Eduardo Bolsonaro diz que migração de fundo partidário para Aliança é “questão de justiça”

Eduardo minimizou eventual racha em votações importantes

Isabella Macedo
O Globo

O líder do PSL na Câmara, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se reuniu na noite desta terça-feira, dia 12, com cerca de 15 dissidentes do partido que devem aderir à nova sigla que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou que vai criar.

Eduardo desconversou sobre a conversa que aconteceu na liderança do governo na Câmara, mas ao ser questionado sobre o fundo partidário e o questionamento que deve ser adotado juridicamente, afirmou que a migração de partido junto com o valor é uma “questão de justiça”.

“JUSTIÇA” – “Tem que perguntar para a Karina Kufa e para o Admar [Gonzaga], que são os advogados. Se trouxer o fundo é bom por uma questão de justiça. Porque o injusto é você ter sido eleito, sair do partido e ficarem tão poucos deputados no PSL, e eles terem esse fundo todo à disposição deles. O lado bom de sair sem fundo é porque você realmente atrai as pessoas que são mais conectadas através das ideias. Você afasta um pouco aquele perfil de político, principalmente de candidato, que só vai para o partido que tem fundo eleitoral, que não é nosso objetivo. Nosso objetivo é ter um alinhamento com pessoas”, disse.

Na tarde desta terça-feira, Bolsonaro se reuniu no Planalto para anunciar à bancada do PSL que está de saída da sigla. Eduardo afirmou que o processo de desfiliação deve ser iniciado “no mais tardar” nesta quarta-feira. Os deputados que o apoiaram na crise que rachou o partido ficam em situação delicada, por não poderem se desfiliar sem perder o mandato e sem a fatia do fundo partidário.

ESTRATÉGIA – Os advogados estudam, segundo o filho do presidente, qual deve ser a estratégia traçada. Como o Senado tem regras diferentes que não preveem a perda de mandato por infidelidade partidária, o irmão mais velho de Eduardo, senador Flávio Bolsonaro (RJ), já deu entrada em sua desfiliação.

Eduardo também minimizou a possibilidade de os demais integrantes do partido atrapalharem votações de interesse do governo.

“Eu não acredito que pelo fato de nós estarmos indo para outro partido, que aqueles remanescentes no PSL venham a virar pessoas de extrema-esquerda, por exemplo. Acredito que a convergência é natural”, afirmou.

6 thoughts on “Eduardo Bolsonaro diz que migração de fundo partidário para Aliança é “questão de justiça”

  1. “NÃO tenho mais vontade e nem mais tempo a perder gastando velas boas com defuntos políticos ruins, mas a ordem do andar superior é que eu permaneça na Olaria, e na Olaria teimar em continuar mostrando o Novo de Verdade. Se, em 2014 ou 2018, pelo menos o PSOL, tivesse tido o desprendimento, a visão, a humildade e a dignidade de ter servido como fiel hospedeiro do Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, como propõe a RPL~PNBC-DD-ME, há mais de 20 anos, a Revolução Pacífica Redentora, da política, do país e da população, o contrapondo ideal a essa sujeirada toda que ai está há pelo menos 130 anos, daí teríamos pelo menos colocado à disposição da população votante pelo menos uma opção realmente diferente de tudo isso que aí está, repito, há 130 anos, com prazo de validade vencido há muito tempo. Daí, vem o impostor político temporal da ora, eleito à base do charlatanismo, e apresenta ao país a sua inovação, mais um partido, mais comilança de gente com dinheiro público, tentação essa que temos rejeitado há mais de 30 anos, ainda que como instrumento de uma Causa Nobre cujo tempo chegou. Enfim, “em cada cabeça uma sentença”. https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/11/13/novo-partido-de-bolsonaro-ja-nasce-enlameado/?fbclid=IwAR0nKv58PqX7aSA1mTIpnayRAGrA49hv9VIzA7qXETuX7dUPWT_ewbiuG9g

  2. Twitter de jornalista e matéria apontam que Jair, no dia da morte de Marielle, estava no Rio de Janeiro. Tudo por conta de uma intoxicação alimentar!!!

    E assim, Jair vai se enrolando cada vez mais…

  3. Segundo IBGE, pela 1ª vez, pretos e pardos são mais de 50% dos universitários da rede pública.

    Mais um legado de Lula, que provoca tanto ódio entre os cidadãos de bem eleitores de Jair.

  4. Alex,

    Vai amolar o boi com essa tua cantilena e bazófias!

    Se o que apontas é verdade, o percentual de negros e pardos não advém de melhorias nas escolas públicas, mas em razão das cotas raciais!

    A questão, agora, enganador, é saber desses percentuais os que se formarão e conseguirão trabalho nas suas especialidades, em face de uma base frágil, que ocasionará um curso acadêmico medíocre por falta de recursos econômicos desse pessoal, assim como de outras etnias que frequentam a escola pública, hoje um crime que se comete contra os jovens brasileiros, e flagrante segregação!

    Possibilitar desigualdades E POR PARTE DO GOVERNO entre os cidadãos é crime, e esse modelo de cotas deveria ser extinto, ainda mais com base na cor da pessoa!

    Bom, legados do PT só mesmo desse tipo, prejudiciais, preconceituosos, mal intencionados e desonestos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *