro o Freixo.
    Sou de filosofia espírita, mas não professo nenhuma religião, me sinto a vontade para analisar os dois candidatos.
    O Crivella tem contra ele ser ligado a IJRD, religião, com preceitos e preconceitos duvidosos, que num país sério, se daria muito mau. Contudo, não acredito que o Crivella vá atentar contra qualquer outra religião, por dois motivos, um: seria o fim sua carreira política, a outra: não poderia, atentar contra qualquer religião sem infringir as leis brasileiras.
    Freixo, carrega o ranço do PT. Mais importante que estar ligado ao Black Blocs, são seus ideais com relação as drogas e os viciados, a educação e a segurança pública.
    Freixo continua com as palavras de ordem do PT, repetindo: é golpe, governo golpista referindo-se ao novo presidente. Foi e é defensor da Dilma e sua gestão, consequentemente acha que não há nada de mais com a corrupção comandada pelo PT, e o buraco que enfiaram o país.
    O correto era não votar em nenhum dos dois, mas como tem-se que votar, devemos analisar qual dos dois pode ser mais prejudicial ao povo carioca, principalmente nos quesitos educação, violência e viciados em drogas.
    O consumidor de drogas é tão culpado pela violência, quanto o traficante. É o princípio fundamental das partidas dobradas: Não há vendedor sem comprador e vice versa.

    • Nélio, quase concordo com tudo que você falou, principalmente a não professar nenhuma religião. Te confesso que tenho profunda admiração pelos espíritas, porque admiro quem é correto. E não costumo ver entre os verdadeiros espíritas pessoas de má índole. Pelo contrário. E tenho exemplo em casa: minha esposa é kardecista.

      Quanto às observações relativas ao Freixo (defesa de Dilma, liberação de drogas, defesa de direitos de bandidos etc.), cabem algumas considerações. Tem muito tempo que o Freixo abandonou essa sigla, antes, aparentemente, respeitável – embora nunca tenha merecido o meu voto. Mas, posso admitir que não votei nesses caras do PT, não por sorte, mas porque nunca vi em Lula uma liderança que pudesse levar o país a bom termo. Suas propostas sempre tiveram um viés radical. Meu padrão de governante é o Brizola, acho que o teu também.

      Mas o Freixo, posso te garantir, é honesto. Coisa que, de saída, o Crivella não é.

      Ou é possível enxergar honestidade na IURD? Foi bispo?! Conversa… É sobrinho de quem?

      E há, pode ter certeza, o projeto nacional (ou universal) da Universal. Então, de plano, xô Crivella.

      Quanto a esses ideais do Freixo que podem nos repelir, ou fazer com que tenhamos repulsa a ele, são todos, de índole nacional, sejam bons ou ruins, segundo o juízo das pessoas.

      Te mostro uma pequena, talvez insignificante, faceta dessa sociedade chamada IURD.

      Anos passado, estava em votação na Câmara Municipal do Rio um projeto urbanístico, que, como é da sua essência, definia limites à ocupação do solo em diversas regiões da cidade.

      Sob o pálio do argumento de que as igrejas são imunes, os vereadores dessa seita tentaram (se não me engano, sem sucesso) aprovar um dispositivo que as liberava do cumprimento dessas normas.

      Ora, é muita enganação. Muito obscurantismo. As igrejas são imunes, sim, mas a IMPOSTOS. Estão livres da sua incidência. Mas, de modo algum, estão liberadas do cumprimento de normas urbanísticas. Se a Constituição Federal assim dissesse, por outro lado, não seria necessário o dispositivo.

      Isso é, como eu disse, apenas uma pequena partícula a representar o pensamento dessa gente – da qual devemos manter distância e ter muito cuidado.

      O projeto “Universal” é tremendamente atentador contra as liberdades do ser humano. Se Crivella vai atentar ou não contra outra religião é o que menos me preocupa. Não me parece que esse ponto seja considerável, até porque não teria mesmo esse poder, nem querendo, além do que o estado é laico, não lhe compete dar ordens nesse sentido.

      O que me preocupa é a possibilidade de termos mais um grupo mal intencionado, uma ORCRIM, ocupando cadeiras de relevo no âmbito da municipalidade do Rio de Janeiro, servindo como escalada para sonhos (para nós, pesadelos) mais altos.

        • Alex, eu não acreditaria em afirmativas desse tipo.
          O Freixo tem contra ele o preconceito por ter sido do PT, mas o “horror a socialista” por parte das dondocas e dos dondocos (especialmente os da Zona Sul e da Barra e mais especialmente ainda os novos ricos) e, aproveitando a onda, é, agora, o único adversário dos neo-pentecostais, que não querem, de maneira nenhuma, perderem a chance de chegar ao poder.

          E só para esclarecer:

          1) voto em Freixo, especialmente diante do quadro que se nos apresenta, DE OLHOS FECHADOS;

          2) Jamais votei ou votaria em qualquer político do PT, especialmente no ladrão-mór;

          3) Torci muito para que Dilma caísse, embora não nutra grandes esperanças pelo Temer e pela corja que anda com ele, mas isso é outro assunto;

          4) Não sou dondoco, mas moro na Zona Sul – só não sou novo rico. Como também não sou banqueiro, latifundiário ou coisa semelhante, apenas um cidadão de classe média, do ponto de vista econômico, não tenho nenhum temor por um prefeito da minha cidade com viés socialista.

          Te garanto uma coisa, que me parece, se não o principal, mas muito importante: o Freixo é PROFUNDAMENTE honesto, seja com dinheiros, seja com seus princípios e ideais (honestidade intelectual).

          Para começar, acho que tá bom.

      • Oigres, ao que parece, todo mundo, de todos os lados e vinculações, descobriu a importância de ser representado politicamente.

        Todos estudam advocacia. E fazem força para entrar na política.

        Todo mundo esperto.

        Minha dúvida em relação ao Freixo é ele ficar refém de um certo grupo. Pode acontecer, não pode?

        • Não se estuda advocacia, caríssima Ofélia; estuda-se direito.
          Advogado é aquele que após concluir o curso de direito presta prova à OAB do seu estado.

          As atividades dos juízes, promotores, desembargadores (que juízes são) e de um monte de outros servidores públicos são consideradas incompatíveis com o exercício da advocacia.

          Esses operadores do direito, portanto, por mais saber jurídico que tenham, não advogam.

          O Freixo é formado em História.

  19. Oigres, sabes do respeito que te tenho. Vimos e vivemos muita coisa que os mais jovens não viiram. Sempre que pude votei. Agora aos 85 anos votei com minha esposa na Escola do Joquei, no Leblon. Nunca votei em branco. Mas eu conheço bem os dois candidatos. Seria justo votar contra minha consciência? Dois votos não decidirão nada. Os filhos netos e sobrinho eu não influencio. (poucos estão no Rio). Depois do que aconteceu comigo minha mulher os aconselha a nunca se envolverem em política. Mas são cidadãos e devem votar. Não me perguntam nada e eu evito falar em política com eles. Vou pensar, Oigres.

  20. Crivella vai assumir o cargo de prefeito, mas estará ao lado povo, com certeza, ele vai ouvir, vai fazer uma boa gestão, ele tem competência pra isso, já o Freixo, tenho minhas dúvidas, e se é pra votar consciente, voto no Crivella!

  21. O Crivella já deixou claro que a igreja universal não irá participar da prefeitura e que ele respeitará todas as religiões. Na minha opinião, essas matérias são meios de tentar sujar o nome dele de todas as formas já que ele tem grandes chances de ser o próximo prefeito do RJ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *