Eduardo Bolsonaro compartilha vídeo que critica CPI da “Lava Toga” e é acusado de repassar fake news

Autor da CPI disse que Eduardo “quer mamata em embaixada”

Breno Pires
Estadão

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) compartilhou em uma rede social um vídeo que compila críticas à chamada “CPI da Lava Toga”, que parte do Senado defende para investigar integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF) como o presidente Dias Toffoli.

“Muito tem se falado sobre a CPI da Lava Toga. Muitas dúvidas são respondidas neste vídeo”, publicou Eduardo no Twitter, recomendando aos seus seguidores que assistissem. No vídeo, a youtuber conservadora Paula Marisa, que se define como “integrante da milícia virtual jacobina”, afirmou que a CPI da Lava Toga não fará uma “limpa no Judiciário”, pode “trancar a pauta da reforma da Previdência no Senado” e até “acabar com a Lava Jato”.

CRÍTICAS – A autora criticou senadores favoráveis à CPI da Lava Toga, incluindo os integrantes do PSL Major Olimpio (SP) e juíza Selma (MT), além de Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Reguffe (DF-Podemos). A youtuber defendeu, como pauta mais eficiente do que a CPI da Lava Toga, o impeachment de ministros do Supremo e o fim da PEC da Bengala, que elevou de 70 para 75 anos a idade em que integrante de tribunais superiores são compulsoriamente aposentados.

A postagem de Eduardo é a primeira manifestação pública dele após o irmão e senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) se tornar alvo críticas por se posicionar contra a abertura da CPI. Senadores do PSL disseram ter recebido de Flávio pedido para retirada das assinaturas para criação da comissão e demonstraram insatisfação.

Uma parte dos apoiadores bolsonaristas nas redes sociais cobrava que Flávio assinasse também o requerimento para abertura de CPI. Pressionado, Flávio explicou em entrevista ao Canal Terça Livre por que é contra. “Tenho a clara percepção que uma CPI com essa pauta toca fogo no País”, disse.

ARGUMENTO – No vídeo compartilhado por Eduardo, a youtuber diz que “não vai passar o pano para o senador Flávio Bolsonaro” e, contesta o argumento usado pelo senador, de que não poderia tomar certas medidas por ser filho do presidente.

“Me desculpa senador Flávio Bolsonaro, mas se você está impedido, está de mãos amarradas para tomar medidas que são importantes para o País, pelo fato de ser filho do Bolsonaro, renuncie, porque a gente precisa de senadores lutando pelas nossas reivindicações”, disse.

REAÇÃO – Citado no vídeo da youtuber compartilhado por Eduardo, o senador Alessandro Vieira respondeu ao deputado no Twitter indicando que ele estaria “repassando fake news para tentar encobrir a covardia e o acordão”. “Falta de vergonha na cara. A real é que o sistema está usando o rabo preso da sua família para barrar o combate à corrupção. Quem quer mudar o Brasil apoia a CPI. Quem quer mamata em embaixada fica com mimimi”, disse o senador.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Conforme já dito nesta Tribuna,  ao eleger Bolsonaro (pai), o país “ganhou” um plano advanced, tendo um clã inteiro dividindo a Presidência e tentando interferir em decisões importantíssimas. Evidentemente, todos têm direito a dar opiniões sobre tudo. Mas os filhos do presidente parecem ter uma “necessidade” constante de criar polêmicas, já que sabem o peso de suas declarações públicas. Cada dia um dá pitaco. Parece prova de revezamento. Nem aos domingos descansam. Mesmo que tenham que colar na onda de publicações de youtubers e blogueiros desconhecidos. A questão é promover discussões. (Marcelo Copelli)

17 thoughts on “Eduardo Bolsonaro compartilha vídeo que critica CPI da “Lava Toga” e é acusado de repassar fake news

  1. Ainda acho que esses imbecis, dão estes pitacos transloucados, combinados com o pai.
    As intenções, é que não ficam muito claras!

    Tamo lascado, como se diz no popular.
    Um cara de comportamento inexplicável, foi eleito para a presidência.
    O outro candidato, representava o que há de mais sujo neste país esdrúxulo.

    Vade retro….

    • David, era o que iria escrever.

      Tudo isso é a mando do Pai. Um importante empresário que participou da campanha do Bolsonaro, em entrevista a pouco mais de 3 meses, ao ser perguntado “se os pronunciamentos dos filhos nas redes sociais não poderiam atrapalhar a imagem do pai e, consequentemente, do país”, respondeu o seguinte:

      “Claro que esses entendimentos não são dos filhos. O presidente, como não pode estar o tempo todo nas redes sociais e falando o que pensa, transfere as falas para os filhos. Ele [presidente] sabe e concorda com tudo, pois é ele que orienta o que deve e não deve ser dito nas redes”.

      Ou seja, o “mito” é um trapalhão.

  2. -Eles precisam perceber que já não são o Seu Geraldo, bebendo em uma mesa de bar da periferia e pedindo para jogar uma bomba atômica no Supremo, entre uma tragada e outra.
    -Agora, eleitos, precisam medir as próprias palavras, pois elas, vindas de representantes do povo, o que dizem e publicam têm maior peso do que tinha antes.

    • Não vão entender isso nunca!
      Repare que todos eles mediam muito bem as palavras que diriam antes das eleições.
      Principalmente o bolsonaro. O cara mudou da água pro vinho, ou estou enganado?
      Aquele que escolhemos era mais moderador. Este troglodita que está sentado nessa cadeira do Planalto, é outra pessoa!
      Fomos enganados! O MAIOR ESTELIONATO ELEITORAL DA HISTÓRIA!
      O bolsonaro é um verdadeiro Nero!
      Déspota e, perigoso.
      Temos que nos livrar o quanto antes deste engodo.
      Tem o 01, o 02, o 03 e o ZERO À ESQUERDA.
      Caímos como patinhos….
      Está mais do que provado que esta família não presta!
      Forte abraço.
      Atenciosamente.

  3. If it looks like a duck, swims like a duck, and quacks like a duck, then it is a duck!
    Pois é, o cara fala como um irresponsável, parece irresponsável e age como um irresponsável então é um …

  4. “A política é a arte do possível”.

    Não sei se há algum acordão de Bolsonaro com o STF e o Congresso. Mas se houver, isto é simplesmente política.

    Seria um milagre o governo Bolsonaro sobreviver cercado de tantos inimigos se não fizer algumas concessões.

    Os isentões puritanos que têm como horizonte político apenas o lavajatismo podem estar trabalhando ingenuamente para devolver o poder à esquerdalha de sempre. Isso os eleitores de Bolsonaro que não suportam, além da roubalheira, o projeto “progressista”, o globalismo e a chatice politicamente correta (e que são a maioria) não vão tolerar.

    Não é o momento de atacar os podres do STF e o Congresso deve ser renovado nas próximas eleições e para isso é necessário antes fortalecer os partidos que realmente querem o bem do Brasil.

    O maluco da Virgínia mais uma vez tem razão:

    É preciso união em torno do Presidente porque existe uma constante e poderosa conspiração para derrubá-lo
    e, se isso ocorrer, não serão os NOVO, MBL, etc que vão sucedê-lo mas antes será a volta da velha esquerda que está por trás. Apoio total a Bolsonaro!

    • Que política do possível é essa?
      Falemos a verdade.
      O negócio é esconder a MERDA embaixo do tapete.
      Se aliar ao toffoli, ao gilmar boca de pepeca, ao alcolumbre calheiros? Isso é o possível?
      Meu Deus, se isso é o possível então estamos FU!
      Sacanear o Moro, isso é política do possível?
      Quanto ao homem de Virgínia, ele quer mais é ver o mar pegar fogo pra comer peixe frito! Então, ele que venha morar aqui e dê seus pitacos . Lá de longe fica muito fácil. Ele acha que somos títeres!!
      O bolsonaro perde apoio todos os dias, por praticar isso aí que o Sr. chama politica do possível.
      Me despeço cordialmente.

  5. Forçando a barra como estão fazendo os “zeros” ela logo quebra, aí o papai não vai aguentar a pressão da opinião pública e, como já desgostou deputados e senadores para um impeachment é questão de dias. E isto não está muito longe de acontecer, será que o País suporto mais um trauma como este?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *